RÁPIDO & RASTEIRO – MARÇO DE 2021

BIBLIOTECA DE TRIBUTOS BOB MOOG É ATUALIZADA

A Spectrasonics Omnisphere (um dos maiores nomes dos sintetizadores de software) comemora o décimo aniversário da Biblioteca de Tributos Bob Moog, lançando a edição 2.0 com mais de 500 novos Patches, além de todos os sons originais. Criados por Eric Persing e equipe de Desenvolvimento de Som da Spectrasonics, a nova versão da biblioteca já está disponível para usuários do Omnisphere (v2.6 ou superior) na webstore da Spectrasonics, com uma atualização gratuita para todos os clientes anteriores. 

Os sons na biblioteca foram criados por mais de 50 dos maiores artistas de sintetizadores, remixers e designers de som, como Hans Zimmer, Danny Elfman, Jean-Michel Jarre, Vince Clarke (Erasure/Depeche Mode/Yazoo), Money Mark (Beastie Boys/Beck), Bernie Worrell (P-Funk/Talking Heads), Larry Fast (Peter Gabriel/Synergy), Roger Joseph Manning Jr. (Air/Fiona Apple), Ryuichi Sakamoto (YMO), Morgan Page (Madonna/Katy Perry), Jan Hammer (Jeff Beck/Mahavishnu Orchestra), Michael Boddicker (Michael Jackson), Richard Devine (Aphex Twin), Patrick Moraz (Yes/Moody Blues), Eddie Jobson (UK/Roxy Music), Danny Elfman, The Moog Cookbook, entre outros.

Os arquivos de 2,4 GB da biblioteca foram desenvolvidos usando técnicas de processamento altamente criativas – muitas vezes com equipamentos exóticos como os raros Modulares Buchla, o EMS Synthi AKS de Jean-Michel Jarre, o Modular Moog maciço de Hans Zimmer e até mesmo o exclusivo OMG-1 de Eric Persing. Com tantos artistas de classe mundial diferentes contribuindo, a biblioteca é rica em estilo e repleta de sons inspiradores e de ponta.

100% dos lucros da Biblioteca de Tributos Bob Moog são destinados ao apoio dos projetos inovadores da Fundação Bob Moog, como a criação do “Moogseum” na cidade natal de Bob (Asheville – EUA) e a educação de crianças sobre música eletrônica através da “Dr. Bob’s SoundSchool”. O objetivo da fundação é educar e inspirar crianças e adultos através de sua missão de intersecção entre música, ciência e inovação.

“A Biblioteca de Tributos Bob Moog da Spectrasonics tem sido uma bela e poderosa fonte de apoio à nossa Fundação por mais de 10 anos, ajudando a ensinar mais de 20.000 crianças sobre a ciência do som através da ‘Dr. Bob’s SoundSchool’. Também preserva milhares de artefatos históricos através dos Arquivos da Fundação Bob Moog e inspira pessoas de todo o mundo através do Moogseum”, disse Michelle Moog-Koussa, diretora executiva da Fundação Bob Moog e do “Moogseum”.“Estamos muito entusiasmados com a atualização da biblioteca para uma nova geração, oferecendo aos produtores musicais grandes possibilidades de expandir o seu processo criativo, e sabemos que Bob ficaria grato com a expansão contínua deste projeto.”, concluiu.

Parte do Jean-Michel Jarre na Biblioteca de Tributos Bob Moog (clique na imagem para ampliar)

Vídeo do canal SpectrasonicsVIDEO no YouTube (ative as legendas para o português):

Fonte: Spectrasonics.net

EMPRESA LÍDER MUNDIAL DESCOBRE QUE JARRE USA INSTRUMENTO COM SUA TECNOLOGIA

No dia 24 de março, a DISPLAX (líder mundial da tecnologia multitouch) postou nas suas redes sociais, um vídeo e algumas fotos de Jean-Michel Jarre usando o instrumento Touch Innovations Emulator DVS:

“O quão legal é isso? Uma lenda como @jeanmicheljarre se apresentando com um #DISPLAX Touch 🎵🔥

Que honra ter um artista tão incrível criando #músicas incríveis usando um #touchscreen com tecnologia DISPLAX 🙌

#DISPLAX #UltraLargeMultitouch #Touchscreen

Fonte: Displax

MICHEL GEISS COMPARTILHA DISCO DE PLATINA DO ÁLBUM EQUINOXE

No dia 21 de março, o ex-le Tribe Michel Geiss compartilhou no seu Facebook, o disco de platina que ele ganhou em 1979, pela sua contribuição nas gravações do álbum Equinoxe. Vendagem: mais de um milhão de cópias.

Fonte: Michel Geiss

FRANCIS RIMBERT POSTA FOTO DA INFÂNCIA E LANÇA NOVO ÁLBUM

Em 14 de março, o ex-le Tribe Francis Rimbert postou no seu Facebook uma foto da sua infância, descrevendo suas lembranças daquela época:

“Meu primeiro órgão, na verdade, um Harmônio na igreja de Neuville, em Oise, onde eu tocava para a missa de domingo. De costas se vê a ‘Senhorita Genevieve’ que me fazia rir, contando piadas durante as tarefas. Quanto a mim, eu me divertia a retomar na versão litúrgica, os sucessos da época, seguindo as apostas dos meus amigos!… Memórias maravilhosas….”

Três dias depois, Rimbert lançou um novo álbum em parceria com Sandra Baudin, mais conhecida pelo pseudônimo de K’Sandra. Com dois vídeos (um em francês e outro em inglês), Francis apresentou sua nova companheira de trabalho em um recém criado canal no YouTube:

“Ela é suíça por parte de pai e italiana por parte de mãe. Professora de piano, compositora, pianista (virtuose), cantora e concertista! E ela disse: ‘encontrar-me diante de um piano me deu uma sensação de extraordinária força de ser capaz de me expressar por meio de notas na minha segunda língua’. Desde os 12 anos ela é uma verdadeira bulímica da composição. Ela dominou perfeitamente os sintetizadores soft ou hardware e sua grande curiosidade permite que ela seja perfeita em várias disciplinas musicais: clássico, trance, blues, jazz, rock, cinema … nada a detém nesta busca permanente de novos horizontes. Seu humor, sua simplicidade e sua incrível energia me intrigaram quando eu a descobri na Internet. Eu a contactei e ela concordou em me seguir nesta aventura que chamamos de LES CINQ SAISONS (As Cinco Estações). E estou muito feliz!”

K’SANDRA:

“É a minha vez de apresentá-lo, e isso é muito necessário: Francis Rimbert. Começou a tocar piano aos 4 anos e depois foi estudar música no Conservatório de Paris, onde obteve o seu prêmio de piano e harmonia. Ele amava música clássica, mas não todas as pessoas do meio (assim como eu …). Talvez ele os tenha achado muito imbuídos de sua pessoa… Subsequentemente ele decidiu sair como um vendedor em Pigalle, numa loja de música especializada na venda e importação de sintetizadores, dirigida por um certo Joel Fajerman!

Seu chefe na época, percebendo que ele estava manipulando com entusiasmo essas máquinas curiosas, mas que a venda parecia não ser ‘muito do seu departamento’, o trancou em seu escritório por um mês para compor o seu primeiro álbum BIONIC ORCHESTRA. Então o fez subir ao palco do Théâtre des Champs-Élysées para interpretar seus títulos e subsequentemente, enviá-lo pelas estradas da França.

Jean-Michel Jarre ouviu falar deste estranho homem rodeado por uma multidão de sintetizadores (pela intervenção benevolente de Michel Geiss) e pediu-lhe que lhe emprestasse e programasse os seus sintetizadores para um concerto na Place de la Concorde. O resto vocês sabem. Ele seguiu com uma colaboração muito longa no palco e no estúdio.

Francis também trabalhou com ilustração sonora, o que lhe rendeu o prêmio do Festival Antibes em 1987 e o primeiro prêmio do Festival Internacional de Música Eletrônica em 1988, concedido por Isao Tomita. Ele lançou vários álbuns solo e compôs a música para a OPERA ROCK MÉPHISTO (para mim, um deleite sonoro e visual …) Ele me descobriu na Internet dizendo que se deixava seduzir por minhas pequenas peças musicais que eu postava regularmente.

Mas o elemento estranho e desencadeante foi ter enviado a ele uma composição (Intolera) escrita originalmente para um amigo músico que, após um acidente, não podia mais tocar! Por que mandei para o Francis? Talvez porque o fato decidiu se envolver por ouvi-lo, ele descobriu que realmente parecia uma de suas músicas que ele nunca havia publicado em outro lugar… Então, para meu espanto ele me contatou e se ofereceu para fazermos um álbum juntos. O que obviamente aceitei com alegria!

Aqui iremos apresentar nosso trabalho, extratos, curiosidades de tutoriais, segredos de criações, etc … Vamos revisitar horizontes totalmente opostos; do épico ao trance e do jazz ao clássico! Então abra caminho para LES CINQ SAISONS, uma bela aventura entre dois artistas, com um encontro improvável. Mas, a música decidiu o contrário! …”

Fonte: Francis Rimbert