JEAN-MICHEL JARRE ESTREIA A PRIMEIRA EXPOSIÇÃO DE CRIPTO ARTE SOCIAL BASEADA EM REALIDADE VIRTUAL NO SXSW 2021

“Cryptopia” é um projeto de música e arte gráfica do músico francês Jean-Michel Jarre, que lançou sua primeira coleção no dia 16 de março.

Esta primeira coleção contém peças musicais originais especialmente compostas com uma série de fotos em preto e branco e três loops de vídeo animados, baseados no enorme sucesso do concerto virtual Welcome to the Other Side (visto por mais de 75 milhões de pessoas em todo o mundo). Jean-Michel Jarre abriu a sua galeria “Cryptopia” na primeira edição social do Festival SXSW (South by Southwest) 2021 no VRChat, que acontece de 16 a 20 de março.

Cripto arte é quando a arte digital é infinitamente multiplicada sem perda de qualidade. A cripto arte trabalha adicionando uma assinatura única e indelével a um arquivo digital, chamado “tokenização” ou “cunhagem” no blockchain (livro de razão pública – ou livro contábil – que faz o registro de uma transação de moeda virtual, sendo a mais popular delas, o Bitcoin, da forma que esse registro seja confiável e imutável). Este token não fungível (também conhecido como NFT) representa um valor de escassez para as obras artísticas associadas. O titular do token pode usufruir desse valor, vender ou oferecer a outra pessoa, mas apenas aqueles que seguram o token podem ′′possuir′′ a obra de arte assinada por blockchain, mesmo que as cópias não assinadas possam circular livremente, mantendo os direitos de autor ao artista. Coleções e leilões de cripto-arte geralmente podem ser encontrados online, ou através de aplicativos de Realidade Virtual. Pela primeira vez, uma coleção inteira dessa nova forma de arte digital será apresentada em uma galeria virtual no X Reality social.

A coleção do artista francês esta acessível no modo de pré-visualização dentro de sua galeria virtual e estará à venda após o festival. “Com o concerto virtual Welcome to the Other Side, eu queria dar vida nova às paredes de Notre-Dame e dar início ao novo ano com um manifesto contemporâneo ao vivo deste símbolo de força e patrimônio mundial que nos une. Com Cryptopia eu quero capturar e celebrar aquele momento singular no tempo e no espaço”, disse o compositor francês.

O modelo virtual de Notre-Dame criado em conjunto com a VRrOOm parecia um depósito óbvio para a nova coleção de cripto arte de Jean-Michel Jarre, baseando-se na analogia não tão inócua entre o significado de uma cripta física – na qual itens sagrados ou sepulcros estavam secretamente escondidos – e as noções de criptografia única que a cripto-tecnologia fornece.

“A noção de obra original tem, por definição, um valor único e sagrado. Precisa ser revivida no mundo digital. Vamos celebrar a música e as criações visuais, guardando-as em segurança em uma cripta digital”, diz Jean-Michel.

Jean-Michel Jarre, que há muito está na vanguarda da defesa dos direitos autorais e das criações artísticas, e além disso, do justo reconhecimento para que todos os artistas possam viver dos frutos de seu trabalho, também acredita que é necessário romper as economias tradicionais da arte.

Ele também se coloca como um precursor do conceito de cripto-arte em si: em 1983, Jarre provocou um rebuliço na indústria musical colocando em leilão a cópia única do álbum Music for Supermarkets, no Hotel Drouot em Paris, destruindo as fitas originais em público na presença de um oficial de justiça. O LP foi por muito tempo um dos colecionáveis mais procurados da história. Esta foi a primeira tentativa de criar a noção de valor de uma criação original na era infinita da reprodução tecnológica.

“Me parece essencial repensar os fundamentos de nossos sistemas atuais de valor e recompensa pela arte e suas implicações sociais”, diz ele. “NFTs e cripto-arte são tentativas interessantes de pioneirismo em novas estéticas”, acrescenta. “No entanto, estou consciente das questões ambientais ligadas às eco-esferas digitais e blockchain. Pretendo doar uma porcentagem dos lucros das vendas potenciais da minha cripto-arte para a ONG ambiental Carbono 180, para compensar a energia e pegada de carbono consumidas no processo”, conclui Jarre.

Louis Cacciuttolo, fundador da VRrOOm, que criou a edição X Reality 2021 do SXSW e se uniu a Jean-Michel Jarre para realizar sua exposição de cripto arte, diz: “Por ser digital, a cripto-arte pode levar a uma verdadeira democratização da arte, e é natural para Jean-Michel Jarre contribuir para essa revolução como parte de sua luta constante para levar arte às massas por meio da tecnologia”.

É necessário um registro na edição online do Festival SXSW 2021 para obter um credenciamento e acessar a exposição de cripto arte de Jean-Michel Jarre no VRChat, que está disponível de 16 a 20 de março.

INFORMAÇÃO:

Status da Premiere:‎‎ World‎ ‎Premiere‎‎
Duração:‎‎ ‎‎20‎‎ minutos
Idioma: ‎‎‎Inglês, sem diálogo
‎‎País:‎‎ França‎
Sinopse:‎‎ Seguindo o show espetacular da lenda da música eletrônica Jean-Michel Jarre em uma Notre-Dame virtual, explore a exposição de cripto arte baseada nos destaques do concerto, com imagens digitais e vídeos de autoria do artista francês. ‎
‎‎‎Diretor:‎‎ Jean-Michel Jarre
‎‎Produtor Executivo:‎‎ VRrOOm & Aero Productions‎‎
Produtor:‎‎ Louis Cacciuttolo
Som: Eric Cornic
Música: Jean-Michel Jarre
Iluminação e Cenografia: Jvan Morandi
Arte 3D e direção criativa: Vincent Masson
Desenvolvedor Chefe: Antony Vitillo
Produção VR: Lapo Germasi & Victor Pukhov‎

Fontes: portable-infinite.blogspot.com|sxsw.com