“A MÚSICA ELETRÔNICA É A MÚSICA CLÁSSICA DO SÉCULO XXI”: COMO JEAN-MICHEL JARRE LEVOU O SINTETIZADOR ÀS MASSAS

Com pouco para competir com o single Oxygene (Parte IV) quando ele o lançou quase 50 anos atrás, Jean-Michel Jarre tornou-se o ícone do synth pop e continuou a abraçar o que há de mais avançado desde então. Um verdadeiro pioneiro do sintetizador…

21/05/2024|Por: Andy Jones (Future Music, Computer Music)

Na década de 1970, não havia ‘música eletrônica’ como tal. Bem, ok, é claro que havia, mas se você estava crescendo naquela década cinzenta, era improvável que soubesse muito sobre isso.

Kraftwerk, Tangerine Dream e outros estavam fazendo seus trabalhos, mas isso foi em grande parte mantido a portas fechadas na Alemanha. Wendy Carlos havia feito um ou dois álbuns eletrônicos, mas com estilo de música clássica. No Reino Unido, Keith Emerson estava mexendo em seus sintetizadores progressivos, o Human League estava apenas tirando a poeira de seus casacos brancos, Brian Eno era brilhante, glamouroso e ambiental, e Gary Numan ainda não havia encontrado ‘aquele’ Minimoog. Então coube a um carismático francês nos apresentar a pura música de sintetizador. E que música era essa.

A porta que abriu nossos olhos e gerou milhões de vendas para Jarre foi a faixa “Oxygene (Parte IV)”, mas não era realmente o que você chamaria de material de ‘hit’ para 1976. Começava com ruído branco que soava como o mar – gerado por um VCS3 – antes de assumir um ritmo simples, uma melodia principal impressionante (que se tornaria a marca registrada de Jarre), e seguia com trechos tocados por um EMS Synthi AKS e ARP 2600, entre outros. Jarre gravou toda a faixa em sua cozinha, mas soava mais polida do que qualquer armário de bebidas com verniz que seu pai poderia ter possuído no ano em que foi lançada. Pensando bem, é mais calorosa do que qualquer “Teasmade” dos anos 1970.

O álbum Oxygene (na verdade, o terceiro lançamento de Jarre, mas não vamos nos alongar nos dois primeiros) foi igualmente impressionante. Uma série de apenas seis faixas, ou partes, todas utilizando os mesmos sons e estilos de sintetizadores. Cheio de melodias e atmosferas, foi um lançamento tão extravagante em 1976/1977 quanto qualquer pessoa poderia desejar, especialmente aquelas muito desiludidas com a dieta constante de Showaddywaddy, Max Bygraves e David Soul que as paradas musicais serviam naqueles dias. Não estávamos sozinhos em recebê-lo calorosamente, pois acabou vendendo cerca de 15 milhões de cópias.

Álbuns similares impressionantes vieram, como Equinoxe (1978) e Magnetic Fields (1981). Eles mantiveram o tema do sintetizador, com Equinoxe soando basicamente como um Oxygene Mk2, mas conseguindo superar o original em algumas ocasiões.

Álbuns posteriores começariam a soar desgastados em comparação com esses primeiros triunfos – os álbuns Oxygene 7-13 (1997) e Oxygene 3 (2016), por exemplo, são irregulares em comparação com o primeiro, mesmo que usem os mesmos “patches” de sintetizador (sim, isso é uma ‘piada’ de sintetizador). No entanto, em todos os lançamentos de Jarre, ele pegava a tecnologia mais recente para criar as músicas, com Zoolook de 1984 sendo o primeiro a adotar o sampler, e muitas vezes com grande efeito.

Como se não fosse o suficiente trazer o som do sintetizador e a tecnologia de gravação de música para as massas, Jarre superaria essa façanha realizando concertos para (literalmente) milhões de pessoas. Ele foi o primeiro artista ocidental a tocar na China (1981), e embora isso tenha resultado em um fantástico álbum duplo ao vivo, The Concerts In China (1982), seriam seus concertos ao ar livre em vários locais ao redor do mundo e ao longo de um período de 20 anos que elevaram as coisas a alguns níveis acima.

Isso incluiu tocar na Place de la Concorde (1979) e em Houston (1986), com cada show atraindo multidões cada vez maiores e quebrando recordes, chegando a 3,5 milhões em um concerto na cidade de Moscou no ano de 1997. Jarre tocou para cerca de 12 milhões de pessoas no total até o final do século, quando presumivelmente as leis sanitárias e de segurança do século XXI colocaram um fim a eles.

Jean-Michel Jarre se preparando para tocar na Place de la Concorde (© Getty Images)

Voltando ao nosso tema principal, Jean-Michel sempre amou essa tecnologia: desde a famosa harpa laser usada para revelá-lo disparando sons no palco com lasers reais, até apresentações onde um enorme espelho girava sobre ele para mostrar o que estava tocando. (Nós até fizemos uma lista dos equipamentos no palco enquanto nos divertíamos em um de seus shows. Confie em nós, eram muitos. Ainda recebemos alguns olhares engraçados enquanto fazíamos isso).

Ele ainda abraça os lançamentos de tecnologia mais recentes, incluindo o sintetizador “3D Sound Particles Skydust” do ano passado, e ainda busca publicidade, como sendo a primeira pessoa a fazer uma viagem em um carro voador (sério). Mas em troca, devemos abraçar esse francês que toca há seis décadas como um dos verdadeiros pioneiros da música de nosso tempo, um homem que uma vez declarou que “a música eletrônica é a música clássica do século XXI”

JEAN-MICHEL JARRE EM 4 FAIXAS:

1. Oxygene Part IV

Realmente parece um pouco brega agora, dada sua data de lançamento e sua melodia simples e ridiculamente memorável. Mas esta provavelmente é a única música instrumental sintetizada que poderia tocar em uma festa de casamento e sair impune. Bem, nós dançaríamos com ela.

2. Equinoxe Part 1

Equinoxe Part 5 pode ser a estrela da cena com sua impressionante linha de sintetizador principal (e supera Oxygene em nossa opinião), mas Equinoxe Part 1 é a introdução atmosférica ao álbum subsequente de Jarre, e sua bela apresentação ao que sua cozinha de estúdio estava cozinhando. Provavelmente você pode tocá-lo em um Super Gemini nos dias de hoje apenas olhando para um e nem mesmo ligando-o, mas em 1978 era pura magia negra.

3. Magnetic Fields Part 4

A essa altura, você deveria estar pegando o jeito: vamos ter um sintetizador principal simples mas insistente, e vamos adicionar algumas camadas, alguns efeitos, até mesmo um vocoder neste caso… É um processo repetido e simples, mas a execução de Jarre nesta faixa é especialmente brilhante. Não é tão baixo em tempo, mas parece tão relaxado quanto qualquer faixa de Jarre; uma que fará você sonhar em nadar em um oceano de sintetizadores. Pelo menos para nós.

4. Souvenir of China

Uma das faixas bônus surpresa no álbum duplo The Concerts In China, já que não é de nenhum álbum anterior de Jarre (mas teria se encaixado facilmente se perguntado). Não gostamos das batidas de bateria no final, mas há uma emoção real aqui, com ‘samples’ da turnê de Jarre, strings para morrer e uma sensação nostálgica genuína. Se alguém algum dia lhe disser que os sintetizadores são muito frios, mande-os para cá e nós vamos tocar isso para eles.

Fonte: Music Radar

Views: 52