O DESIGN SONORO A SERVIÇO DA GESTÃO DE PRODUTOS. A EXPERIÊNCIA DA RENAULT COM JEAN-MICHEL JARRE

Product Manager – Product Owner @Paris
17/01/2024 | Texto e fotos: Pascal Kammerer

Ao longo de nossas vidas, Jean-Michel Jarre marcou musicalmente nossos momentos de relaxamento e também de trabalho, desde Oxygene até Oxymore. Mas mais do que isso, sempre foi brilhante a maneira como ele aborda a música e, principalmente, o som, como uma experiência. Pioneiro em muitas áreas, devemos a ele os primeiros álbuns imersivos, assim como experiências como Amazônia (a exposição) e seus concertos em Realidade Virtual. Além disso, ele é um exemplo de marketing, tendo construído a sua própria lenda, de tal forma que poucas pessoas ainda o descrevem como um veterano (isso aconteceu no início dos anos 2000). Ele é identificado como “o papa da música eletrônica” e conseguiu construir o que ele mesmo chamou de “a marca Jean-Michel Jarre”.

Essa expressão ele usou no dia 16 de janeiro, durante a conferência “Et si le bruit laissait la place au son?” (E se o ruído desse lugar ao som?), organizada pela Renault no auditório da UNESCO, para a Semaine du Son (Semana do Som), com as participações de Gilles Vidal (Diretor de Design do Grupo Renault) e dos “experts” do Grupo Renault, Michelin, IRCAM, Harman Kardon e Bruitparif (organização ambiental sem fins lucrativos responsável pelo monitoramento do ruído ambiental nas aglomerações de Paris).

Porque não se engane: quando a VRROOM o procura para experiências em Realidade Virtual, ou a Renault para criar a atmosfera sonora de seus veículos, o que estão procurando não são só a sua experiência e criatividade, mas também sua rede, sua equipe e sua reputação. Apesar do que seus detratores possam dizer, esses são atributos inegáveis. O som muitas vezes é esquecido em favor da imagem ou do texto. No entanto, a audição é um dos nossos sentidos mais solicitados. Assim, é totalmente legítimo, até mesmo crucial, se preocupar com isso ao falar de um produto e de uma experiência. Claro, em muitos casos, podemos deixar o usuário escolher o que ouvirá ao visitar um site ou um aplicativo profissional. Portanto, o som é um aspecto essencial do Gerenciamento de Produto.

Se o som pode transmitir emoções, também pode ser fonte de problemas que podem reduzir nossa expectativa de vida saudável em 2 anos. Isso seria a segunda causa de morbidade ambiental, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Falamos principalmente de poluição sonora, do ruído dos transportes (avião, trem e principalmente automóveis) e do entorno. Este é um tópico que foi abordado pela Renault com o projeto APACHE, que recebeu o prêmio “Decibel d’or” (Decibel de ouro), um veículo capaz de analisar o estado das estradas por meio de sensores sonoros. As primeiras experiências foram realizadas em Saint Quentin en Yvelines. Reduzir o ruído da estrada é possível com novos revestimentos e melhorias nos pneus, por exemplo. Então, pesquisa e desenvolvimento são essenciais.

Na “Renaulução” francesa

No auditório da UNESCO, a Renault teve a ambição de nos apresentar um projeto de ambiente musical para seus novos veículos elétricos, em colaboração com Jean-Michel Jarre e uma equipe de profissionais em design de som e engenharia. A música “Crystal Garden” foi o ponto de partida. A ideia era criar o som da vida a bordo, uma verdadeira experiência sonora (e visual) ligada à imagem da marca Renault. Tudo isso com a exigência de ser discreto, familiar e reconhecível sem ser obsessivo. Também era necessário levar em consideração a regulamentação, especialmente em relação aos sons relacionados à segurança. O equipamento sonoro presente no veículo também é crucial. Como criar uma experiência sonora como na sala de estar? Para Jean-Michel Jarre, entramos em uma nova era, onde os sons estrondosos dos motores a explosão, símbolos de poder, não estão mais na moda.

O som e a Gestão de Produtos

Aqui temos o exemplo marcante do produto “veículo elétrico”, onde passamos muito tempo, seja como motorista, passageiro ou até mesmo pedestre, pois os encontramos todos os dias. O som desempenha um papel fundamental em muitos aspectos de nossas vidas, e sua integração eficaz nos produtos é uma consideração crucial para os profissionais do gerenciamento de produto. O gerenciamento de produto envolve o planejamento, desenvolvimento e implementação de produtos que atendam às necessidades do mercado. Nesse contexto, o som se torna um elemento integral, influenciando a experiência do usuário e a percepção global de um produto. Um produto bem projetado não se limita às suas características visuais ou funcionais. O aspecto sonoro pode evocar emoções, melhorar a utilidade e criar uma conexão mais profunda com os usuários.

No gerenciamento de produto, a consideração do som começa na fase de design. Os profissionais do gerenciamento de produto devem colaborar de perto com os designers de som para garantir que os elementos de áudio se integrem harmoniosamente à experiência geral do produto. O objetivo é criar uma identidade sonora distintiva que reflita a marca e provoque respostas positivas. A marca Renault entendeu isso muito bem.

Para dar outros exemplos, no campo de aplicativos móveis, o som pode ser usado para indicar eventos como a recepção de uma mensagem, o sucesso de uma tarefa ou a notificação de um alerta. Esses sinais sonoros devem ser cuidadosamente escolhidos para não serem intrusivos, mas sim para melhorar a experiência do usuário. No setor de produtos eletrônicos, como alto-falantes inteligentes ou fones de ouvido, a qualidade sonora torna-se uma característica central. Os profissionais do gerenciamento de produto devem colaborar com engenheiros de som para garantir que hardware e software trabalhem juntos para oferecer uma experiência sonora excepcional.

O som é um elemento-chave do gerenciamento de produto, influenciando diretamente a experiência do usuário e a percepção de um produto. Os profissionais do gerenciamento de produto devem estar cientes do impacto do som, desde o design até o lançamento, para criar produtos memoráveis e bem-sucedidos. A harmonia entre o visual e o auditivo se torna assim uma dimensão indispensável da gestão de produtos moderna.

O Gerente de Produto é um artista?

Por que não? Mas com modéstia e um pouco de imaginação! Ele deve, acima de tudo, saber se cercar. De certa forma, se considerar um artista em sua área. O Gerente de Produto assumindo o papel de maestro. Assim como um pintor manipula seus pincéis em uma tela em branco, o gerente de produto molda um produto em constante evolução com uma visão ousada e criativa. Como arquiteto da experiência do usuário, o gerente de produto orquestra uma sinfonia de interações e funcionalidades, procurando cativar o público utilizador. Essa concepção minuciosa não se contenta em atender às necessidades funcionais, ela visa capturar a essência da experiência, criar uma melodia que ressoe além da mera utilidade.

O ato de criação ocorre na tela digital do produto, onde cada linha de código e cada funcionalidade contribuem para a obra final. Assim como um escultor molda a matéria, o gerente de produto ajusta as características, buscando alcançar um equilíbrio perfeito entre forma e função. Cada atualização do produto se torna uma nova iteração na busca infinita pela perfeição.

No entanto, essa criação não se limita à superfície. O gerente de produto também é um contador de histórias, narrador de uma história através das escolhas de design, identidade de marca e interações do usuário. O produto se torna uma crônica viva, evoluindo ao longo do tempo e se adaptando às necessidades em constante mudança de seu público.

Neste ambiente criativo, as restrições estão presentes, mas o gerente de produto as abraça como desafios artísticos. Os limites de tempo, orçamento e recursos se tornam parâmetros que adicionam nuances interessantes à paleta de cores do processo criativo.

Embora os objetivos do gerente de produto estejam enraizados na realidade comercial, a abordagem artística da gestão de produtos transparece através da atenção aos detalhes, da busca constante pela inovação e da busca por uma conexão emocional com o usuário.

Neste espaço onde funcionalidade e estética convergem, o gerente de produto incorpora um criador que, através do design de produtos, tenta transcender a simples utilidade para criar experiências memoráveis.

Renault e Jean-Michel Jarre embaixadores da “French touch”?

Assim, essa iniciativa, apresentada durante a Semaine du Son da UNESCO, destaca (ou musicaliza?) a necessidade de não esquecer a experiência sonora nos produtos que oferecemos. O carro é um exemplo edificante. E neste campo há várias coisas a serem feitas: em nossas cidades, nossas casas, nossos escritórios, em resumo, em nosso cotidiano.

Fonte: Product-manager.paris/

Views: 35