JEAN-MICHEL JARRE: “O PÚBLICO E O PALCO SÃO COMO UM HISTÓRIA DE AMOR”

O músico, de 73 anos, já tocou na frente de 2 milhões de pessoas, foi amigo da princesa Diana e de Mick Jagger, e sua mãe foi uma heroína da Resistência Francesa.

19/03/2022|Por: Nick McGrath|Fotografia: Louis-Adrien Le Blay

Meus pais se separaram quando eu tinha cinco anos e eu tinha uma relação difícil com meu pai. Eu mal o via. Eu acho que é melhor ter conflito com um pai existente, pelo menos então você tem alguém contra quem se rebelar. Experimentar o buraco negro da ausência é difícil de lidar.

Jean-Michel com seus pais na infância

Minha mãe foi uma mulher extraordinária e corajosa. Uma figura importante na Resistência Francesa. Lyon acaba de nomear uma rua em homenagem a ela. Visitei com meus filhos para comemorar. É estranho saber que as pessoas vão se conhecer e se amar em uma rua com o nome de sua mãe.

Eu era filho único e não tínhamos muito dinheiro. Morávamos em um apartamento muito pequeno em um subúrbio de Paris. Eu sabia que tinha que ajudar minha mãe, então comecei a fazer pinturas. Mas eu era muito jovem para ter qualquer tipo de credibilidade, então inventei um irmão mais velho e as vendi como sendo dele em um mercado de pulgas. Eu não estava nem um pouco obcecado pelo fato de que eu deveria ter qualquer sucesso na música. Isso veio passo a passo.

André Jarre, avô de Jean-Michel

Meu avô tocava oboé, mas também era engenheiro e inventor. Ele projetou uma das primeiras mesas de mixagem para estações de rádio, e a primeira mesa giratória portátil, com baterias dentro: o ancestral do iPod. No meu aniversário de 10 anos, ele me deu um gravador de segunda mão. Gravei todos esses sons e toquei ao contrário. Pensei que os alienígenas estavam falando comigo.

Tudo mudou quando eu lancei Oxygène: financeiramente, economicamente, na minha vida cotidiana… De repente você tem novos amigos que não são amigos de verdade, e você tem que ter muito cuidado para não perder os seus verdadeiros amigos.

O concerto do Dia da Bastilha em 1990

Tocar na frente de mais de 2 milhões de pessoas é estranho. Era o Dia da Bastilha, 14 de julho de 1990, em Paris. Olhei do palco e pensei: “Todas essas pessoas vieram atrás de outra pessoa…”. O público e o palco são como uma história de amor. Ele clica e funciona, ou não.

Oxygène aconteceu ao mesmo tempo que conheci a mãe dos meus filhos, Charlotte Rampling. Ela é única em seu campo. Ela tem um jeito especial como artista; é semelhante à maneira como eu faço música. Fazemos de modo diferente. E o fato de estarmos ligeiramente separados do sistema é uma espécie de proteção. Nunca caímos na armadilha de nos tornarmos caricaturas de pessoas bem sucedidas.

Jarre com a Princesa Diana

Eu era muito próximo da Princesa Diana (1961-1997). Eu me apresentei em Moscou na noite do seu funeral. Toquei uma música que ela amava, Souvenir of China, e dediquei a ela. De repente, aquela multidão russa louca ficou totalmente em silêncio e começou a acender isqueiros. Essa foi a magia de Diana.

Eu amo Mick Jagger. Somos amigos há muito tempo. Adoro a ideia de que os Stones podem tocar para sempre, e que eles ainda se divertem no palco. Enquanto meu corpo puder continuar, não vejo por que deveria parar. Atuar é como uma droga. Sou viciado em música e performances.

Mick Jagger para Jarre: “Eu nunca vi nada como isto em toda minha vida”
Mick Jagger com Jarre

Espero ser lembrado como um músico que tentou o seu melhor para compartilhar: compartilhar emoções, escrever a trilha sonora da vida interior das pessoas.

O novo álbum ao vivo de Jean-Michel Jarre, Welcome to the Other Side, já está à venda.

Fonte: The Guardian