EM ENTREVISTA PARA AGÊNCIA DE IMPRENSA ESLOVACA, JARRE FALA SOBRE STARMUS, INFLUÊNCIAS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Eslováquia – 24/04/2024 | Por: Milan Csaplár

De 12 a 17 de maio, Bratislava, capital da Eslováquia, acolherá a sétima edição do festival Starmus, um evento anual e internacional que celebra a astronomia, a música, a arte e as ciências naturais. Foi uma iniciativa do astrofísico Garik Israelense e do guitarrista da banda Queen, Sir Brian May um brilhante Doutor em Astrofísica.

O festival reúne ganhadores do Nobel, cientistas, artistas e músicos de ponta para inspirar e educar o público sobre a importância da ciência e da exploração espacial. Um dos objetivos é chamar fortemente a atenção para a fragilidade do nosso planeta e a ameaça que representa as alterações climáticas. A programação inclui ainda a entrega da Medalha Stephen Hawking.

A abertura do festival será no domingo, dia 12 de maio, com um concerto denominado Bridge from the Future. Será organizado pelo multi-instrumentista francês e lenda da música sintetizada Jean-Michel Jarre. O concerto será realizado perto da Ponte SNP, do Centro de Exposições Incheba e da Torre Aupak.

Brian May também se apresentará no palco com Jarre. Será provavelmente o maior concerto da história da Eslováquia, repleto de efeitos de luzes e da conhecida música instrumental de Jarre, que muitos moradores e visitantes de Bratislava poderão testemunhar e ouvir. O concerto será transmitido ao vivo pela RTVS e pelo canal oficial de Jean-Michel Jarre no YouTube.

Jean-Michel Jarre é considerado o “pai da música eletrônica”. É conhecido principalmente pelos concertos gigantescos repletos de efeitos de luzes e pirotecnia sincronizados com sua música cósmica. Ele quebrou seu próprio recorde de número de público três vezes consecutivas. A última foi em Moscou no dia 6 de setembro de 1997, que foi visto por 3,5 milhões de pessoas.

Na Eslováquia, Jarre já realizou quatro concertos indoors em Bratislava e Košice: dois em novembro de 2008, pela Oxygene 30º Anniversary Tour, um pela turnê 2010 no mês de maio de 2010, e o último em novembro de 2016 pela Electronica Tour, sempre com salas lotadas. Milan Csaplár conversou com ele sobre o próximo show.

Arte de como será o palco do concerto de Jean-Michel Jarre, que será realizado no dia 12 de maio em Bratislava

Bem-vindo a Bratislava, Sr. Jarre. Não são apenas os fãs que se perguntam. Por que seus álbuns têm nomes científicos ou históricos como Oxygene, Equinoxe, Metamorphoses. Existe um propósito por trás disso?

“Sim, sempre considerei isso. Quando você não está fazendo música com letras, mas sim música instrumental que é apenas música, às vezes é um pouco artificial criar títulos apenas por fazer. Sempre abordei cada álbum quase como um livro, como um romance. E gosto da ideia de que existe um título geral que capta todo o clima do álbum e onde cada parte é um capítulo separado.”

O fenômeno dos últimos anos é a Inteligência Artificial. Ajuda em muitos campos como medicina, química, física e principalmente na arte. E talvez no futuro, a IA crie ótimas músicas para os ouvintes. Você acha que os artistas perderão a criatividade no futuro? Poderá ocorrer uma mudança impulsionada pela tecnologia?

“Eu não penso assim. Acho que a tecnologia dita o estilo. Quero dizer, e já disse isso antes – porque inventamos o violino, fazemos música com ele. Porque inventamos a câmera, temos Tarantino, Godard ou Fritz Lang. E porque inventamos os sintetizadores, pessoas como eu fazem a música que fazemos. Então eu realmente não acho que a tecnologia vá nos mudar. Cada geração desenvolve seu próprio estilo graças às novas ferramentas de que dispomos. Hoje e amanhã teremos IA e obviamente a IA será uma grande mudança na forma como fazemos música e arte, tal como a eletricidade fez uma grande mudança para os músicos e qualquer tipo de arte.”

Mas também pode haver uma diferença entre tecnologia e pessoas. A tecnologia carece de emoção. Anos atrás você postou um status nas redes sociais sobre uma estátua de Ludwig van Beethoven que você tem e que te inspira. Você acha que a verdadeira arte também inspira a tecnologia ou a tecnologia nunca alcançará as emoções que temos como humanos?

“Isso é um grande mal-entendido porque a tecnologia não cria emoções. As ferramentas não criam emoções. É a mão do artista que usa o pincel, o martelo ou o computador. Portanto, a tecnologia é a ferramenta. E a armadilha hoje em dia é pensar que a tecnologia pode ser a solução para criar emoções. Você cria emoções como artista. E também com a IA que irei demonstrar no próximo mês em Bratislava, na verdade usei-a para criar todos os gráficos e foi uma expansão fantástica da minha imaginação. Mas ainda assim, é completamente meu estilo e o que eu queria criar. É algo muito específico e acho que as pessoas verão que não se parece com nada mais, porque estava sob meu controle de A a Z.”

Estamos a falar de ciência, porque o Starmus é um grande festival sobre ciência, mas também sobre artistas. Você conheceu muitas pessoas famosas, como Jacques Cousteau ou Arthur C. Clarke. Eu sei que você era um grande fã e amigo de Arthur C. Clarke. Essas pessoas inspiraram você?

“Claro. As pessoas que você mencionou, como Arthur C. Clarke, tiveram uma influência significativa no meu trabalho. Acho que 2001 – Uma Odisseia no Espaço foi minha principal fonte de inspiração. E também no sentido que você mencionou, Jacques Yves Cousteau. Acho que você sabe que dediquei a ele o álbum Waiting for Cousteau. Também dediquei a ele um concerto em Paris, porque estou envolvido na área de meio ambiente desde o álbum Oxygene. Estou muito envolvido com questões ambientais, então é claro que essas pessoas incríveis foram uma fonte maravilhosa de inspiração.”

Talvez a melhor inspiração tenha vindo do seu avô André, que também foi inventor.

“Isso mesmo, ele era um inventor. Ele criou muitas coisas que tiveram um impacto muito grande em mim.”

Voltemos ao concerto em Bratislava. Você vem atuando há muitos anos. Vamos falar daquele de 1979 na Place de la Concorde. Qual será a diferença entre o concerto em Bratislava e os concertos anteriores que você fez em outros lugares do mundo?

“O interessante é que este concerto em Bratislava poderá ser o último do gênero. Não falo de mim agora. Mas depois da Covid, penso que o paradigma mudou. Os grandes concertos que fiz no passado, como em Houston, na China, nas pirâmides, estão a tornar-se mais difíceis de se organizar por muitas razões, como de segurança. E é na verdade uma oportunidade fantástica para fazer aqui em Bratislava, no coração da Europa, também para promover a ideia de nossos valores. Temos valores europeus específicos em termos de visão, inovação… Eu disse ontem na entrevista coletiva que descobri o primeiro carro voador… sabe, quando eu era criança, sonhei com um carro voador, que eu poderia voar e farei isso amanhã de manhã. Então você sabe, é fantástico aqui neste país, na Eslováquia. É um país pequeno, mas também é como o coração da Europa, como se o seu próprio coração fosse pequeno no seu corpo, mas claro que é muito importante e necessário. Penso que é uma oportunidade fantástica abrir um festival que une todas essas mentes fantásticas, prêmios Nobel e todas essas pessoas, para poder unir forças e tentar enviar uma mensagem que seja universal, mas que venha do coração da Europa, o que é muito importante para mim.”

No show você estará no palco com o famoso Brian May – guitarrista, cientista e astrônomo. Vocês são bons amigos há muitos anos. Uma pergunta muito simples: quando vocês se encontram, vocês falam sobre música ou sobre astronomia e física?

“As vezes estamos falando de outras coisas. Das nossas vidas, do que é importante, mas claro que voltaremos muito rapidamente à música e também ao espaço, porque a astrofísica está ligada ao espaço, o que é muito importante e muito interessante porque este festival Starmus é na verdade dedicado ao espaço e às pessoas que exploram o espaço. E esta edição do festival é muito especial porque na verdade diz: Ok, agora é hora do universo olhar para nós. Essa é uma ideia que tive de não ter uma ponte para o futuro, mas uma ponte a partir do futuro. É fascinante que na verdade todas as descobertas da ciência, todas as formas de arte já existam no futuro. Só que não sabemos sobre isso. Portanto, quando os humanos inventaram a eletricidade ou quando inventamos a IA, ela já existe no futuro. Nós simplesmente não sabemos sobre isso. Então é isso que me agrada na ideia de que arte, música e ciência estão bastante próximas. E claro que é um verdadeiro prazer receber Brian May como músico e como astrofísico ou físico, mas também como cidadão do mundo. E é isso que gostamos de fazer, unir forças e enviar esse tipo de mensagem.”

Sim, isso é muito importante.

“E vocês sabem, o que também é importante é fazer um concerto como ‘open air’, um evento cívico, gratuito, aberto a todos. Acho que nestes tempos é muito importante voltar ao que significa tocar, fazer música. Não é um gueto. Não é uma elite. É como ciência. Acho que todo esse festival e a visão científica está aberta a todos. E esse é um aspecto muito importante deste projeto. Remova outra barreira. Concerto ao ar livre gratuito, que será um evento cívico aberto a todos. E este concerto já pertence à cidade, pertence à Eslováquia.”

Eu sei que muitos fãs virão ao seu show não só da Eslováquia ou da Europa Central, mas também dos EUA, Chile e de muitos outros países. Portanto, será um grande evento e esperamos que este concerto seja um dos melhores.

“Acho que para mim será um dos projetos mais ambiciosos em que estive envolvido, porque como você sabe, estou cada vez mais envolvido também no design do palco e nos gráficos. Mas desta vez eu realmente estou considerando tudo: a arquitetura, como fiz anteriormente, mas também todos os gráficos. E também revisitei inteiramente todos os meus clássicos, não remixando numa espécie de ‘dance floor’, mas na verdade sendo fiel às versões originais, tornando-as um pouco mais orgânicas, mas sendo realmente fiel às versões originais. Eu acho que os fãs vão gostar. Agora estou realmente trabalhando cada vez mais mixando e masterizando, tentando realmente criar também esse tipo de aspecto orgânico que eu amo tanto na música eletrônica. A música eletrônica não morreu. Na verdade, é algo que pode ser muito animado como a música clássica. E a música clássica depende das emoções, depende do maestro. Então estou tentando melhorar minha posição como regente da minha própria música eletrônica.”

Sim. É verdade que o som é algo que pode tocar o bebê quando a mulher ainda está grávida. O som é a primeira coisa que chega a uma criança.

“Exatamente. Acho que o som é envolvente. Fala-se muito sobre Realidade Virtual, sobre videogames, sobre Metaverso. Todo mundo fala sobre recursos visuais. Mas sabemos que o espaço visual tem 140° e o espaço de áudio tem 360°. Então, na verdade, é bastante um paradoxo. Durante séculos as pessoas tiveram uma relação frontal, compositores como nós, uma relação frontal com a música. Quando você está compondo para uma orquestra, você vê a orquestra na sua frente. Tem na sua frente uma espécie de relação 2D plana com o som. Mas diariamente, os sons estão em volta da sua cabeça. E isso é outro sinal de que a tecnologia pode nos oferecer possibilidades que não tínhamos antes. Ter a capacidade de compor em um espaço de 360°, o que fiz com meu último álbum Oxymore, que desenvolvi desde o início em 360°, que foi algo completamente diferente, que, como a IA, criará novos gêneros, como o hip hop, rock e o techno de amanhã.”

Última pergunta: vocês vão preparar algumas músicas novas para esse show?

“(Shhh) Surpresa.”

Assista a íntegra da entrevista abaixo:

Fonte: sita.sk

Views: 31