NOVAS CRÍTICAS DE AMAZÔNIA – SEGUNDA PARTE

Leia a primeira parte aqui.

THE DEAD PIXELS (REINO UNIDO) – 11/04/2021

“Jean-Michel Jarre anda muito ocupado nos últimos anos. Primeiro, lançou os álbum colaborativos Electronica 1 e Electronica 2 (2015 e 2016 respectivamente). Depois, mergulhou de volta em seu primeiro álbum inovador com Oxygène 3, e em seguida, lançou o que é, indiscutivelmente, seu melhor álbum em anos: Equinoxe Infinity. Agora, ele retorna às raízes de sua ‘música concreta’ (o processo de usar sons gravados para criar uma montagem sonora que muitas vezes é abstrata em sua qualidade), ao criar uma paisagem sonora sônica inspirada na Floresta Amazônica e nas obras do fotógrafo Sebastião Salgado.

Para um certo contingente de fãs de Jean-Michel, que esperavam trabalhos baseados nos álbuns Oxygène e Equinoxe, esta será uma notícia terrível. Eles alegarão que Jarre ‘perdeu o controle’, ‘ultrapassou o seu auge’, etc. Mas, como o próprio Jarre disse durante uma live no Facebook, ‘algumas pessoas estão sempre infelizes’. Então, para aqueles que apreciam a natureza camaleônica de Jarre com todos os seus altos (Zoolook) e baixos (Téo & Téa), esta é uma oportunidade intrigante e emocionante de ver o que o maestro eletrônico pode produzir ao voltar às suas raízes musicais.

O novo álbum binaural de 52 minutos, acompanhará a exposição de Salgado de mais de 200 fotografias, centradas na beleza e na vida da Amazônia, sua biodiversidade e seus povos.

Este álbum é uma mistura de instrumentos eletrônicos e orquestrais polvilhados com aproximações de sons naturais da vida real. Como um grande fã de seu impressionante álbum Waiting for Cousteau, em especial da faixa-título final (que em si é uma peça meditativa e calmante onde há espaço e tranquilidade), eu estava realmente ansioso por este álbum. Não me interpretem mal, eu amo suas composições musicais. Mas Waiting for Cousteau é a sua peça de resistência do sonho ambiente, e qualquer chance de algo semelhante, me deixaria incrivelmente feliz. Então, como está o novo álbum Amazônia?

O álbum funciona como uma peça inteira e não me imagino ouvir uma faixa de forma independente. É uma paisagem sonora completa que cria uma tapeçaria de sons para você mergulhar. É uma audição desafiadora, pois há poucas peças de destaque, mas o todo é maravilhoso e envolvente. Posso me imaginar ouvindo isso depois de um dia duro de trabalho, simplesmente deixando-me tomar conta e me levar para o país das maravilhas tropicais. Eu tentei descrever o clima de cada faixa, mas é difícil categorizar. Então, por favor, tenha paciência com meus voos detalhados de fantasia, se você puder:

A faixa 1 é uma verdadeira miscelânea de sons com motivos que mudam muito rapidamente. Começa muito calmante, com vozes entoadas saltando ao redor, interpretadas com um arpejo suave e curto, que dá lugar a um som de sintetizador gutural mais baixo.

A faixa 2 muda para um ritmo mais animado do tipo techno, que então tem um som de reverberação profunda que ressoa nos ouvidos. Um tema de piano alto toca e isso é seguido por golpes rápidos que me lembram as trilhas sonoras de John Carpenter. Esta faixa realmente se move muito e é difícil de definir, mas funciona como um movimento.

A faixa 3 tem um ritmo curto atraente que faz um loop, mas é adicionado a um som arejado e uma batida de bateria suave. A vocalização muda o rumo da faixa e os sons de pássaros entram na mistura.

A faixa 4 tem uma melodia assustadora, com graves de sincronia profunda e ameaçadoras. Uma das melhores faixas do álbum para mim.

A faixa 5 se baseia nisso e está ocupada soando enquanto uma cacofonia de vozes, incluindo bebês gritando, toca ao fundo junto com uma batida rápida de bateria. Isso é então interrompido com um som de flauta e o zumbido de insetos voando antes de dar lugar a um fogo crepitante e um som de caverna de cristal ecoante. Ele brilha e segue seu caminho em torno de um zumbido agressivo de motosserra.

A faixa 6 começa com crianças cantando juntas contra um fundo de insetos que chilreavam antes de um sintetizador entrar em ação, ameaçando quebrar a calma.

A faixa 7 tem um ritmo suave, mas o barulho do trovão e a chuva batem, trazendo toda uma vibração de Angelo Badalamenti com uma sensação de tristeza.

A faixa 8 tem crianças cantando misturadas com uma voz mais velha e uma bateria. E isso vai para a faixa 9, onde o ritmo da bateria se mistura com a fuga de tristeza do sintetizador de Badalamenti, para terminar com uma nota de melancolia. Mas então, algumas vocalizações e zumbidos masculinos, adicionam uma sensação de esperança conforme as gotas de chuva caem, adicionando uma sensação maravilhosa de esperança. Em seguida, o sintetizador toca quando o trovão estala e um coro de sintetizador entra, adicionando um som angelical ao som baixo da bateria.

No geral, Jarre produziu um álbum interessante e, mesmo que eu não tenha visto a exposição fotográfica com a qual ele trabalha, imagino que elogie o trabalho por ser diegético. Vale a pena ouvir o álbum e, embora não seja tão acessível e envolvente quanto Equinoxe Infinity ou seus álbuns mais populares, é uma jornada interessante que vale a pena percorrer.”

Original: https://thedeadpixels.squarespace.com/|Crítica de Anjum Razaq

GAFFA (DINAMARCA) – 26/04/2021

“Aleluia! Quase quatro anos fazendo críticas para a GAFFA e, finalmente, tenho permissão para fazer uma de Jean-Michel Jarre! Ele é um dos poucos artistas eletrônicos que consegue separar as pessoas. De um lado, temos aqueles que odeiam amar suas escapadas de sintetizador instrumental e shows de laser exagerados, e do outro lado, temos aqueles que amam odiá-lo, pelo mesmo motivo. Eu mesmo pertenço ao meio, porque gostaria de admitir sinceramente que Oxygène é um dos primeiros clássicos eletrônicos no mesmo nível de Autobahn (Kraftwerk), Phaedra (Tangerine Dream), Looking for Saint Tropez (Telex) e From Here to Eternity (Giorgio Moroder).

No entanto, em façanhas posteriores como Rendez-Vous e Revolutions, Jarre rapidamente fechou o ar do balão e escolheu uma vida como showman, com fanfarras de sintetizadores bagunçadas, baterias eletrônicas e raios laser tão longe quanto os olhos podiam alcançar. Uma carreira que se afogou em algo que poderia parecer um pastiche de ficção científica egocêntrico, que era mais sobre quebrar o recorde do Guinness Book em capacidade de audiência, do que fazer boa música. Em um segundo, a Pirâmide de Quéops ficou verde neon, enquanto Jarre tocava ‘Second Rendez-Vous’ em um órgão a laser, e no segundo seguinte, ele se afogou na chuva em um parque eólico de Aalborg usando um keytar, enquanto Safri Duo tamborilava em tubos de cano.

E isso é realmente uma pena, porque o homem realmente entregou muito mais do que órgão new age. Portanto, vale a pena coletar todos os três álbuns do Oxygène, enquanto Zoolook, Equinoxe e Waiting for Costeau economizam em bons momentos eletrônicos. Nos anos 2010, Jarre até gozou de alguma revitalização, em parte devido à uma nova geração de músicos eletrônicos que ousaram dizer que eram realmente fãs, enquanto ele próprio lançou discos como Oxygène 3, Equinoxe Infinity e a série Electronica, onde trabalhou com músicos dos últimos 30 anos da cena eletrônica.

Assim, Jarre não só conseguiu seguir em frente, mas também conseguiu inovar. Essas inovações e tentativas de se inspirar no presente podem nem sempre ter funcionado tão bem, mas Jarre conseguiu se mover de forma criativa sem comprometer seu status de pioneiro. O que é uma conquista quando você pensa que seus colegas mais próximos do Kraftwerk, se transformaram em uma excursão ao museu de cera, que não conseguiu fazer nada de relevante desde 2003.

Amazônia, que na verdade é a trilha sonora de uma exposição multimídia de Sebastião Salgado sobre a floresta tropical brasileira, é o primeiro álbum de Jarre desde Equinoxe Infinity de 2018 (uma sequência de Equinoxe de 1978), mas ao mesmo tempo, o primeiro álbum desde 2016 que não deve ser entendido como uma extensão dos discos anteriores. Em outras palavras, Amazônia é a primeira música a construir um novo conceito, em bem mais de cinco anos. Bem, é então o 26º álbum do músico de 72 anos.

O álbum segue a tendência do clássico Jarre, com faixas instrumentais homônimas dividas em partes. No Amazônia, Jarre se baseia em sons que já havia trabalhado em Zoolook e Waiting for Costeau, quando grava samplers da selva amazônica mixados com superfícies de ambientes eletrônicos. As melodias cativantes que são conhecidas por exemplo em ‘Oxygène Part 4’ e ‘Les Chants Magnétiques Part 2’, são ignoradas, e aqui Jarre deve muito ao ídolo e professor Pierre Schaeffer.

A força de Jarre não é a música ambiente, mas ele ainda consegue criar uma atmosfera cinematográfica neste álbum, que ao longo do caminho parece um longo passeio de barco pelo Rio Amazonas, até que na ‘Part 4’ você entra na selva de uma tribo local . A partir daqui, o disco começa a se tornar mais rítmico, sem em nenhum momento se tornar decididamente chamativo.

E tenho certeza de que é esse o ponto. Visto que o disco se destina principalmente como música de fundo para uma exposição, a música é precisamente um acompanhamento e, portanto, é apenas uma vantagem que a música se torne mais uma viagem sonora do que uma experiência decididamente melódica. Na verdade, isso só acontece durante a ‘Part 7’, onde samplers vocais e technobeats cortados, criam algo que soa como uma sequência coerente, antes de fluir novamente para o som de animais, chuva e apitos de bambu.

Mas, realmente, tudo funciona muito bem. O uso incrivelmente vívido de som real e gravações de campo é verdadeiramente eficaz. O trabalho pioneiro de Jarre com superfícies de sintetizadores e programação de bateria, dão à narrativa pictórica de uma das maiores – e mais ameaçadas – áreas naturais do mundo, uma poesia lindamente discreta. Finalmente, a natureza e a máquina podem funcionar em uma bela síntese sem afetar nada além do tempo e do lugar. Quando tempestades e synthpads são misturados na ‘Parte 7’, e a fogueira crepitante é misturada com tons de graves sintéticos na ‘Parte 8’, fica claro que estamos lidando com um mestre eletrônico habilidoso, embora nunca se torne mais que uma manta de som filtrado.

Amazônia é um disco ambiental muito bom, que consegue manter o foco e nos levar a uma jornada interior aos trópicos. Há um longo caminho até as maiores conquistas de Jarre, mas felizmente, também há um longo caminho até os raios laser e as máquinas de fumaça. Então, no geral, o álbum é mais do que colchetes notáveis ​​de um artista que, apesar da idade e do status, ainda ousa arriscar e inovar. E devo dizer que ainda há muitos que poderiam aprender algo com isso. Nota: 4/6″

Original: https://gaffa.dk/|Crítica de Simon Heggum

THE PROG MIND (EUA) – 03/05/2021

“Fazer uma crítica de um álbum criado por uma lenda é um pouco assustador, mas também muito divertido. Quando soube que Jean-Michel Jarre lançaria um novo álbum em breve, fiquei emocionado e sabia que deveria fazer uma avaliação dele. O novo álbum se chama ‘Amazônia’ e foi lançado no dia 7 de abril.

Jarre é um dos pioneiros da música ambiental e eletrônica. Sua discografia é expansiva e definitivamente atinge diferentes tipos de notas e estruturas do que seus co-pioneiros Tangerine Dream e Vangelis. Na minha mente, ele também tem sido um pouco mais otimista, um pouco mais acessível e, definitivamente, mais exagerado em alguns aspectos, especialmente em seus concertos ao vivo.

Com ‘Amazônia’, Jarre criou uma trilha sonora para acompanhar um projeto de mídia do fotógrafo e cineasta Sebastião Salgado. O projeto tem o mesmo nome e conta com mais de 200 fotografias e outras mídias, todas retratando a Floresta Amazônica brasileira. O álbum tem 52 minutos de duração, então o projeto parece ser bastante extenso.

Como você pode esperar do título do álbum, ‘Amazônia’ é uma experiência envolvente e atmosférico que faz o ouvinte se sentir como se estivesse na floresta tropical. No entanto, é mais do que apenas ruídos da selva, sons do rio e gritos de animais. A música engloba o som humano da Amazônia também. Você ouvirá vozes, melodias e incidentes que inspiram vida humana neste álbum. Portanto, embora você possa esperar os sons de folhagens, insetos e uivos distantes, você pode esperar também o zumbido murmurante cantarolando, e até mesmo, o zumbido caprichoso da vida na aldeia.

Jarre decidiu criar mais do que música ambiente aqui. O álbum tem uma versão ‘binaural’ que o faz assumir qualidades de áudio 3D, colocando você diretamente dentro da experiência quase a um grau assustador. Embora você possa esperar que um design especial como este se concentre em auras da selva enervantes e suadas, o álbum é mais do que isso. Sim, você tem uma sensação de ‘Paraíso Perdido’ às vezes, e Jarre visita lugares onde a escuridão é mais profunda, apenas para nos levar até lá e forçar uma reação emocional. No entanto, fiquei surpreso com a quantidade de segmentos peculiares. Especialmente nas porções mais humanas, a música não parece primitiva ou clichê, mas parece complexa, diferente e incomum no mesmo grau que os povos da Amazônia são diferentes do resto do mundo.

Entre todos os efeitos sonoros e toques atmosféricos, Jarre criou algo que parece musical, quase como bater na harmonia flutuante do próprio planeta. Com precisão em suas notas e hipnose em sua percussão, Jarre nos leva a uma experiência e um ritmo que só se torna mais misterioso e cativante à medida que cada faixa sangra para a próxima. E esta certamente é uma longa faixa, já que o álbum é dividido em 9 partes, todas com o mesmo nome. Jarre, é claro, segue esse estilo há décadas, como em seus discos Oxygène e Equinoxe.

Acho que alguns dos meus momentos favoritos acontecem nas Partes 3-5. Essas três faixas nos levam por rituais de canto, batidas eletrônicas e automáticas, auras espaçosas e muitos cantos de pássaros, por algum motivo. Sempre fico ansioso por essas faixas, e há até momentos que me lembram de ‘The Songs of Distant Earth’ de Mike Oldfield aqui.

Eu também adoro as Partes 7-9, especificamente começando na metade da Parte 7. Essas últimas faixas têm uma qualidade arejada, cheias de tempestades, maravilhas e segredos. Quase parecem comemorações, de certa forma, e há essa majestade silenciosa nelas, que me faz sentir como se estivesse correndo ao longo das copas das árvores e testemunhando o vasto poder do rio. A Parte 9 se sente especificamente assim com vozes gloriosas e texturas cristalinas terminando a experiência em uma nota muito alta.

Jean-Michel Jarre não tem nada a provar a ninguém. Sabemos que ele é uma lenda da música eletrônica ambiental. Mas aqui ele produziu mais um disco fantástico, que se infiltra em lugares escuros e também me arrasta para as nuvens. Testemunhamos sol e chuva, pessoas e animais, árvores antigas e rituais rítmicos. A música tem uma textura e um design tão especiais, que é como entrar em algum lugar totalmente novo, como ser transportado para outro mundo. Adoro fazer a viagem. Nota: 9/10

Original: https://theprogmind.com/|Crítica de Jason Spencer