OXYMORE: OS BASTIDORES DA PROEZA TÉCNICA E ACÚSTICA DE JEAN-MICHEL JARRE

A nova criação de Jean-Michel Jarre será apresentada exclusivamente durante o Hyper Weekend Festival, na Maison de la Musique et de la Radio. Uma experiência total, imersiva e inédita segundo o seu compositor.

Tudo começou com um legado precioso: uma biblioteca sonora, confiada a Jean-Michel Jarre pelo falecido compositor Pierre Henry, que nos deixou em 2017. O ponto de partida do perturbador “Oxymore”, uma criação borbulhante de total experiência orgânica e acústica, apresentado pela primeira vez durante o Hyper Weekend Festival, que começa neste dia 21 de janeiro na Maison de la Radio et de la Musique. “Integrei um certo número de sons que Pierre Henry me legou, transmitidos por sua esposa Isabelle Warnier”, conta Jean-Michel Jarre à France Musique. Inicialmente sonoridades bastante orgânicas e minerais, integradas e reinterpretadas pelo compositor de Oxygène durante um concerto que junta e confronta música concreta e abstrata, o que é um feito técnico.

Agrupado no centro do Agora e cercado por dezessete alto-falantes, o público se sentirá imerso por mais de cinquenta minutos em um banho de som, o tempo de uma viagem imóvel em 360º. Isso é chamado de som “multicanal”. “Multicanal são sons vindo de todos os lugares. Para mim, não é uma abordagem ‘geek’: trata-se de retornar à escuta natural”, diz Jean-Michel Jarre. “O estéreo não existe na natureza. Quando falo com você, estou em mono, o pássaro cantando está em mono, o carro que passa também. E hoje, tecnologicamente, somos capazes de replicar isso.”

INTEGRANDO O ESPAÇO NA COMPOSIÇÃO

Observação paradoxal da tecnologia que permite reconstituir a experiência da realidade. É inevitável que a composição seja afetada por isso: “Compor para multicanal é totalmente diferente de compor para orquestra ou estéreo”, diz Jarre. “Costumamos escrever músicas que ouviremos de frente. O multicanal, portanto, apresenta vários problemas em termos de posicionamento no espaço: imagine que você separa todos os elementos de uma orquestra sinfônica! Não vai soar igual, você tem que recriar a fusão.”

Jarre ensaiando para a primeira apresentação
© VRrOOm

Três meses de trabalho intenso, desde meados de outubro. “Tivemos altos e baixos”, confidencia Jean-Michel Jarre. “Mas é em uma emergência que podemos fazer coisas surpreendentes. Eu compus a música por conta própria no meu estúdio, e depois vim para a Maison de la Radio et de la Musique, para que pudéssemos trabalhar na especialização: ‘pegar objetos musicais’, para usar uma expressão e recolocá-los no espaço como eu havia concebido no momento da escrita.”

COLABORAÇÃO ESTREITA COM AS EQUIPES DA RADIO FRANCE

A façanha técnica não poderia acontecer sem o domínio de Hervé Déjardin, gerente de projeto do departamento de inovação de áudio da Radio France : “Jean-Michel Jarre me enviou as faixas com os estéreos de referência. Levei duas semanas para fazer o achatamento espacial, além de propostas”, conta o engenheiro de som de óculos e cabelos grisalhos desgrenhados. É uma questão de equilibrar o espaço para que o som venha “de todos os lados” respondendo também “às emoções musicais e ao ritmo…”. “Além disso, a música eletrônica tem energias que devemos absolutamente tentar preservar. Sons anedóticos, bem como sons de ‘lead’ me inspiraram movimentos: você tem que tentar o máximo possível para se ater à personalidade dos sons.”

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Sem-titulo-4.jpg
Hervé Déjardin, engenheiro de som, trabalhou em estreita colaboração com Jean-Michel Jarre
© Radio France / Louis-Valentin Lopez

Jean-Michel Jarre então se juntou ao engenheiro de som no estúdio. “Ele veio e nós trabalhamos na mixagem com muita precisão. Eu tinha perdido algumas coisas, para outras eu não estava muito longe, outras o interessavam…Estamos em algo totalmente novo pela maestria da tecnologia que isso implica, e estamos colocando as mãos nela há anos na Radio France.”

Uma comunhão sonora que os ouvintes da France Musique poderão experimentar à distância, graças ao chamado som “binaural”. Mais um termo técnico esclarecido para nós por Christian Lahondès, engenheiro de som, que está afinando as configurações finais em um estúdio de inovação na Maison de la Radio et de la Musique : “É um método de captação de som adaptado à morfologia da cabeça humana, que permite uma restituição em três dimensões”, explica, rodeado por cinco monitores de computador. “O ouvinte poderá viver quase a mesma experiência que o público. Tudo o que ele precisará é de um smartphone ou um computador, uma conexão com a Internet, e ele poderá ouvir o show em binaural no site da France Musique. É claro que serão necessários fones de ouvido para uma imersão ideal que será ainda mais acentuada por uma rede de microfones ambientes, para também capturar o som do público e trazer uma cor para este concerto.”

Os sons circularão ao redor da plateia, para uma experiência de 360 graus
© Radio France / Louis-Valentin Lopez

“E é tudo menos anedótico”, acrescenta Jean-Michel Jarre. “É um pouco como a realização de um desejo que tive desde o início. Sou filho da Maison de la Radio, comecei no Grupo de Pesquisas Musicais com Pierre Schaeffer, em particular, estudando música concreta e eletroacústica. Se há legitimidade hoje para essa música, que se tornou a música mais popular do mundo, poucos sabem que ela nasceu aqui, graças aos dois Pierres: o Henry e o Schaeffer”, lembra o compositor. “Essa criação é também uma forma de celebrar a Maison, numa altura em que alguns questionam a utilidade do serviço público. Podemos ver até que ponto esse serviço público é pioneiro em assuntos sólidos.”

“Oxymore” de Jean-Michel Jarre, uma nova criação e uma experiência total, será transmitida ao vivo no domingo, dia 23 de janeiro às 21h (horário local, 17h pelo horário de Brasília) no Carrefour de la Création

Fonte: France Musique