OBRIGADO, DOMINO!

Dominuque Perrier com Jean-Michel Jarre

“Meu irmão de armas, Domino, foi embora, mas só para um um pouco mais longe e continuará vagando nas nuvens: seu território favorito. Dândi do teclado, gênio da improvisação, fiel companheiro de inúmeras andanças noturnas em estúdio, cúmplice insubstituível ao meu lado nos palcos de todo o mundo, sobrevoando Moog e Mellotron com humor e elegância. Dominique Perrier permanece porque os poetas nunca morrem.”

Dominique Perrier, companheiro de longa data de Jean-Michel Jarre em inúmeras gravações e concertos, faleceu no dia 4 de outubro. Ele estava internado há vários dias, seu estado de saúde piorou e ele acabou não resistindo, perdendo a luta contra uma doença. A informação do seu falecimento foi divulgada por Francis Rimbert no seu Facebook:

“Triste notícia: nosso companheiro de tantas estradas, de tantas sessões de estúdio e de tantas risadas partiu para se juntar ao paraíso dos grandes artistas: Dominique Perrier nos deixou!…. Não posso mais escrever aqui…”

Após a postagem de Rimbert, vários membros da Le Tribe prestaram homenagens no Facebook. Claude Samard comentou:

“Tive a oportunidade de compartilhar ótimos momentos com vocês na turnê dos 30 anos do Oxygene. Que músico e que personagem! Difícil para todos aqueles que, como você, o conheceram tão de perto.”

Christian Bourret, que trabalhou como Diretor Artístico nos concertos de Jean-Michel Jarre também comentou:

“Dominique, que triste, um tecladista fantástico, inventivo e criativo. Eu o descobri durante o show de JM Jarre em Houston, em 1986, e fiquei imediatamente impressionado com seu carisma e personalidade. Ele era realmente um músico à parte, um talento. O trio Perrier, Rimbert e Jarre foram realmente os melhores. Minhas sinceras condolências à família e entes queridos de Dominique. Domino, eu te saúdo.”

Jarre, Rimbert e Perrier

O guitarrista Patrick Rondat escreveu:

“Muito triste meu amigo Francis Rimbert … mas vivemos com ele momentos incríveis.. Os primeiros ensaios em Croissy… Europe in Concert… Domino, não acredito…”

Depois postou no seu Facebook oficial:

“Acabo de saber da morte de Dominique Perrier, um músico imenso e com um humor incrível. Dividimos o palco com Jean-Michel Jarre, principalmente na Europe in Concert e ele, muito mais do que eu, participou das aventuras de JMJ pelo mundo… Ele também me convidou para vários de seus projetos. Esta é uma notícia muito triste… Todo o meu apoio à sua família e amigos.”

Michel Geiss, que foi o primeiro a dar a notícia no final de agosto de que a saúde de Perrier era preocupante, escreveu:

Michel Geiss com Dominique Perrier

“Olá pessoal,
Dominique Perrier faleceu hoje. Eu esperava vê-lo novamente esta semana. Dominique se tornou um amigo, principalmente porque trabalhei com ele em seus álbuns. Sua confiança em mim me tocou, assim como seus comentários sobre minhas mixagens e masterizações recentemente. Confesso que tive orgulho de trabalhar com alguém que significou muito para mim, desde o Space Art, que ele fundou (com Roger Rizzitelli) e seu hit ‘Onyx’. E recentemente, em junho, ele me disse que o próximo álbum estava pronto.
Dominique era uma pessoa simples e gentil. Ele escondeu seu talento atrás de sua simplicidade. Ele gostava mesmo de ser chamado de Mino ou Domino, e não de Dominique. Nunca estava de mau humor, sempre positivo, sorridente e jovial. No entanto, um dos momentos mais difíceis de sua vida foi a morte de sua parceira Janet Woollacott em 2011.
Os seus comentários sobre as suas colaborações com Jean-Michel Jarre – que conheceu em 1973 nos Studios Ferber, onde passou noites a trabalhar com Christophe em ‘Les Paradis Perdus’, na companhia de Francis Dreyfus – foram cheios de gentileza. Esta colaboração com Jean-Michel continuou mais tarde, a partir de Magnetic Fields, no palco até o concerto de Moscou em 1997 e no estúdio para Oxygene live in your Living Room. Ele relembrou todos aqueles anos de trabalho conjunto com certo distanciamento, mas claramente tinha boas lembranças dessa grande parte de sua vida.
Na verdade, na minha última visita em seu leito, quando a enfermeira levou os medicamentos para o quarto, eu tinha comigo vários depoimentos de fãs impressos. Expliquei-lhe que Dominique era um músico conhecido por muitas pessoas, quer pessoalmente, quer através da sua música, que me enviaram estes depoimentos de apoio.
Também me lembro de seu senso de humor. Algumas semanas atrás, eu o fiz rir ao lembrá-lo de que ele havia dado o nome de ‘pizzaria’ à decoração deliberadamente ‘kitsch’ do palco dos concertos na China 😉
Lembraremos de seu talento como solista quando executou seus memoráveis refrões em seu Moog Liberation. Fizeram parte da carreira de Jean-Michel Jarre, que lhe deu o papel de solista. Mas isso foi apenas parte do seu talento musical, que o levou a trabalhar como arranjador e tecladista de estúdio com, entre outros, Michel Fugain, Alain Bashung, F. R. David, Gipsy Kings, Louis Chedid e Gilbert Bécaud. Um de seus instrumentos favoritos era o ARP Odyssey. Mas acima de tudo ele amava o piano.
E Dominique também foi cofundador do grupo de mentalidade celta Stone Age.
Meus pensamentos também vão para aqueles que lhe são próximos, especialmente aqueles que cuidaram dele todos os dias há algum tempo (obrigado Marine e Annick!).
Com a saída do nosso Mino, que se tornou uma lenda ao longo dos anos, uma parte da nossa história da música eletrônica desapareceu. E para mim, é meu amigo que está me deixando muito cedo.
Já sinto falta dele. Tenho certeza que muitos outros também.”

Claude Samard comentou na postagem de Geiss:

“Obrigado por esta lembrança que atesta o seu talento em diversas áreas, solista, arranjador, compositor inspirado e de gosto muito seguro…. Foi uma chance para nós tê-lo conhecido em nossa jornada musical.”

O baterista dos concertos de Houston, Lyon e Docklands, Joe Hammer, também comentou:

“Nunca vou esquecer isso. Boa viagem Dom! 🙏

Joe Hammer e Perrier em Houston

“Tudo foi dito por Michel Geiss e é uma linda homenagem ao Domino cujo talento só rivaliza com sua simplicidade!”, escreveu Francis Rimbert.

A soprano de Chronologie 3 na Europe in Concert, Julie Lecrenais, também se manifestou em seu Facebook:

“Acabo de saber da morte de Dominique Perrier e é com emoção que penso no meu início, na sua gentileza e na da sua esposa durante a digressão de JMJ pela Europa. Lembro-me de uma pessoa gentil, cheia de humor e adorável com as pessoas que conhecia.
Há alguns meses, outro dos meus companheiros de concerto celtas desapareceu, o que deixa uma sensação estranha.
No palco, os vínculos voltam a ser forjados de maneira diferente. Transmite outra emoção.
E as memórias são traduzidas numa dimensão tão única através da partilha musical…
Todos os meus pensamentos estão com seus entes queridos.
E agradeço à vida por ter tido o privilégio de cruzar o seu caminho.
Com um pensamento para Michel Geiss que gentilmente nos alertou para o seu estado de saúde.”

Patrick Rondat escreveu na postagem de Julie:

“Foram tantas memórias….. Todos nós tivemos sorte de viver isto!!”

E Julie respondeu:

“Sim Patrick, tivemos o privilégio de ter conhecido uma pessoa linda nestas condições excepcionais. Obrigada a todos, porque vocês foram uma equipe tão carinhosa nesse ambiente superficial, que sempre tive essa linha de conduta profissional como exemplo.”

Frederick Rousseau, que também participou da histórica turnê de Jean-Michel Jarre pela China em 1981, também se manifestou no Facebook:

“Tristeza após o desaparecimento de Dominique Perrier. Memórias e abraços à Jeannette e Roger por mim… RIP”

Dominique durante a turnê In Doors em 2009

A seguir, publicamos uma entrevista de Perrier para a revista Conductor of the Masses em 1997. Foi feita durante a Oxygene Tour por Michael Calvert, para a edição especial dupla 19/20. Calvert conseguiu de Dominique, algumas curiosidades sobre seu trabalho junto com Jean-Michel Jarre:

Dominique Perrier é um homem quieto e tímido, mas claramente guarda muitas histórias sobre seu trabalho com Jean-Michel. Ficamos, portanto, muito satisfeitos quando, na Itália, Dominique disse que ficaria feliz em aparecer na revista e que deveríamos realizar uma entrevista com ele.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Você está com Jean-Michel há muito tempo. Como você acha que a música dele evoluiu?

“Há muito mais ao vivo agora. É mais interessante. Não é novidade para algumas pessoas, como Laurent [Faucheux] na bateria, mas para os tecladistas é uma grande evolução.”

Você prefere esse tipo de espetáculo menor e mais intimista ou os grandes eventos que Jean-Michel já organizou no passado?

“Eu prefiro fazer turnê, porque você tem a chance de refinar o show todas as noites em que toca. Quando você faz um único show, você só tem uma chance.”

Você procura ativamente mudar as coisas no palco entre os concertos?

“Não, isso muda por si próprio. Nosso desafio é pegar o que está acontecendo e transformá-lo em uma experiência agradável para o público. Cada público, cada palco, cada atmosfera é diferente. Gosto de ver o público e gosto quando ele está se divertindo. O que não gosto é que as pessoas tenham que se sentar em salas de concerto. Isso mata a atmosfera.”

Seu primeiro concerto com Jean-Michel foi na China. Você sente que completou o círculo de shows em arenas, passando por grandes concertos e voltando para arenas novamente?

“Sim! Não apenas voltamos às minhas primeiras experiências com Jean-Michel, mas também estamos usando praticamente os mesmos sintetizadores daquela época. Sou da mesma geração de Jean-Michel e nós estamos mais confortáveis e habituados a lidar com instrumentos analógicos do que com instrumentos digitais. Pra ser sincero, não gostei muito dos anos que passamos com equipamentos digitais. No palco, tenho o Eminent, que é bastante temperamental. Às vezes, ele emite sons sozinho. Você tem que tratar esses instrumentos antigos como carros antigos. Os Eminents pertencem a Jean-Michel, pelo que eu saiba. Caso contrário, penso que foram comprados ou alugados para essa ocasião. Se eles quebrarem, temos o Patrick [Pelamourgues]!”

Vocês já fizeram cerca de 20 shows (Oxygene Tour de 1997). Como você se sente?

“Estou bem! É um trabalho árduo, mas teremos alguns dias livres na próxima semana e estou ansioso para voltar para a França.”

Eu ouvi sobre alguns eventos engraçados com você e o resto da equipe…

“Bem, você sabe como é. Você tem que rir quando fica junto com o restante da equipe por tanto tempo, longe da família. Temos alguns momentos loucos.”

Teve algum show especialmente bom que ficou gravado em sua mente?

“O que mais muda é a qualidade do som. Lembro-me de Genebra quando simplesmente não conseguíamos fazer com que soasse bem. Havia ressonâncias e ecos por toda parte.”

Como você acha que a música de Jean-Michel mudou ao longo dos anos, desde os concertos na China?

“Agora percebi que Jean-Michel regressou às suas raízes. Durante alguns anos migrou para o techno, mas percebeu que seu estilo original também não era ruim. Com o tempo, você percebe onde estão suas áreas mais fortes.”

Você trabalhou com Christophe no passado. Como conheceu Jean-Michel Jarre?

“Estudei música, dos cinco aos quinze anos no Conservatório para a teoria e depois durante o resto da vida para a prática! Conheci Jean-Michel Jarre durante a gravação de ‘Paradis Perdus’ de Christophe. Meu primeiro envolvimento direto com ele foi no álbum ‘Les Mots Bleus’ onde escrevi a música e Jean-Michel escreveu a letra. Antes de conhecer Jean-Michel, tinha escrito vários arranjos, como ‘Asturias’, interpretado por Laurent Perrier, meu irmão. Também fui produtor da EMI em particular. Em seguida, trabalhei para vários outros artistas, incluindo os Gypsy Kings, para quem escrevi a música para ‘Bamboleo’.”

Como tem sido trabalhar com Jean-Michel Jarre nos últimos quinze anos?

“Jean-Michel Jarre é um músico extremamente esforçado. Trancado no seu estúdio durante os últimos vinte anos, as suas ideias visionárias ultrapassaram os limites técnicos. Ele conseguiu superar vários problemas, convencer os melhores técnicos a construir protótipos de instrumentos incríveis, inéditos para a época, mas que hoje são vistos como indispensáveis. Ele se autodenomina um ‘tocador de realejo moderno’ (eu diria o tocador de realejo do futuro). Na época em que o sequenciador e o sampler não existiam, ele inventou medindo cuidadosamente pedaços de fitas magnéticas e colando as partes novamente. Hoje isso está à distância de um clique no mouse… No que diz respeito ao seu desenvolvimento musical, este sempre foi fruto da sua abertura a outros estilos. Marcus Miller para Zoolook, Hank Marvin para Revolutions e outros como Laurie Anderson, os steel drums de ‘Calypso’ e assim por diante. Sempre em busca da originalidade, ele viajou pelo mundo em busca de ideias.”

Um dos projetos mais famosos de Jean-Michel Jarre foi a turnê pela China. Como foi ser a nova pessoa trabalhando naquela equipe?

“A equipa era pequena, mas extremamente competente, principalmente no que diz respeito aos requisitos técnicos. As pessoas-chave eram inventivas e extremamente práticas, capazes de reparar um computador ou um laser no local. A sensação de ser novo na equipe nunca durou muito com Jean-Michel, pois a sua gentileza e paciência faziam com que mesmo o novo membro mais tímido se sentisse imediatamente em casa. Os concertos na China foram uma boa ilustração disso. Os problemas em Pequim surgiram de todos os ângulos, mas os principais estavam relacionados com a comunicação. Por exemplo, acabei ficando em um hotel diferente do da minha esposa, que tinha visto de turista, enquanto o meu era de trabalhador. Devo acrescentar que em Pequim os trabalhadores estavam hospedados em hotéis melhores do que os de turistas.”

Como foi a reação do público ao assistir Jean-Michel Jarre? Um completo choque cultural?

“O público parecia pensar que um disco voador havia pousado. Após o primeiro concerto, foi um pandemônio. Todos clamavam por uma assinatura no ingresso ao final do show. Deve ter sido uma bênção assim como foram os primeiros shows de rock na Europa. As salas de concerto estavam lotadas, exceto no primeiro show em Pequim, onde a sala ficou meio vazia pouco antes da última música. Era hora de sair o último ônibus para os soldados que ocupavam metade dos assentos.”

O álbum ao vivo da China é um clássico do Jarre. Você ficou feliz com a música da turnê?

“A música foi totalmente ao vivo, sem fitas de apoio. Dos sete concertos [China, Houston, Lyon, Docklands, La Défense, Europe in Concert e Torre Eiffel], o da China foi o único indoor. Na verdade, foram quatro concertos na China, dois em Pequim e dois em Xangai, se bem me lembro [corrigindo, foram cinco: dois em Pequim e três em Xangai]. O sistema de som foi inteiramente transportado da França, assim como o resto dos equipamentos, instrumentos, lasers, etc. O nosso Boeing 747 estava cheio até à borda. Não houve fogos de artifício, mas a iluminação e os efeitos a laser foram excelentes. Até hoje não vi uma iluminação tão boa. Os jornalistas ainda falam sobre isso, quinze anos depois.”

O vídeo da turnê na China é realmente único. Isso traz boas lembranças?

“Para mim, o vídeo é um ‘souvenir’ de um grande evento, pois mostra aos chineses como os conhecemos e aprendemos a gostar deles. De todos os concertos na China, o primeiro concerto em Xangai foi o meu favorito.”

Qual é o seu papel agora durante os shows?

“Agora tenho cada vez menos responsabilidades técnicas em palco com Jean-Michel, mas estou mais envolvido no lado artístico dos refrões e das transições. É bom porque eu gosto de improvisar! Minhas responsabilidades também incluem ensaios com Jean-Michel para definir suas partes e trabalhar com ele nas partes mais difíceis.”

Tocar para milhões de pessoas deve ser uma sensação muito estranha. Você já teve algum problema no palco?

“Não tive nenhuma experiência desagradável durante nenhum dos concertos, exceto talvez um grave ataque de nervos no La Défense. Sem dúvidas, fiquei com medo de tocar em frente ao Arco do Triunfo. Felizmente, na Torre Eiffel e a turnê anterior me curaram completamente disso. Me senti totalmente em casa na Torre Eiffel, principalmente quando Jean-Michel começou a tocar o acordeon – adoro esse som e me sinto bem com ele. E eu também adoro o realejo embaixo da cascata de ouro.”

Antes da Oxygene Tour, qual foi o seu show favorito?

“O show na Torre Eiffel foi o melhor. Se houve algum problema, eu não sei. Correu tudo bem. Foi mágico!”

Jarre e Dominique ensaiam em frente à Torre Eiffel para o Concert for Tolerance. Fiona Commins acompanha ao fundo

Você trabalha em alguma parte visual dos shows de Jean-Michel?

“Todos os espetáculos de Jean-Michel são concebidos por ele, preparados por ele com meses de antecedência, dia e noite. Seu maior prazer é a reta final, onde ele verifica cada pequeno detalhe, um após o outro, como se verifica cada rebite de um navio que está sendo enviado para ser lançado ao mar. Dito isto, no concerto em Docklands, essa comparação quase se tornou realidade, à medida que o palco flutuante se separou do cais durante o concerto. Além disso, tínhamos sido fortemente aconselhados a não estar naquele ponto do Tâmisa naquela época do ano.”

Qual música de Jean-Michel você mais gosta e quem mais você admira?

“Meu álbum favorito é ‘The Concerts in China’, e minha faixa favorita é ‘Souvenir of China’, claro. No entanto, penso sinceramente que ‘Zoolook’ é o trabalho mais inovador. Meus músicos favoritos são Count Basie, Quincy Jones e Gainsbourg pela música e letras, respectivamente.”

Você pode nos contar um pouco sobre sua carreira pessoal?

“Comecei com um grupo chamado Space Art, já tivemos três discos com o baterista Roger Rizzitelli que também conheci durante a gravação de ‘Paradis Perdus’ do Christophe. Gosto de tocar em grupo. O sintetizador é um instrumento fabuloso, o instrumento do século XX. Estou muito satisfeito em ver Jean-Michel retornar com os instrumentos analógicos, pois são a minha formação. Temos a mesma idade apesar das aparências, eu não sou o pai dele! Veja bem, eu poderia (quase) ser o pai de Patrick Rondat. Eu o admiro muito e estou feliz por ele ter se juntado a nós. Ele traz consigo um sentimento mais pessoal para a música, o elemento ‘tempo real’. Ele toca numa velocidade que não conseguimos igualar, é muito estimulante!”

Você pode nos contar um pouco sobre o Stone Age?

“Isto não é tanto um conceito, mas um encontro de dois músicos parisienses cujas verdadeiras raízes são bretãs. É um regresso ao básico. Com o passar do tempo, as modas vão e vêm, desde os tempos mais antigos até o futuro mais distante. Neste grupo nada é planejado, tudo é feito pelo ‘sentimento’. Aqui, as ideias não vêm de uma pessoa só, mas da troca e da abertura. Nosso trabalho é então dar vida a essas ideias. Os instrumentos utilizados no segundo álbum são diferentes dos do primeiro, ou pelo menos são usados de forma diferente. A música é tradicional e moderna, sobrepostas e fundidas. Os sintetizadores desempenham um papel importante nesta música. Os músicos são Jérôme Gueguen (teclados), Michel Valy (baixo), Marc Hazon (bateria) e eu. O primeiro álbum levou um ano para ser concluído.”

Quais seus planos para o futuro?

“Tenho um grande número de projetos, vários são ao lado de Jean-Michel. Claro que adoro o trabalho atual do Jean-Michel, mas sempre é pela sua obstinação que me envolvo nos seus projetos. Cada vez, ele discute as suas ideias comigo, desde o meu inicial ‘acho que sim’, ‘mas há o risco de…’, ‘vai ser difícil’ e ‘para quê’ até ‘sim, acho que sim, ok, se você olhar as coisas assim’.”

Perrier durante a turnê dos 30 anos do Oxygene

Dominique Perrier será cremado no dia 12 de outubro no Crématorium du parc de Clamart

O Jarrefan Brazil está de luto! Descanse em paz, Domino! (1950-2023)

Fontes: Redes sociais da Le Tribe | Conductor of the Masses Edition 19/20

Visits: 93