JEAN-MICHEL JARRE, COMPOSITOR CONECTADO

75 milhões de pessoas assistiram ao seu concerto digital, em uma Notre-Dame praticamente reconstruída.

Jornal Le Figaro – França – 19/01/2021 | Por Claire Bommelaer | Foto: François Bouchon

A porta se abre e Jean-Michel Jarre usando tênis, óculos escuros e com aparência de um jovem premier, aparece no limiar. Em 31 de dezembro, 75 milhões de pessoas assistiram ao concerto virtual, com o seu avatar numa Notre-Dame virtualmente reconstruída. Na verdade, Jarre não está tão longe do seu avatar: ele tem a mesma energia e a mesma figura. 75 milhões, mesmo durante o confinamento obrigatório, e mesmo considerando o poder das redes sociais, não é um feito pequeno.′′Foi surreal e muito poético imaginar esta comunidade global isolada mas conectada durante o espetáculo” , diz o compositor. O sucesso deu ′′outra imagem da Catedral e de seus mistérios′′ e também deu asas ao Monsenhor Patrick Chauvet, reitor da Notre-Dame de Paris, e um pouco suspeito de ser um fã de música eletrônica. Não se engane: você teve que ser Jean-Michel Jarre para poder assumir a manopla deste Réveillon digital.

Aos 72 anos, o compositor é um dos poucos artistas franceses que conseguiu conjugar a reputação global com a maestria dos grandes espetáculos. Cento e cinquenta pessoas trabalharam durante três meses no projeto de Notre-Dame, intitulado Welcome to the Other Side. Filho de France Pejot, uma lutadora da resistência francesa, e do grande compositor Maurice Jarre – com quem teve relacionamentos dolorosos e complicados durante toda a sua vida – Jean-Michel Jarre começou ajustando sons na cozinha da família. Perseverante, curioso e, sobretudo, engenhoso, ele começou como letrista, especialmente para Christophe (Les Mots Bleues, Les Paradis Perdus) e Patrick Juvet (Où Sont Les Femmes? ). Antes de tomar a direção contrária dos seus primórdios, uma vez que ele fez toda a sua carreira graças a composições instrumentais.

Capaz de se calar por dias e noites para encontrar o som certo, ele nunca para de levar a técnica mais além a serviço da melodia. ′′Não se deve ter medo do progresso. Na época dos irmãos Lumière, foi dito que o cinema iria substituir o teatro. No final, fez com que o teatro se tornasse mais forte”. Em 1976 lançou Oxygène, um álbum cujo sucesso foi esmagador e deu-lhe, aos 28 anos, os meios para alcançar as suas ambições. No topo das paradas, ele foi convidado pelo então Presidente francês Valéry Giscard d’Estaing a realizar um grande concerto gratuito na Place de la Concorde, em 14 de julho de 1979. Câmeras de TV, que transmitiram na Eurovision, multiplicaram os close-ups dos vários teclados, no auge da tecnologia da época. O concerto atraiu um milhão de pessoas – incluindo Mick Jagger, que não estragou nada.

Dois anos depois, Jean-Michel Jarre foi o primeiro artista estrangeiro do gênero a ser convidado a tocar na China realizando cinco concertos. Os álbuns e as grandes performances seguiram uns aos outros: base da NASA em Houston, Universidade de Moscou na Rússia (ele se recusou a tocar na Praça Vermelha, para espanto das autoridades), Arche de La Défense, docas abandonadas na Inglaterra, Pirâmides de Giza… As performances são tão desproporcionais quanto os cenários em que ocorrem.

O público francês segue o tecladista, como um primo distante que tem sucesso e de quem temos orgulho. A sua vida amorosa, cheia de reviravoltas, alimenta a imaginação. Em quatro décadas, ele se envolveu com Charlotte Rampling (durante vinte anos), Isabelle Adjani e Anne Parillaud, antes de se casar com a estrela chinesa Gong Li, sua atual esposa. A sua longevidade, interrompida por um buraco negro na década de 1990, passou a ser lembrada. Quarenta anos após o lançamento de seu primeiro sucesso, todos nós temos algo de Jarre. Todo mundo o conhece e Jarre conhece todo mundo. Ele se tornou uma espécie de embaixador da cultura francesa, onde os governos procuram representar uma França positiva.

Quando, em 2018, Emmanuel Macron decidiu se aproximar da Arábia Saudita que, aos poucos, caminha para a abertura, foi a ele que o Presidente da República fez o pedido para se apresentar no deserto de Al-Ula. No local, o compositor exigiu (e conseguiu) que o público fosse misturado. “A cultura é um cavalo de Tróia para a democracia”, insiste perante todos aqueles que o acusam de tocar para regimes autoritários. Em julho de 2020, o Palais de l’Élysée (residência oficial do presidente da República Francesa) o convidou para substituir Franck Riester no Ministério da Cultura – convite que foi recusado, estimando que nenhum deles não tivesse “senso político” suficiente. Com um forte talento para a comunicação, esse ferrenho defensor dos direitos autorais poderia não ter sido um mau ministro. Nesses tempos de confinamento mundial, Jean-Michel Jarre está mais parisiense do que nunca. Da janela de sua grande sala de estar, ele avista o Théâtre des Champs-Élysées, cujas portas estão fechadas há meses. Ele poderia se desesperar, mas não é seu estilo. “A crise atual é propícia à mudança e ao surgimento de novas formas de criação”, disse ele. Depois de Notre-Dame, por que não imaginar um show virtual em Marte reconstituído, ele questiona em forma de piada. Amanhã é mais um dia para quem acredita no futuro.

Fonte: Le Figaro