JEAN-MICHEL JARRE NO FRANCOFOLIES DE LA ROCHELLE 2024: “SONHO EM SER COMO UM CAVALO DE TROIA DA CULTURA”

Jean-Michel Jarre, aqui no dia 12 de maio de 2024 no festival Starmus em Bratislava, anuncia um show de duas horas para o encerramento do Francofolies de La Rochelle. © Tomas Kika

De férias em Gassin, comuna francesa na região administrativa da Provença-Alpes-Costa Azul, no departamento de Var, com vista para Saint-Tropez, Jean-Michel Jarre, que encerrará o 40º Francofolies de La Rochelle (10-14 de julho de 2024), concedeu uma longa entrevista ao “Sud Ouest” (terceiro maior jornal regional na França em termos de circulação). Mais de uma hora de entrevista que poderia ter durado o dobro, já que o lionês, de 75 anos, aproveitou o tempo para se aprofundar nas respostas. Sobre seu concerto em La Rochelle, atualmente em preparação, é claro, mas também, e acima de tudo, sobre o lugar da arte em nossas vidas, o papel da cultura no equilíbrio político mundial e as dúvidas que acompanham as revoluções tecnológicas em nossas vidas. Um discurso comprometido, poderoso, tranquilizador e jubiloso que transcende a arte tanto quanto a ancora entre os valores a serem protegidos a todo custo. Como um “cavalo de Tróia” da emoção.

01/06/2024 | Por: Pierre-Emmanuel Cherpentier

Em menos de dois meses você estará no palco do Francofolies para o encerramento de uma edição excepcional. Você está no meio dos ensaios para esse show?

“Acabo de regressar de Bratislava, na Eslováquia, onde ofereci, no âmbito do festival Starmus, um concerto gratuito com Brian May perante 100.000 pessoas. Foi incrível. Em breve, estes espetáculos perante grandes multidões, como pude fazer no passado na Place de la Concorde ou em Paris La Défense serão bem raros porque são muito complicados de organizar, com muitos requisitos de segurança. Ainda estou um pouco animado com esse festival completamente maluco criado há sete anos pelo físico e teórico Stephen Hawking. É um evento que mistura muitas coisas, que reúne os maiores cientistas do mundo, ganhadores do Prêmio Nobel, empresários privados… É um encontro extraordinário que este ano foi presidido pela antropóloga inglesa Jane Goodall. Peter Gabriel também estava presente. São encontros que nos encorajam a pensar de forma diferente para garantir e preservar o futuro do nosso planeta.”

E isso inspirou você para sua criação em La Rochelle?

“O que ali apresentei não será reproduzido em La Rochelle, mas de certa forma serviu de pontapé inicial para mim. Foi ainda mais do que um ensaio. Desenhei os visuais, reorganizei meus grandes clássicos como Oxygene, Zoolook ou Equinoxe. Para falar a verdade, ainda não comecei a trabalhar nesse programa, mas tenho uma ideia muito clara do que vou fazer. Vai ser muito gráfico, haverá algumas exclusividades, uma colaboração com Zaho de Sagazan, provavelmente também com o grupo Phoenix e o cantor Hervé, de quem gosto muito…”

Muitos de seus concertos duraram bem mais de duas horas, às vezes até muito mais. No mundo atual dos festivais, onde tudo é cronometrado como um relógio suíço, qual formato você irá propor?

“O que posso garantir é que o concerto terá duração de duas horas. Gérard Pont e Pierre Pauly [respectivamente presidente e programador dos Francos]  foram ótimos. Eles não colocaram um limite de tempo para mim.”

Como tem feito desde o início de sua carreira, você está sempre em busca de novos experimentos tecnológicos, novos formatos… Por exemplo, você propôs concertos no Metaverso… Será este o futuro ou é uma simples experiência?

“Fiquem tranquilos, não tenho intenção de abandonar os concertos ombro a ombro. Estes são tempos maravilhosos para os artistas e para o público. Mas não devemos ter medo, nem da Inteligência Artificial e nem do Metaverso, que defino como uma extensão do mundo real. Podemos ver nisso um lado distópico, um abandono da realidade, mas quando pensamos nisso, o primeiro Metaverso é o livro. É nada mais nada menos que mais um acesso ao sonho que vai um passo além, mesmo que ainda estejamos na pré-história desta tecnologia. Graças a estes mundos virtuais, podemos agora criar cenografias que seriam impossíveis de oferecer na vida real. Se eu não fosse músico provavelmente teria sido arquiteto, então imagine a adrenalina que isso pode gerar… Podemos explorar todos os campos de possibilidades e ainda por cima convidar todos a se beneficiarem. Assim foi o caso do meu concerto virtual na Catedral de Notre-Dame em Paris. E então, sempre pensei que recusar a inovação prejudicava o processo criativo. O que teria feito o ser humano se tivesse recusado o fogo, se tivesse desistido do cinema ou do trem? Lembremos que o trem assustou a todos, que os médicos alertavam a população sobre os riscos para a retina causados ​​pela rápida e inédita rolagem das paisagens… Mas atenção, se essas experiências aumentadas são emocionantes, é preciso estar muito vigilante para não ser ingênuo.”

Que salvaguardas devemos implementar? E como devemos nos proteger de sermos ingênuos?

“Trata-se de manter o controle do nosso conteúdo, manter o controle das plataformas de distribuição. Quando fiz meu primeiro concerto virtual na Covid, foi uma empresa americana que fez a transmissão. Tudo correu bem, e 75 milhões de pessoas puderam ver o show…Mas temos que tomar cuidado para não sermos engolidos pelos americanos, chineses ou outros. A França e a Europa precisam ser muito ativas nessa questão para garantir que nossas criações e nossa exceção cultural não sejam engolidas. Há um risco real de nos tornarmos colonizadores digitais se não aceitarmos esse desafio. Se não começarmos a estabelecer as bases da soberania hoje para promover nossas culturas e nossa visão de mundo, poderemos sofrer consequências econômicas desastrosas e o risco de censura. O outro perigo é que, a longo prazo, não poderemos mais distribuir nossas criações de forma satisfatória porque elas não corresponderão aos formatos de plataformas sobre as quais não temos controle. Em resumo, não quero que nosso trabalho fique parado em nossas chaminés.”

O produtor, compositor e arranjador Bertrand Burgalat descreve você como “um ser imune à nostalgia”. Ele acertou em cheio quando disse isso?

“Eu não sabia que Bertrand, que é alguém de quem gosto muito, tinha dito isso sobre mim. Eu não concordo completamente com ele. Nos textos que escrevi para Christophe como ‘Les Mots Bleus’, ‘Le Dernier des Bevilacqua’ ou ‘La Dolce Vita’, ou certas canções para Françoise Hardy, estou totalmente nostálgico. Na verdade, adoro esse estado de espírito. Gosto de recordar o meu primeiro jogo de futebol, o meu primeiro filme visto no cinema, estes primeiros tempos que são momentos de eternidade. Mas entendo o que Bertrand quis dizer, porque não sinto nostalgia do que faço pessoalmente. Quando está feito, está feito, gosto dos pontuais, dos momentos em que você coloca tudo na mesa, do risco final, sem rede, do encanto da atuação sem uma segunda chance possível, é isso que me faz vibrar. Questionar constantemente, tomar direções 360°, isso é realmente o que eu gosto. Acho que vem da minha mãe que foi capturada três vezes pelos nazistas e que sempre teve dentro dela esse instinto de sobrevivência, de se recuperar.”

Há alguns anos, um boato persistente apresentava-o como um possível sucessor de Franck Riester como Ministro da Cultura. O que você acha disso?

“Não, não. Sou artista, e ministro realmente não é meu trabalho, não foi feito para mim e não me interessa em nada. Por outro lado, todos temos deveres políticos no sentido grego da palavra, mas acredito que tenho muito mais poder sendo livre com meus projetos de concertos na Amazônia, no Brasil, ou evocando o Metaverso… Sou contra boicotes e quando fiz um concerto na China pós-Mao, que estava sendo alvo de críticas de muitas pessoas na época, fiz um ato político. Esta é a minha forma de lutar contra a exclusão. Oponho-me a privar de cultura pessoas que já sofrem muito. Em alguns países, é um golpe duplo porque ninguém vai lá. Sonho um dia ir realizar um concerto na Coreia do Norte ou no Irã, agitar as coisas, ser como um cavalo de Tróia da cultura, da arte. Nunca devemos confundir uma ideologia e um povo. Também herdei isso da minha mãe, que me disse tanto para nunca odiar os alemães, apesar do que os nazistas fizeram com ela.”

A França é há muitos anos referência mundial na música eletrônica. Mas antes de sua chegada ao cenário internacional, o país era sobretudo um país de cantores com letras. Como você explica essa mudança?

“Minha resposta é que os dois países que inventaram essa música foram a França e a Alemanha, principalmente por meio de Pierre Henry, Pierre Schaeffer e do grupo Kraftwerk. Sempre houve gênios que faziam ajustes em nosso país. Os Estados Unidos revolucionaram a música ao inventar o blues, os ingleses inventaram o rock progressivo… Temos total legitimidade no eletro, é a nossa revolução. É uma revolução ainda mais interessante porque é diferente de outras formas de música, pois continua a existir no ‘underground’, enquanto as principais tendências musicais sempre acabam no ‘establishment’.”

De quem você gosta nesta nova cena francesa?

“Eu amo Thylacine ou Molécule. Eles têm uma forte ligação com as gerações anteriores das quais faço parte.”

Fonte: Sud Ouest

Views: 66