JARRE NO BRASIL – Promessas completam três décadas – Parte V (Final !?!)

Última parte da matéria sobre as possibilidades de vinda do artista francês Jean Michel Jarre ao Brasil. O século XXI chegou, e o “Homem da música do século XXI”, ficou cada vez mais distante do país…

NUNCA MAIS OUTRA VEZ ????

A maior chance que o Brasil teve para assistir Jean Michel Jarre ao vivo e de graça, foi jogada na lata de lixo pela RioTour. Anotem este nome: Gerard Bourgeaiseau. Foi ele que mandou cancelar a última esperança de shows do Jarre no Rio de Janeiro. O tempo foi passando, o novo século chegou e após a possibilidade do concerto no Réveillon de 1997 ter ido literalmente para o espaço, boatos sobre um novo concerto por aqui só chegariam 4 anos depois. A imprensa brasileira praticamente esqueceu o artista e pra variar, a Sony Music não chegou nem perto da campanha de marketing que a Polygram fazia nos anos 80. O artista começou a ser esquecido e ignorado pelas novas gerações. A gravadora seguinte, Warner Music, nada fez pelo artista e a EMI Music, praticamente fechou o caixão do artista a nível mundial. Claro que na Europa ele sempre será Imperador.

Durante um chat realizado em outubro de 1998, no site da revista Paris Match, Jarre foi indagado pelos seus fãs brasileiros sobre um show em terras tupiniquins na qual ele respondeu:

“Sobre o Brasil: como vocês provavelmente sabem, alguns projetos de grandes concertos no Rio e São Paulo foram planejados. Isto não aconteceu por várias razões, mas depois do Egito (Twelve Dreams of the Sun – 2000) eu gostaria de ver o próximo grande concerto outdoor acontecendo no Brasil.”

Em 2001, o site inglês “Revolution-UK”, colocou uma pequena nota sobre uma possibilidade de uma turnê da banda que Jean Michel Jarre havia montado com o japonês T.K., “The ViZitors”. A ideia era fazer uma turnê mundial usando o show Rendez-Vous in Space, que ocorreu em Okinawa, como base. A nota dizia que Jarre estava em negociação com um importante festival musical brasileiro que ocorreria no segundo semestre de 2001, provavelmente o Free Jazz Festival, que já trouxe ao país a banda eletrônica alemã Kraftwerk. Mas a turnê acabou não sendo realizada e a banda praticamente só existiu para o show de Okinawa sendo desfeita logo após.

FÃS FAZEM SUA PARTE

Sabendo que a situação para um show do Jarre no Brasil só piorou na primeira década do novo século e milênio, o seu fã clube brasileiro, JARREFAN BRAZIL, resolveu arregaçar as mangas e montou um projeto próprio de show do artista em nosso país, esperando um momento específico para isto acontecer. Então, a oportunidade surgiu em 2004, durante a comemoração dos 450 anos da cidade de São Paulo. A prefeitura da cidade, na Administração Martha Suplicy, abriu espaço para sugestões e no meio de muitas ideias, o projeto do JARREFAN BRAZIL (elaborado por Marcos Ferasso e concluído por Ricardo Melo), com apoio do Sr. Zuza Homem de Melo, chegou às mãos da Anhembi Turismo e da Secretaria de Cultura. O Diretor da instituição e Presidente do Comitê municipal dos 450 anos, Sr. Celso Marcondes, apoiou o projeto para um show na Avenida Paulista durante os 450 anos, mas pediu para o fã-clube correr atrás de patrocínio para evento, conforme este FAX abaixo:

Infelizmente o Jarrefan Brazil é apenas um fã-clube e não uma empresa de eventos e patrocínios. Foram feitos vários contatos com empresas de entretenimento e promotores de eventos, mas foi tudo em vão. Sem a grana, não rolou.

O Jarrefan Brazil, também enviou um projeto para um show de Jean Michel Jarre durante a celebração dos 50 anos da capital do Brasil, Brasília, que é Patrimônio da UNESCO no ano de 2010. O fã Cristiano Verano, outro membro do Jarrefan Brazil, chegou a ser recebido pelo Vice-Governador, Sr. Paulo Octávio, que achou a ideia muito boa. Só que as denúncias de corrupção contra o Governador José Arruada e seu Vice, Paulo Octávio, acabaram no cancelamento da festa dos 50 anos de Brasília. Lamentável! Este show chegou a ser listado como possível de ocorrer no evento.

ANO DA FRANÇA NO BRASIL – 2009

Uma outra tentativa por parte de promotores aconteceu durante o “Ano da França no Brasil”, em 2009. Segundo o site Fiber-OnLine, duas empresas disputaram os direitos para realização de um show de Jean Michel Jarre no país, conseguindo até a grana necessária com a Lei Rouanet, de apoio à cultura. Só que por motivos escusos (que serão mantidos em sigilo por muitos anos), o projeto não vingou.

Duas empresas disputando Jarre em Sampa ?

Uma exposição itinerante em São Paulo e Santos, produzida pelo escritor Renato Mundt e com o apoio do Jarrefan Brazil e da UNESCO, foi realizada entre 2008 a 2009 para chamar a atenção para um possível show do artista no Brasil.

Atualmente, Jarre está fazendo uma série de turnês indoors na Europa, desde o final de 2007, e sempre que é entrevistado, cita a América do Sul e Brasil como possíveis rotas de uma  turnê que até agora não conseguiu sair da Europa. Em 2011, ficamos na esperança, mais uma vez…Ela é a última que morre!

“A mensagem que eu poderia dar aos brasileiros seria primeiro agradecer às pessoas que seguem meu trabalho. Eu sei que aparentemente algumas pessoas apreciaram o que eu fiz e isso me toca muito. Eu me comprometo com aqueles que se interessam pelo que faço; fazer alguma coisa que corresponda ao Brasil”
(Jean Michel Jarre – 1988)

——————

Agradecimentos aos Jarrefans que nos enviaram suas reportagens:

Leonardo Jammal (Uberaba-MG), Renato Mundt (São Paulo-SP), Aldo (Rio de Janeiro-RJ), Nilcéia (Campinas-SP), Dlaivison (Belo Horizonte-MG) , Marcos “Xerife” Paulo (Santos-SP)  e Cristiano Verano (Brasília-DF)

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.

6 thoughts on “JARRE NO BRASIL – Promessas completam três décadas – Parte V (Final !?!)

  • 21 de dezembro de 2011 em 13:02
    Permalink

    Obrigado Adelvacir Helena pelas palavras de apoio. Lutaremos até o fim para trazer este ídolo ao país. A esperança é a última que morre !

  • 20 de dezembro de 2011 em 04:25
    Permalink

    Parabéns a quem criou o jarrefan, a quem foi atrás e continua insistindo para que esse megashow aconteça no Brasil. Que seja logo, que seja muito bem vindo! Contem com meu apoio e torcida… Se as novas gerações brasileiras soubessem o que estão perdendo…

  • 15 de dezembro de 2010 em 08:10
    Permalink

    Obrigado Cristiano. Iremos dar o crédito a você. Foi um erro nosso. Alias, o ofício é bem vindo, para colocarmos nesta reportagem.

    Abraços,

    Ricardo Melo – Jarrefan-Brazil

  • 14 de dezembro de 2010 em 22:02
    Permalink

    Ricardo,
    ótima série. Tudo muito bem sintetizado e de forma direta.
    Mas gostaria que vc fizesse uma retificação. Quando foi apresentado o projeto, fui recebido pela Comissão Brasília 50 anos (com a presença do Secretário de Turismo), essa nomeada pelo Vice-Governador Paulo Octavio para receber as idéias para a comemoração do aniversário da cidade, ou seja, não fui recebido pela pessoa do Vice-Governador.
    Posteriormente, recebi telefonema para comparecer à Secretaria de Turismo do DF, justamente para apanhar ofício assinado pelo Vice-Governador — ainda tenho ele aqui comigo, se quiser te envio –, acusando o recebimento da proposta e nos congratulando pela iniciativa.
    É isso.
    Um abraço e parabéns, uma vez mais, pela série.

    PS.: Sem querer puxar a sardinha para o meu lado, mas já puxando (rsrss) também vou requerer minha contribuição pelas reportagens postadas, pois me lembro de ter fornecido algumas delas, até então inéditas para alguns, como essa do LASER NA AREIA.

  • 8 de dezembro de 2010 em 07:59
    Permalink

    Vale Aljr, o Jarrefan sempre estará aberto pra vc.

    Abraços.

    Ricardo Melo

  • 7 de dezembro de 2010 em 16:47
    Permalink

    Parabéns a Todos os Homens de Caráter do JarreFanBrazil com essa Reportagem!!!
    Jean Michel Jarre não é só um Grande Músico, Maestro e Pessoa que todos nós admiramos, ele talvez seja mais que isso, uma vítima de alguns Investidores Especuladores.

Fechado para comentários.