LA CAGE COMPLETA 50 ANOS

Saiba mais sobre o “La Cage”, o primeiro compacto de Jean-Michel Jarre como artista solo. Gravado às escondidas em 1969, o single só seria lançado em 27 de junho de 1971 pela gravadora Pathé Marconi.

Jean-Michel Jarre ingressou no Grupo de Pesquisas Musicais (GRM) no final de 1968 / início de 1969 para fazer um estágio de 2 anos. Nesse período, aprendeu a trabalhar com materiais sonoros gravados, fazendo manipulações da maneira tradicional. Ele também descobriu osciladores, máquinas inicialmente projetadas para produzir eletricidade que foram desviadas para produzir sons sintéticos ao brincar com as frequências emitidas. Jean-Michel encontrou ali a continuação dessas experiências com o som que praticava desde a adolescência em seu magneto Grundig (fabricante alemã de produtos eletrônicos). Ele descobrirá assim um certo talento instintivo para extrair composições musicais dessas manipulações.

Em algumas noites, Jarre consegue entrar no Studio ‘roubando’ as chaves, com a ajuda de Bernard Parmegiani, guardião daquele templo do qual forma, com Pierre Shaeffer e François Bayle, a trindade do GRM. Objetivo da missão: acessar o estúdio onde estavam guardados os instrumentos e máquinas normalmente reservadas a compositores consagrados, e compor algo ali nas melhores condições possíveis, mesmo que isso signifique violar os limites do estágio. Lá se encontra o “Console”, uma máquina de ‘ficção científica’ que incorpora uma mesa de mixagem, um toca-fitas multitrack, um sistema de amplificação e um sintetizador analógico modular, programável por placas matriciais: o Coupigny.

Pierre Schaeffer com um sintetizador Coupigny

Em entrevista publicada em 2014, Jarre comentou: “Quando éramos estagiários, não podíamos entrar nos grandes estúdios, que eram como se fossem catedrais que tínhamos que respeitar. Havia esse sentido hierárquico, que de qualquer forma era muito formativo e muito bom, mas que obviamente foi feito, como qualquer estrutura formal, para ser hackeado. La Cage foi gravado inteiramente com o roubo das chaves do estúdio principal do GRM que era dirigido por Bernard Parmegiani, que estava longe de ser o mais rígido na área. Gravamos de madrugada enquanto os outros estavam dormindo.”

Bernard Parmegiani na frente de um console do GRM

Foi neste covil que Jarre, em 1969, lançou as bases para a gravação da faixa. Entre os improváveis ​​instrumentos usados ​​estavam um rack de 12 osciladores, uma guitarra elétrica distorcida tocada em um arco, uma serra musical tocada de cabeça para baixo e pratos tocados em um arco. Na bateria, Jean-Pierre Monleau, ilustre convidado estranho de quem não se tem nenhum vestígio. Foram gravadas duas versões: uma tocada ao vivo com o baterista, e uma segunda com o baterista tocando sobre um fita previamente gravada.

Junto com este primeiro título, um segundo, menos rítmico, nasceu ao mesmo tempo. Sons de vibrações de lâminas de metal gravadas em velocidades diferentes e depois montadas em loops em fitas magnéticas, blocos de madeira desafinados com velocidade variável, vozes humanas diluídas e um órgão Harmonium criaram a faixa “Erosmachine”. Uma amostra deste tema foi usada por Jarre 24 anos depois, na segunda faixa do álbum Chronologie.

“Esse trabalho foi feito com quatro gravadores que foram sincronizadas à mão, com pedaços de fita. Começamos ao mesmo tempo com os braços e o que podíamos conseguir, para fazer a sincronização. Quando gravamos, reproduzimos nas mesmas máquinas. Ficamos em sincronia por cerca de 4 minutos.”

Essas duas peças experimentais não estavam acessíveis a todos. As fitas permaneceram em caixas enquanto aguardavam a hora da publicação. Ao deixar o GRM, Jarre consegue entrar furtivamente na gravadora Pathé Marconi. Seu amigo Igor Wakhévitch, com quem compôs o balé Aor para a Ópera em 1971, também assinou com eles. Jarre, entretanto, assombra lugares em busca de seu caminho.

Em entrevista para a revista “Rock & Folk” de novembro de 2015, Jarre comentou: “Quando saí do GRM, me deparei com os estúdios Pathé Marconi, com seus enormes e insanos ‘consoles’: era como se alguém em um pedalinho observasse uma Ferrari. Estava feliz demais para poder trabalhar ali com aqueles equipamentos.”

Jarre então conseguiu convencer a gravadora a lançar um single com as duas faixas. Ele é ajudado por Max Dumas, que trabalhava na empresa e que por acaso era um amigo de infância de Jean-Michel. O single foi finalmente lançado em 1971 e é o primeiro disco solo do compositor. A ilustração abstrata da capa feita de faixas pretas, brancas e vermelhas é de Hélène Leduc, amiga do músico desde o GRM e futura esposa de Francis Dreyfus. Na contra-capa, as notas do amigo Max Dumas, que assina “Xam Samud” (o nome dele escrito ao contrário), e que apresenta o autor da música de forma bombástica:

“Órgão, baixo e bateria com força total. Muitos pauzinhos. Toda uma gama de equipamentos de percussão que vão do bongô ao chocalho, passando pelo flexatone e colher de pau. Finalmente música. Mista, aterrada, modulada por sintetizador, geradores, filtros próprios manipulados e monitorados, graças a cerca de cinquenta potenciômetros e mostradores. O mágico troglodita recém-chegado do Grupo de Pesquisas Musicais está lá, reinando em sua caverna escura no centro de Paris. Ele toca tudo, vê tudo. O som vem de alto-falantes potentes.”

500 cópias foram prensadas e 117 foram vendidas. As cópias restantes foram destruídas pela gravadora, mas a fita original foi preservada. Durante uma mudança, 300 cópias originais deste lendário disco teriam sido descobertas no final dos anos 2000, em um enorme estoque de itens não vendidos da mesma gravadora. Até hoje, cada cópia ainda é negociada em torno de algumas centenas de euros em sites de leilão.

Após uma breve aparição em uma coletânea de faixas pouco conhecidas retiradas das gavetas da Pathé Marconi em 1978, as fitas de “La Cage” e “Erosmachine” voltaram aos arquivos do compositor enquanto aguardavam dias melhores. Até que em 2011, os rolos antigos finalmente encontraram a luz do dia para uma remasterização, e as duas faixas foram lançadas na coletânea dupla Essentials & Rarities, junto com os remixes produzidos pelo DJ Vitalic em 2010.

Fonte: Aerozonejmj.fr