AERO – TRIBUTE TO THE WIND

Foi anunciado durante a primeira quinzena de agosto de 2001 que Jean-Michel Jarre estava em negociações para realizar um concerto na Dinamarca, porém, foi somente em setembro, durante uma entrevista coletiva, que surgiram detalhes dos planos para o show. “O vento terá o papel principal, não apenas como forma de energia, mas também como transportador de sons, imagens, mensagens e sonhos. O vento não transporta só pássaros e pólen, mas também fumaça e poluição, e ele nos coloca em contato com tudo de pior e tudo de melhor. A escolha é nossa”, afirmou Jean-Michel.

A ideia inicial era a de realizar dois concertos na cidade de Aalborg, no parque de moinhos de vento Gammel Vrå Enge, e usar o vento como fonte de energia e base para o projeto. Foi uma ideia muito sólida e agradável ao meio ambiente, pois os moinhos de vento iriam oferecer a energia necessária para o concerto. O design original do show era a de uma fila de lonas alcançando 45 metros de altura, em forma de pipas amarradas nos moinhos de vento, onde seriam projetadas imagens durante os concertos.

Com apenas um terço do financiamento arrecadado dos patrocinadores iniciais e a oposição ao concerto do governo local, as coisas começaram a se complicar. As campanhas para angariar mais recursos necessários para a realização do concerto prosseguiram, mas ao longo dos meses muitos patrocinadores desistiram. Havia também preocupações com a segurança e a ergonomia do conceito original do palco, pois não seria possível garantir que as amarras não iriam se soltar e as lonas poderiam voar para longe por causa dos fortes ventos e cair sobre o público. Com todos esses problemas, foi necessário que Jean-Michel e sua equipe apresentassem algo mais adequado e econômico. Então, um novo palco que refletia o conceito original do show de Okinawa foi desenhado e o show tomou outro rumo, para tornar a visão de Jean-Michel uma realidade.

Foi realizado apenas um concerto no dia 7 de setembro de 2002, intitulado Aero – Tribute to the Wind. Durante a maior parte da tarde e início da noite, os céus se abriram e todos os fãs enfrentaram o que poderia ser facilmente descrito como ‘Destination Docklands 2’ com muita chuva caindo. Não haviam instalações adequadas para as pessoas se protegerem dentro da arena destinada ao público e o que era um belo campo coberto de grama, foi transformado literalmente em um pântano.

No palco, o único Le Tribe presente foi o Francis Rimbert. Jarre abriu o concerto com uma nova música intitulada “Aero – Introduction” e convidou a dupla dinamarquesa Safri Duo para participar de duas músicas: “Aero” (apresentada com o título de “Bourges 2” em abril daquele ano no Festival Printemps de Bourges) e “Rendez-Vous 4”. O tracklist trouxe novos arranjos das clássicas composições de Jarre e uma nova versão de “Tout est Bleu” que foi renomeada para “Light my Sky”. Orquestra e coral também participaram do evento.

Depois que o show terminou, ocorreram mais problemas, desta vez no estacionamento, com vários carros presos na lama que se acumularam. Muitas pessoas não conseguiram sair do local do show e ficaram lá até o amanhecer.

Tracklist:

1. Aero – Introduction
2. Oxygene 4
3. Chronologie 6
4. Flute Intro
5. Oxygene 2
6. Equinoxe 4
7. Magnetic Fields 2
8. Millions of Stars
9. Equinoxe 7
10. Theremin Intro
11. Magnetic Fields 1
12. Oxygene 8
13. Flute Intro
14. Souvenir of China
15. Light My Sky
16. Oxygene 12
17. Rendez-Vous 2
18. Aero
19. Rendez-Vous 4
20. Oxygene 13

Músicos: Francis Rimbert e Safri Duo (Uffe Savery e Morten Friis)

Orquestra: Aalborg Symphonic Orchestra

Coral: Klarup Pigekor Girl Choirs

Registros: AERO (Photobook)

Fotos (clique nas imagens para ampliar):