JEAN-MICHEL JARRE: “ESTA PANDEMIA É UMA OPORTUNIDADE PARA MUDAR O PARADIGMA”

Pollstar Magazine (EUA) – 01/04/2021 | Por: Gideon Gottfried

Jean-Michel Jarre está acostumado a grandes multidões. Ele se apresentou ao vivo na frente de mais de um milhão de pessoas várias vezes em sua carreira, ganhando entradas no Guinness Book of Records. Ele tocou para o seu maior público em 1997, durante o 850º aniversário de Moscou, capital da Rússia: 3,5 milhões de pessoas foram às ruas naquela noite. Jarre acaba de superar esse número na era digital, quando 75 milhões sintonizaram seu desempenho no Réveillon com a performance Welcome to the Other Side, que liderou o Top 100 Streams Chart da Pollstar.

Jean-Michel é considerado um pioneiro, que ultrapassou os limites da música eletrônica e dos efeitos visuais desde a década de 1970. Ele sempre tentou fazer algo único enquanto também transmitia uma mensagem, como por exemplo, quando lançou uma única cópia do seu álbum Music for Supermarkets, em julho de 1983, queimando a fita original, bem no início da era do CD. Jarre podia sentir que esse novo formato, que permitia o lançamento da música em um meio físico em quantidades inéditas, diminuiria o valor percebido da criação original.

Esse desenvolvimento só acelerou com o aumento dos downloads. Por muito tempo, até parecia que o digital destruiria o negócio da música gravada. Depois veio o streaming e, mais recentemente, o blockchain. O livro-razão descentralizado facilita transações com cripto-moedas fungíveis, bem como tokens não fungíveis (NFT) que não podem ser replicados. Os NFTs permitem que os artistas criem obras que são digitais, mas únicas verdadeiramente. Desnecessário dizer que Jarre, que passou sua vida profissional lutando para proteger os direitos autorais dos artistas, está mais do que interessado nesta nova tecnologia. Ele acaba de inaugurar a primeira exposição de cripto-arte do mundo baseada em Realidade Virtual social, durante a edição virtual do SXSW 2021. Apelidada de “Cryptopia”, a exposição exibe e vende uma série de fotos em preto & branco e loops de vídeos animados do espetacular concerto virtual de Jarre no Réveillon.

Seu desempenho virtual em Notre Dame foi visto por 75 milhões de pessoas. Como foi a experiência para você?

“Fiquei chocado. Eu me apresentei na frente de grandes públicos, mas nunca pensei na minha vida que eu poderia fazer melhor no mundo virtual do que no mundo real. Nem a equipe e nem eu tínhamos ideia. Cerca de 150 pessoas estavam trabalhando comigo nisso, e realmente ultrapassamos os limites para tentar fazer algo diferente. Todos nós tínhamos a ambição de criar uma espécie de benchmark, não necessariamente em termos de número de público, mas em termos de abordagem do mundo da VR.”

Como você fez isso?

“Houve muitos projetos de VR. Todo mundo está falando sobre o virtual, mas na maioria das vezes é apenas uma performance pré-gravada colocada em um espaço existente, como um videogame por exemplo, onde o artista é filmado na frente da tela verde e, em seguida, injetado em uma situação de VR, mas não ao vivo. O que também tentei com este projeto foi abordar toda a iluminação e o design do palco como você faria em um show de verdade, prestando muita atenção e cuidado ao clima, às sombras. Todos os contrastes são realmente muito difíceis de se conseguir em um ambiente de VR. Em certo sentido, foi engraçado, porque me lembrou de quando comecei a fazer música, e estávamos sequestrando osciladores de estações de rádio na França, dispositivos que não eram projetados para fins musicais. Foi semelhante com ‘Welcome to the Other Side’: pegamos softwares não necessariamente feitos para fazer o que estávamos fazendo e usamos de uma maneira diferente para obter a qualidade de transmissão certa. Meu laptop dobrou de tamanho, ficando inchado como um balão com todo o calor.”

O que fez você querer recriar a Notre Dame?

“A catedral está enfraquecida como nós nesta pandemia. A ideia de enviar uma mensagem de esperança para a véspera de Ano Novo foi algo muito especial. Isso realmente me deu o desejo e a energia para criar mais projetos no mundo da VR. Claro, todos nós esperamos sair deste túnel escuro em que estamos todos presos no momento. No entanto, acho que VR, XR, AR deveriam ser seriamente considerados como um modo de expressão em si mesmos. É um pouco como o cinema do final do século 19, quando os filmes eram exibidos em circos e considerados truques de mágica. As pessoas do mundo do teatro diziam: ‘eles não são atores, um ator de verdade é alguém no palco na frente de um público’. Acho que VR / AR está exatamente na mesma situação. Devemos considerar esta forma de arte não como um concorrente de festivais e espetáculos reais, mas como algo próprio, que é falar a linguagem do nosso tempo em termos de tecnologia. Nosso projeto de VR atraiu um público mais jovem, porque estamos falando a língua deles.”

O número de espectadores sugere que há muito potencial de venda de ingressos em eventos de VR. Você concordaria?

“Absolutamente. No caso de ‘Welcome to the Other Side’, que foi produzido em colaboração com a cidade de Paris, sempre foi considerado um concerto gratuito para o Réveillon. Acho que é absolutamente necessário agora olhar para as maneiras pelas quais podemos monetizar esse tipo de produção. Eu acho, francamente, que o que oferecemos ao público na véspera de Ano Novo tem um valor óbvio, e estou absolutamente convencido de que as pessoas estarão prontas para pagar por isso como fazem quando vão a um festival ou ao cinema. Devemos aproveitar todo este momento da pandemia como uma oportunidade para mudar o paradigma. Se queremos respeitar os artistas, sejam eles da música, do cinema ou das artes gráficas, temos que nos acostumar a dizer: ‘Tudo bem, se estou acompanhando um show, uma ópera, um filme ou o que quer que seja ao vivo na Internet, tem valor e estou disposto a pagar por isso.’ De uma forma estranha, todo esse período escuro provavelmente fará com que as pessoas entendam e aceitem isso. Durante esse tempo, estamos fazendo duas coisas: saímos para comprar comida e assistimos filmes, ouvimos música ou lemos livros. Agora temos a prova de como a cultura, e especialmente a música, é importante em nosso dia-a-dia. Sem música, sem filmes, sem livros, seria um desespero total. Então, estou bastante otimista sobre ser capaz de monetizar isso. Já está acontecendo para alguns, mas não é o suficiente.”

Como foi a exibição de criptografia digital no SXSW?

“Estamos muito felizes com os resultados. Tivemos muitos visitantes e pessoas fazendo perguntas, porque foi uma estreia e tanto. Abrir uma galeria virtual é divertido, ver os visitantes percorrerem a exposição foi muito interessante por diversos motivos.”

Você pode explicar seu fascínio pela criptografia?

“Existem diferentes razões. Há muito tempo lancei um álbum chamado ‘Music for Supermarkets’, do qual vendi apenas uma única cópia, como você faria com um quadro. Precisei fazer uma declaração no início da era do CD, de que não devemos esquecer a importância e o valor do processo criativo. Nossa relação com o valor dos direitos autorais para os artistas ainda é uma questão muito real. Você sabe como tem sido difícil nos últimos anos para o setor musical e cultural lidar com o mundo digital, financeiramente e em termos de economia. Acho que a cripto-arte é uma tentativa interessante de encontrar outras maneiras de abordar a economia de qualquer tipo de processo criativo, assim que esteja no mundo digital. Estou falando sobre a noção de [um] original.”

Você pode ser mais concreto?

“É bastante irônico: atualmente, estamos todos criticando as grandes empresas na web, que deveriam ser responsáveis ​​por tudo. Acho que não é exatamente verdade. Esta pergunta deve ser feita a nós mesmos: estamos considerando que uma revista que você compra em uma banca no mundo real tem o mesmo valor que a versão em sua tela? O conteúdo é o mesmo, o talento dos jornalistas é o mesmo. Então, por que deveria ser 10 vezes menos ou grátis? É o mesmo para filmes, livros e música, é claro. [Tokens não fungíveis] NFTs são um conceito muito interessante para reavaliar o conteúdo criativo. A arte é o único setor da sociedade onde podemos pagar $10 no início do mês e ter acesso a basicamente qualquer coisa. Imagine ir ao supermercado local, pagar $10 no início do mês e comprar o que quiser. A entrega de blockchain é muito interessante nesse sentido, e é a razão pela qual estou muito interessado em explorar isso. Dito isso, há um problema com o lado ecológico, o fato de que as transações no mundo da cripto-arte consomem muita energia. Isso tem que ser resolvido, caso contrário, será um grande problema para este tipo de sistema. Uma porcentagem de todas as vendas da Cryptopia irá para uma ONG chamada Carbono 180 na tentativa de reequilibrar o que foi gasto em termos de energia.”

Você também está envolvido em uma exposição real chamada Amazônia, com lançamento no dia 7 de abril, para a qual você criou a trilha sonora. Você pode falar um pouco mais sobre isso?

“Será uma exposição itinerante pelos próximos cinco anos com um fantástico fotógrafo brasileiro chamado Sebastião Salgado. Ele é provavelmente um dos melhores fotógrafos do mundo. Esta exposição, Amazônia, é uma das mais importantes de sua vida. Ele passou anos [na Amazônia brasileira] capturando os diferentes aspectos da floresta – não apenas o que está acontecendo em termos de desmatamento, mas também a forma como as pessoas estão vivendo lá. É um projeto fantástico. Fiquei muito honrado quando me pediram para criar a trilha sonora da exposição. Decidi fazer uma versão binaural disso, não apenas estéreo, porque é muito interessante recriar o conceito de floresta. Andar pela floresta é muito barulhento: pássaros cantando, vento nas folhas, um avião voando acima. É bastante harmonioso. Tentei usar sons eletrônicos, orquestrais, étnicos e orgânicos da natureza para recriar esse ambiente envolvente. Não sou um grande fã de binaural, porque na maioria das vezes não é muito convincente. Mas, neste caso, estou muito feliz com o resultado, porque a composição, a música, foi concebida com muitos sons diferentes permitindo esse tipo de espacialização e experiência imersiva.”

Fonte: Pollstar.com