OXYMORE: ENTREVISTAS DE JEAN-MICHEL JARRE PARTE 1

Essa compilação de entrevistas está dividida em 3 páginas

21/10/2022

“Este álbum é uma homenagem aos compositores de música concreta Pierre Henry e Pierre Schaeffer, e também à Maison de la Radio et de la Musique”, disse Jean-Michel Jarre, no dia 21 de outubro, para a franceinfo. Jarre está lançando o seu 22º álbum de estúdio, Oxymore, produzido no estúdio de criação sonora da Radio France. Nesta nova obra, o compositor de música eletrônica e obras imersivas utilizou sons que Pierre Henry (1927-2017) lhe legou pouco antes de seu falecimento.

Jean-Michel Jarre promete realizar os próximos concertos “no mundo real e, ao mesmo tempo, ao vivo no Metaverso e em universos virtuais”. Segundo ele, o Metaverso “se tornará um modo de expressão em si mesmo e gerará novos atores, novos criadores e novos músicos”.

É um projeto que se concretizou na Radio France?

“Está correto! É um projeto que tenho em mente há muito tempo, porque sempre fui obcecado com a noção de espaço em minha música. Já em estéreo, com Oxygene, a ideia de ampliar o espaço estava nos meus desejos. É também uma homenagem à Maison de la Radio et de la Musique, da qual nunca podemos dizer o suficiente sobre até que ponto o serviço público é pioneiro em matéria de som. É nesta casa que se desenvolveram o FM, binaural e o multicanal. Este projeto não poderia existir sem o estúdio Innovation da Radio France.”

Mas também é um tributo a musique concrète?

“Absolutamente! Pierre Henry e Pierre Schaeffer, que era o chefe do Grupo de Pesquisas Musicais ligados ao ORTF [Office de Radiodiffusion-télévision Française – Escritório Francês de Radiodifusão e Televisão] na época, definiram o que finalmente seria a música de hoje, ou seja, numa espécie de apologia ao Oxymore, para poder mixar os sons da vida na música, para poder mixar o som de um pássaro com um clarinete, ou o som de um motor com percussão. Essa maneira muito iconoclasta e surreal de abordar a música é, em última análise, uma grande contribuição para a maneira como ouvimos e fazemos música hoje. Quer façamos hip-hop, electro, jazz ou rock, todos se tornaram um pouco de designers de som, um pouco dos netos de Pierre Henry em particular, e Pierre Schaeffer a quem eu presto tributo através deste álbum.”

Os shows deste álbum serão necessariamente especiais. Você vai nos levar para o Metaverso?

“Com a Covid-19, mudamos o paradigma. Nosso relacionamento com as ferramentas digitais evoluiu. Falamos sobre isso com a família através de telas. Podemos, portanto, ver que as ferramentas digitais estão mudando nossas vidas. Falamos muito de Metaversos e Realidades Virtuais que não são abstrações frias e perturbadoras, mas que, ao contrário, têm uma dimensão social, que é o fato de chegar a pessoas que, por motivos geográficos, motivos sociais, ou por motivos de deficiência, até agora não puderam estar conosco nos concertos, e também com o resto da população. Então, de fato, essas são as tecnologias que nos permitirão nos expressarmos de forma diferente, para também democratizar as ferramentas criativas.”

Jean-Michel Jarre, na Franceinfo

Você diz: “Não tenha medo, este é o possível futuro dos espetáculos ao vivo” ?

“Um futuro possível é exatamente o termo. Na época dos irmãos Lumière, o cinema foi inventado e as pessoas do teatro diziam: ‘esses que estão nessa tela branca, não são atores reais. Um ator de verdade é alguém que está no palco, na frente de uma plateia’. Finalmente, o cinema se tornou a grande arte que conhecemos. Com o Metaverso, é a mesma coisa. É algo que certamente não enfraquecerá as artes cênicas, pelo contrário, fortalecerá. Se tornará um modo de expressão em si e gerará novos atores, novos criadores, novos músicos, todo um novo ecossistema, criando empregos, novos engenheiros de som e novos produtores. E o serviço público ainda está limpando terreno neste nível, em particular o estúdio Innovation da Radio France, com o qual temos grandes ambições juntos, para criar uma academia de som que nos permita treinar e passar o bastão para jovens criadores e jovens produtores.”

Fonte: franceinfo

26/10 2022|Por: Didier Zacharie

Esqueça a harpa laser, o concerto aos pés das pirâmides, ou mesmo os 80 milhões de discos vendidos em todo o mundo. Jean-Michel Jarre é acima de tudo um pesquisador do som, ou um pintor de material sonoro. “Oxymore” é um novo álbum em forma de homenagem aos pioneiros da música electro-acústica, Pierre Henry e Pierre Schaeffer, com quem trabalhou no início do GRM. “O novo álbum é uma prequela de Oxygene”, diz ele. É também um passo para o futuro da Realidade Virtual. Nesta entrevista, ele dá explicações e uma pequena lição sobre a história da música eletrônica.

“Oxymore” é dedicado a Pierre Henry, pioneiro da musique concrète

Antes de mais nada, há uma razão pessoal. Eu deveria trabalhar com ele na época do álbum Electronica, mas ele adoeceu e acabou falecendo. Através de sua viúva, ele me legou sons para que um dia eu fizesse algo com eles. Quando se pensa em Oxymore, achei que era uma boa hora para usar esses sons porque Pierre Henry foi o primeiro a explorar a espacialização do som no final dos anos 40. Oxymore é um salto para os anos 40 e 50 e também para o futuro. O trabalho sobre texturas sonoras com uma tecnologia que nos permite a programação de sons, tudo isso já estava no programa de pessoas como Pierre Henry e Pierre Schaeffer. Finalmente, uso muito pouco dos sons que Pierre Henry me legou. Talvez 5% do álbum, um pouco como especiarias que são adicionados a um pratoMas foi fundamental na direção que tomou, que foi essa abordagem muito orgânica da composição. Eu queria que o ouvinte fosse imerso no som e na música.”

“Oxymoreé, portanto, um retorno às fontes de experimentos sonoros dentro do GRM ao qual você se juntou no final da década de 1960?

“Sim! Pierre Henry e Pierre Schaeffer que são, sem trocadilhos, as pedras fundadoras da música eletro-acústica, são pessoas que tiveram não só uma grande influência na minha jornada, mas também na maneira como fazemos música hoje, com a ideia de que, pela primeira vez, a música não era mais considerada para ser concebida em torno de notas baseadas na teoria da música, mas em torno de ruídos e sons, e que poderíamos fazer música com sons externos. Oxymore é o clarão-obscuro, o silêncio ensurdecedor, e por isso também é música concreta, Inteligência Artificial, Realidade Virtual… E a ideia, basicamente, é pegar sua máquina de lavar e misturá-la com o som de uma guitarra elétrica, ou um trombone, e criar objetos sonoros incongruentes. E é essa poesia que tem sido absolutamente vanguardista que influenciou a maneira como fazemos música nos dias atuais, seja hip-hop ou electro.”

Você também frequentou as aulas de Stockhausen em Colônia. Como você compararia a escola francesa e a escola alemã?

“Era bem diferente, mesmo que venha da mesma vontade de desvirtuar os códigos que existiam até então para trabalhar o material sonoro. Na França, gostávamos de fazer ‘gravações de campo’, como dizemos hoje, ou seja, aventurar-se com um microfone e samplear sons – que é o ancestral do sampler, que literalmente significa samplear. Do lado de Stockhausen, tratava-se mais de trabalhar com sons eletrônicos, frequências, osciladores, filtros, e criar uma nova estrutura por manipulação eletrônica. Os dois então se fundiram, mas inicialmente são duas coisas ligeiramente diferentes. E eu diria que, mais tarde, na minha geração, na França, havia uma visão mais impressionista das coisas, enquanto os alemães estavam mais em uma direção de apologias da máquina, com uma abordagem mais fria e robótica. Estou pensando em Kraftwerk e Tangerine Dream, que deixaram os sequenciadores tocarem sozinhos, mostrando que as máquinas tinham vida própria.

No entanto, quando você lançou “Oxygene” em 1976, era música que parecia mais próxima da escola alemã “a la Tangerine Dream” do que musique concrète

“Oxygene é uma reação de onde eu vim. Depois de uma temporada na experimentação, considerei que a melodia estava no centro do jogo e eu tinha a ambição de criar essa ponte entre música experimental e música pop. Esse ainda é o caso. De certa forma, Oxymore, é uma prequela de Oxygene.”

© François Rousseau

Concretamente, como você gravou Oxymore?
“Eu fiz isso em multicanal, ou seja, com alto-falantes ao meu redor. Binaural e multicanal são duas coisas complementares, mas são diferentes. Binaural é o fato de recriar com fones de ouvido, essa sensação de ambiente que podemos ter com alto-falantes nos quatro cantos de uma sala. No caso de Oxymore, fiz duas versões: uma em Dolby Atmos multicanal para ouvir sem fones de ouvido e uma versão binaural que permite que qualquer pessoa, com seus fones de ouvido padrão, tenha esse som surround. A partir daí, fazemos a versão estéreo. Acho que é uma maneira de ouvir música que vai se desenvolver. Vemos isso nos home-cinemas, nos carros, no desenvolvimento do Metaverso, no virtual… Estamos caminhando para modos de recepção que estão ligados a essa ideia de imersão.”

Paralelamente ao álbum, você imaginou “Oxyville” em Realidade Virtual… Para você, o desenvolvimento do som imersivo acompanha o desenvolvimento do Metaverso?

“Oh sim. É necessário. Eu luto como músico para dizer que o Metaverso, Realidade Virtual, e todo esse universo visual, é muito legal, mas o som está no centro do jogo. Porque o campo de som é maior que o campo visual. O problema é que desenvolvemos som surround para o cinema e desenvolvemos o Metaverso como um videogame pensando primeiro no visual. Músicos tiveram que sequestrar ferramentas que não são feitas para eles. Foi o que fizemos com Oxymore. Haverá muito para tocar no Metaverso, mas também haverá outras coisas que irão nutrir novas categorias de artistas que estão por vir. E eu acho que este momento de ruptura, de mudança de paradigma, vai dar origem ao hip-hop ou ao rock do amanhã. É a tecnologia que vai fomentar novos estilos de música.”

Você assinou com a Sony alemã. Porque você sempre foi mais aceito e compreendido na Alemanha e Inglaterra do que na França?

“Estes são os caprichos dos negócios… Não estou reclamando, especialmente porque com o tempo as coisas evoluíram. É algo muito francês ser cauteloso quando um dos seus filhos é bem-sucedido no exterior. Mas com o tempo, isso foi se equilibrando. Meu pai tinha uma bela fórmula para isso: ele disse que para ser reconhecido em seu país, você tem que ter uma boa saúde”.

Fonte: Moustique

Visits: 81