CRÍTICAS DE AMAZÔNIA – TERCEIRA PARTE

PRIMEIRA PARTE | SEGUNDA PARTE

Thüringische Landeszeitung (Alemanha) 07/04/2021

COM OS SONS DA FLORESTA CHUVOSA

Para seu novo álbum, o pioneiro do electro-pop Jean-Michel Jarre atreve-se a experimentar novamente

“Cantos xamânicos, crepitar de fogo, chilrear prolongados de pássaros e música de sintetizadores no meio: Jean-Michel Jarre foi inspirado pelas fotos da floresta tropical brasileira do famoso fotógrafo Sebastião Salgado (77) para compor seu novo álbum Amazônia. O pioneiro da música eletrônica, explicou de antemão que abordou a Amazônia de forma respeitosa, poética e impressionista.

A trilha de ‘Amazônia’ foi criada pelo músico e compositor francês (72) para a mostra homônima de Salgado. As cerca de 200 fotos serão vistas pela primeira vez na Philharmonie de Paris, provavelmente a partir de 20 de maio, antes de sair em turnê para o Rio de Janeiro, São Paulo, Londres e Roma.

Jarre quase mergulhou nas profundezas da floresta tropical com meios musicais, combinando instrumentos eletrônicos e orquestrais com sons autênticos da selva. Na interação de muitos sintetizadores típicos de Jarre, misturam-se elementos de todo um espaço habitacional: fogo, água, vento, ruídos de animais, cantos espirituais e músicas de grupos étnicos. Com sua música, Jarre capturou o mundo sonoro de um ecossistema, sem entrar nele.

Sem cair na categoria de etno-music, ele disse que criou uma caixa de ferramentas musical para reproduzir o timbre de ruídos naturais realistas. Para as vozes, canções e instrumentos, ele usou os arquivos sonoros do Museu de Etnografia de Genebra.

Sua trilha de quase 60 minutos, cria uma atmosfera densa que não torna a Amazônia perceptível musicalmente. Seus sons formam uma variedade de imagens de uma região que é considerada a joia da natureza mundial. O astro da música internacional francesa explicou que criou a floresta como uma ideia fantástica. Assim, você pode ouvir e ver a Amazônia – mesmo que não possa visitar a exposição de Salgado.

Durante seis anos, o fotógrafo e ativista ambiental percorreu a Amazônia, fotografando a floresta, os rios, as montanhas e as pessoas que ali vivem. Com essas fotos, muitas das quais apresentadas ao público pela primeira vez, o multi-premiado fotógrafo pretende estimular a reflexão sobre o futuro da biodiversidade e o lugar do homem no mundo. E o francês Jean-Michel Jarre explica suas experiências com ‘Amazônia’, descrevendo seu processo criativo como um retorno aos princípios básicos das composições sonoras naturais.”

Original|Crítica de Sabine Glaubitz

mxdwn (EUA) 27/05/2021

UMA MISTURA DE AR LIVRE E MÚSICA ELETRÔNICA

“Ativismo ambiental e música se combinam em ‘Amazônia’, novo álbum de 52 minutos do lendário músico eletrônico Jean-Michel Jarre. O álbum de Jarre, feito para acompanhar o recém-lançado projeto fotográfico e multimídia do artista brasileiro Sebastião Salgado que documenta a Floresta Amazônica, combina batidas binaurais, sons naturais e ruídos etnográficos para formar uma paisagem sonora fresca, mas assustadora. A experiência auditiva envolvente da Amazônia permite ao ouvinte entrar em um mundo úmido e escuro de chuva, vozes guturais e batidas granuladas que correspondem às fotos sombrias em preto e branco de Salgado da Amazônia.

Considerado pioneiro no gênero experimental, new age e eletrônico, Jarre vem lançando músicas de forma consistente desde os anos 1970, quando seu inovador álbum Oxygène atingiu o cenário da música eletrônica. Ele é bem conhecido por seus projetos de arte em estúdio e grandes concertos de mais de um milhão de pessoas. Como um músico estabelecido e respeitado na indústria, ele recebeu o apelido de ‘padrinho’ da música eletrônica progressiva. ‘Amazônia’ surge após quase 50 anos de carreira lançando música eletrônica.

‘Amazônia’ é um álbum que precisa ser escutado com fones de ouvido. Com nove faixas de extensão, a experiência auditiva começa com um ruído semelhante ao de um avião que chega ao ouvido direito das pessoas e atravessa o cérebro para sair pela esquerda. E é justamente isso uma das características interessantes do álbum: batidas binaurais que quebram a compreensão do ouvinte sobre seu mundo e os trazem para uma paisagem sonora em movimento da vida real.

Os estranhos sons etnográficos, combinados com a seleção de ruídos naturais de Jarre, fazem o álbum parecer uma carta de amor, ou mesmo um elogio, para a floresta – uma lembrança melancólica de algo que logo será perdido. Ao todo, é uma peça lúgubre e comovente que cumpre sua missão de trazer o ouvinte para a Amazônia.

Entre as faixas de destaque estão ‘Amazônia Part 3’, uma música que começa com uma melodia eletrônica simples e bonita que então desce em uma miríade de tambores, cantos de pássaros e grilos, zumbidos e instrumentos de cabaça. ‘Amazônia Part 4’ é uma faixa curta e divertida que começa com uma batida mais convencional que, em seguida, cria uma amostra de música etnográfica sobre ela. Para encerrar o álbum, Jarre conclui com ‘Amazônia Part 9’, uma faixa épica e intensa que mescla ruídos naturais em um impressionante coro de vozes de alta frequência interrompida por um interlúdio de chuva e o monólogo calmo, mas comovente, de um homem falando ao microfone.

Apesar da beleza da Amazônia e do poder de transporte que detém, não chega ao nível do som compacto e rico em camadas de Oxygène, ou das batidas dançantes mais misteriosas de seu álbum Equinoxe. O ‘Amazônia’ é menos uma unidade ou história coesa e mais, digamos, sons justos. Ao contrário de seu trabalho anterior, que é atraente para se ouvir até 40 ou 50 anos depois, este álbum parece mais uma coleção de clipes que, embora distintos e cativantes por conta própria, não se misturam totalmente. O álbum é adequado para uma pausa tranquila e combina perfeitamente com o projeto de Salgado, mas não é sua performance magnum opus.”

Original: https://music.mxdwn.com/|Crítica de Oona Milliken

Prog Magazine (Reino Unido) 28/05/2021

APENAS EM FASES É RECONHECÍVEL A MÚSICA COMO NÓS SABEMOS

Jarre pontua a exposição de Salgado com a graça amazônica

“Isso, insiste Jean-Michel Jarre, ‘não é música de fundo’. É a partitura de uma exposição (que fará uma tour pelo mundo) do famoso fotógrafo Sebastião Salgado, que explora a Amazônia brasileira: suas florestas, rios e povos. Jarre criou um mundo sonoro envolvente, misturando instrumentos eletrônicos e orquestrais, com vozes e gravações emprestadas do Museu de Etnografia de Genebra. Apenas em fases é reconhecível como música, como geralmente entendemos o termo: está mais para atmosfera e efeito, do que melodia ou ritmo. Na verdade, Jarre também gravou uma versão binaural – para ser ouvida essencialmente em 3D.

Os leitores não devem ficar surpresos. Jarre sempre foi mais do que o saboroso crossover eletrônico de Oxygène (gravado em sua cozinha), ou quebrador de seus próprios recordes de shows ao ar livre. Pergunte ao curioso artista sobre sua música favorita e ele se entusiasmará com Stravinsky, Miles Davis, Delia Derbyshire e Laurie Anderson. Aprendendo suas habilidades com Pierre Schaeffer, como mentor no estúdio de Stockhausen, ele foi em sua juventude um experimentalista de esquerda (talvez se rebelando contra seu pai ausente, Maurice, compositor das partituras de Lawrence da Arábia e Doutor Jivago), que quase tropeçou acidentalmente em grande popularidade.

Agora ele está livre e encorajado para ir o quanto quiser. E a Amazônia, conforme retratada pelo investimento de seis anos de Salgado em suas criações visuais, é um lugar bastante inspirador para fazer isso. ‘Amazônia’ é uma escuta estranha e alienante no início, mas suas profundezas úmidas com emaranhados envolventes são magnéticas. Em nove partes, totalizando 52 minutos, ele troveja e estala com intensidade sinuosa por uma série de correntes e ondulações. Cantos sem palavras flutuam para dentro e para fora, pássaros cantam, mas veículos zumbem. Quando Jarre permite uma lavagem sutil de sintetizador para pintar uma pincelada, ele o faz com restrição e graça.

É estranho comparar isso com outra música. Em um piscar de olhos, pode haver ecos dos primeiros esboços do Tangerine Dream, a repetição atonal de Schoenberg ou mesmo, em breves flashes, a agressão inquietante de Einstürzende Neubauten. Na verdade, porém, não deve ser separada das fotos e vídeos de Salgado, que Jarre tinha rolando à sua frente, engolfando-o enquanto ele escrevia em uma espécie de sonho febril. O casamento resultante é tão simbiótico quanto o do filme ‘Koyaanisqatsi – Uma Vida Fora de Controle’ de Godfrey Reggio, e sua trilha sonora de Philip Glass. ‘Amazônia’ é mais ocupada e menos minimalista, mas tem um clima sobrenatural semelhante.”

Original|Crítica de Chris Roberts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.