“L-ACOUSTICS” TRANSFORMA PERFORMANCE DE JEAN-MICHEL JARRE EM UMA REALIDADE IMERSIVA

O padrinho da música eletrônica, Jean-Michel Jarre, estreou recentemente sua mais recente obra Oxymore, em uma série de apresentações na edição inaugural do inovador Hyper Weekend Festival da Radio France, em Paris. Criando o ambiente definitivo para uma experiência imersiva, os concertos foram encenados na icônica sede da Maison de La Radio et de La Musique, cercados por um público que estava sentado, enquanto que também era transmitido em VR ao vivo para dezenas de milhares de pessoas.

O show foi possível graças à revolucionária tecnologia L-ISA Immersive Hyperreal Sound, que permite que os artistas criem e forneçam som imersivo para produções ao vivo e gravadas de qualquer escala. Esse ecossistema abrangente de ferramentas de áudio oferece uma experiência natural e vívida que aumenta a emoção e convida o ouvinte a entrar no som da L-Acoustics, fabricante francesa de alto-falantes, amplificadores e dispositivos de processamento de sinal para locação e mercado de som instalado. Com sede em Marcoussis, no sul de Paris, a empresa possui operações de satélite nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha, bem como uma rede global de aluguel de empresas de produção que implantam e alugam seus produtos. A empresa também é conhecida por fornecer seus alto-falantes de som alto e poderoso para festivais de música. Para a apresentação de Jean-Michel Jarre, a tecnologia foi especificada pelo engenheiro de som Hervé Déjardin.

“Eu estive envolvido com o épico concerto virtual de Jean-Michel Jarre Welcome to the Other Side no ano passado, durante o qual Jean-Michel e eu passamos muito tempo discutindo a melhor forma de apresentar suas composições. Concordamos que o mais importante é compor para o espaço e, tendo visto a tecnologia disponível, ele me abordou há vários meses com o recém-concluído Oxymore. Começamos a trabalhar em um novo conceito de show, abrangendo as incríveis possibilidades de áudio imersivo. Coincidentemente, na mesma época, a Radio France começou a planejar o novo e emocionante festival Hyper Weekend e, felizmente, os dois projetos se uniram”, explica Déjardin.

Oxymore é uma homenagem ao pioneiro músico eletrônico Pierre Henry (1917-2017), e um ajuste perfeito para o novo festival híbrido ao vivo e virtual, que foi lançado como uma celebração e homenagem à música francesa em todos os gêneros. O evento foi realizado ao longo de três dias, em cinco palcos e apresentado por cerca de 60 artistas.

Déjardin já tinha experiência na realização de concertos imersivos com a tecnologia L-ISA, a partir do seu trabalho com o artista eletrônico francês Molécule, com quem concebeu uma série de concertos baseados numa experiência sonora espacializada de 360º onde o público ouve no redondo e no escuro.

“Eu estava livre para escolher o sistema para o show e, naturalmente, optei pelo L-ISA. Esta foi a primeira vez que Jean-Michel trabalhou com o sistema, mas não a primeira vez que trabalhou em imersão. Nos anos 1960 foi aluno do compositor Pierre Schaeffer, e nos anos 1990 e 2000 produziu DVDs em 5.1 mas a tecnologia ainda não estava pronta. A nova tecnologia nos últimos quatro ou cinco anos nos deu o benefício da precisão e, para mim, a L-Acoustics L-ISA atingiu o auge dessa tecnologia”, diz Déjardin.

Os ensaios de produção ocorreram no estúdio Innovation da Radio France, onde Déjardin começou sua mixagem imersiva usando o software L-ISA Studio com uma configuração de 12 alto-falantes e um Nuendo DAW.

Hervé Déjardin

“A música de Jean-Michel é naturalmente espacial e, embora trabalhe em estéreo, pensa em termos de espaço. Ele organizou diferentes hastes para mim, durante o processo de masterização, e me enviou as multipistas para que eu pudesse iniciar o design de espacialização, onde passamos duas semanas finalizando juntos”, explica Déjardin. “É tão fácil trabalhar com ele porque o material é tão lógico. Meu trabalho era apenas reforçar a emoção e a história no espaço”.

A apresentação foi marcada para o Agora do Maison de la Radio, um espaço híbrido externo e interno, redondo, fechado e com um teto de vidro. Christophe Dupin (engenheiro de sistema) especificou um oval de 17 gabinetes Syva, mais Syva Low e alguns SB21 extras, fornecidos pela Magnum. Jean-Michel Jarre ficou posicionado no “topo” do oval em um palco elevado, para alcançar artisticamente um ponto de referência de zero grau para o público que estava sentado ao seu redor de frente para o palco. Devido ao distanciamento social, o público foi limitado a 200 pessoas em cada um dos seis shows ao longo dos três dias do festival. Simultaneamente, as apresentações ao vivo foram transmitidas via rádio, e transmitidas em formato binaural 6DoF (6 degrees of freedom – 6 graus de liberdade é um termo que indica a liberdade de movimentos de um corpo rígido no espaço tridimensional) para as plataformas virtuais VRChat da VRrOOm.

“O Agora realmente funcionou para esta performance porque a forma circular é muito relevante para a música. Nos eventos ao vivo tradicionais, há uma sensação de separação entre os músicos e o público, reforçando a sensação de ser um espectador. Com um sistema de som de 360º, instalado em um espaço de performance redondo, o L-ISA incorporou completamente a imersão. Foi muito eficaz reunir o público e colocá-lo dentro do som, compartilhando a mesma experiência que os músicos e os outros frequentadores”, continua Déjardin. “Os números limitados do público inspiraram Jean-Michel a produzir uma experiência imersiva e íntima e ele estava muito motivado a se concentrar no espaço e na música.”

Déjardin empregou um pequeno mixer com 48 entradas, carregado com faixas de Jean-Michel Jarre. Ele configurou vários grupos estéreo em L-ISA e aplicou os quatro parâmetros de posicionamento do L-ISA (pan, largura, distância) para criar a mixagem espacial. Isso também permitiu a Déjardin garantir que as gravações fossem compatíveis com 5.1 para permitir a produção de um DVD em uma data posterior. Parte da espacialização foi escrita no Nuendo que continha cerca de 400 linhas de automação para os movimentos no espaço.

“Foi fácil trabalhar com a L-ISA porque a tecnologia é muito inovadora e sem esforço”, diz Déjardin. “Com o estéreo, você é obrigado a usar compressão, filtragem, efeitos temporais, mas com 360º você não tem esse problema. Se eu usar compressão ou filtros, é uma escolha estética ativa. A tecnologia reproduz o som de uma forma mais natural de audição e essa nova sensação de espaço também passa a fazer parte do processo criativo, já que o artista pode decidir quais componentes distribuir na sala. É por isso que é ótimo trabalhar com um artista como Jean-Michel, que está tão envolvido na criação de música usando novas tecnologias. Nossa próxima ambição é uma turnê imersiva.”

“Eu não poderia ter realizado este projeto sem a L-Acoustics”, conclui Jean-Michel Jarre. “Sua visão e pioneirismo sempre me impressionam e, mais uma vez, estamos abrindo portas em territórios acústicos virgens juntos.”

Fontes: etnow|l-isa-immersive|Wikipedia