JEAN-MICHEL JARRE NO IRCAM: “NO ‘ESPRO’, PODEMOS TRANSFORMAR FISICAMENTE A ACÚSTICA”

O Espaço de Projeção (Espro) do IRCAM acaba de reabrir após vários anos passando por reformas. Imagine a Meca do som: uma sala enorme, tão alta quanto larga, articulável (cujo layout interno pode ser alterado) e modular (as paredes, teto e piso são móveis). Tudo recheado de microfones, alto-falantes e painéis móveis permitindo uma acústica infinitamente modificável. No dia 14 de janeiro, empoleirado em sua plataforma, o inoxidável Jean-Michel Jarre, com 75 anos e sempre com o pé direito, finalmente, acima de todos os bons ouvidos, oficia ao leme, como um sumo sacerdote diante de uma assembleia de fiéis.

Jarre realizou duas apresentações com uma boa hora de show sonoro. Bastante “dark”, sempre polido, às vezes próximo ao metal. Sons gravados de uma maneira “real”, habilmente intrigantes (voz anasalada de Pierre Henry, um dos grandes pensadores da música eletroacústica, sons de água, crepitação de fogo, instrumentos tocados ao vivo…), sons de sintetizadores e camadas sonoras, sempre com essa dinâmica interna própria das composições de Jean-Michel Jarre.

O que mais marcou na performance de Jarre foi, sem dúvida, a imersão sonora. “Colocar sons em 360° no espaço, como objetos ao seu redor, é uma forma completamente diferente de compor que está revolucionando a concepção, produção e distribuição da música de amanhã”, diz o pioneiro da música eletrônica. Para o ouvinte, é encontrar-se verdadeiramente no meio do som, no coração do magma sonoro, rodeado pela música gerada pelo homem no seu palco.

O Espro está localizado a 16 metros de profundidade, ao lado do Centre Pompidou. Ente 20 e 40 segundos, você passa da acústica de uma igreja à de um pequeno estúdio de gravação. “Estamos no coração de Paris e no coração do som”, expõe o músico francês. Mas não se engane: não se trata aqui de projetar imagens, mas de projetar músicos, e às vezes o público, na matéria sonora. “Os ouvidos abrem os olhos neste contexto: o que interessa é estar na música e não à frente da música”, diz o septuagenário que nunca descansou sobre os louros de Oxygene e Equinoxe, álbuns icônicos da década de 1970.

“O IRCAM foi fundado por Pierre Boulez em 1977, um lugar de expressão e experimentação tecnológica e artística, com o Espro, inaugurado em 1978, um lugar totalmente transformável e totalmente modular”, revela. Concebido pelos arquitetos do Centre Pompidou, Renzo Piano e Richard Rogers, e com a acústica de Victor Peutz, o Espro distingue-se efetivamente pela sua acústica variável. “Podemos transformar fisicamente a acústica”, descreve JMJ.

O teto é rebaixado em três painéis distintos, entre 2 e 12 metros de altura. Os 171 painéis na parede podem girar para difundir, absorver ou refletir o som sob demanda. E um sistema de espacialização sonora de 339 alto-falantes permite imersão total. “É inédito, no sentido etimológico do termo”, sublinha Jean-Michel Jarre.

Um espaço ideal para este criador, que ali se apresentou com o espetáculo “(more)Oxymore”, baseado no seu 22º álbum de estúdio Oxymore, lançado no ano passado e mixado em áudio de 360°. O IRCAM pode, segundo ele, “servir como um Cavalo de Tróia para a França e para a soberania digital de amanhã, pois o som estará no coração de todos os mundos imersivos”. “Quando falamos de Metaverso, XR (Realidade Imersiva) e VR (Realidade Virtual), todos têm em mente o lado visual, enquanto podemos falar sobretudo de som: o campo visual é de 140°, o campo auditivo é de 360°”, ele afirma.

Por detrás dos seus instrumentos no Espro, Jean-Michel Jarre olha assim para o futuro, mas também presta homenagem numa fórmula maliciosa aos “três Pierres da música contemporânea”: Pierre Boulez, e seus mentores Pierre Schaeffer e Pierre Henry, os pais da música eletroacústica que abriram caminho para o electro. “Eles limparam sonoramente, mixando o som de um pássaro com um clarinete, de um motor com percussão. Era surreal na época deles e tornou-se a forma comum, do hip-hop ao jazz, de incorporar efeitos sonoros em um conjunto orquestral ou eletrônico. O IRCAM está em sintonia com os tempos”, conclui.

Após o sucesso interplanetário de Oxygene e Equinoxe, Jean-Michel Jarre poderia ter comprado tranquilamente uma ilha nas Seicheles e aproveitado o bom tempo. Mas não. Este insaciável homem continua a pesquisar e a criar, desenvolvendo um universo artístico que só lhe pertence e que continua a irradiar. O público no IRCAM também foi bastante representativo, misturando jovens, pais e avós, que beberam desta jarra sonora, que combinou subtilmente música elaborada e sedução imediata.

SETLIST:

1) LANCEMENT (inédita)
2) AGORA
3) OXYMORE
4) NEON LIPS
5) SONIC LAND
6) ANIMAL GENESIS
7) SYNTHY SISTERS
8) SEX IN THE MACHINE
9) ZEITGEIST
10) CRYSTAL GARDEN
11) BRUTALISM
12) EPICA

Em suas redes sociais, Jarre agradeceu:

“Obrigado a todos por esta noite fantástica no Ircam neste salão incrível com acústica variável!“

Galeria de fotos (clique nas imagens para ampliar):

Fontes: classiquemaispashasbeen.fr|france24.com

Views: 39