EQUINOXE INFINITY : JARRE COMENTA FAIXA A FAIXA E MAKING OF

No site oficial de Jean Michel Jarre, o artista postou comentários sobre cada uma das 10 faixas, separadas em movimentos do “Equinoxe Infinity”. Conheça uma a uma.

 

MOVIMENT  1 –  THE WATCHERS

(Os vigilantes)

” ‘The Watchers’ é a abertura do álbum. A faixa simboliza essas criaturas que certamente podem parecer familiares para algumas pessoas. Eles estavam olhando para nós na capa do primeiro álbum “Equinoxe”. Neste movimento do novo álbum eles estão reaparecendo e nós ainda não sabemos o que eles são. Agora eles se levantam novamente e descobrimos que eles podem ser de um passado muito antigo, frio e molhado … Mas eles também são atemporais e podemos sentir que eles ainda poderiam estar aqui depois de termos ido embora. A faixa é como a primeira cena de um filme em que ainda não sabemos como vai acabar.”

 

MOVIMENT  2 – FLYING TOTEMS

(Totens voadores)

” ‘Flying Totems’, estão ligados de alguma forma com o que chamamos de círculos das plantações, esses sinais misteriosos que foram encontrados na América do Sul e em algumas outras partes da Terra ou debaixo d’água, esses desenhos muito grandes em campos ou no oceano profundo, que você só pode ver de cima. Claramente, ninguém nunca foi realmente capaz de descobrir se todos esses sinais foram realmente feitos por seres humanos. Os Vigilantes podem ter vindo do espaço exterior e podem estar ligados a esses sinais. Os Vigilantes da primeira capa estão quase parecendo as estátuas da Ilha de Páscoa. Eles se parecem com totens que as pessoas poderiam realmente adorar. Mas eles também podem ter vindo do espaço exterior. Então, em um ponto de sua existência, eles poderiam ter sido ‘totens voadores’.”

 

MOVIMENT  3 – ROBOTS DON’T CRY

(Robôs não choram)

“Eu amo ‘oxymorons’, feitos de duas palavras opostas, dois sentimentos opostos. Esta faixa é um espelho disso. Eu uso muito o Mellotron nesta peça, um instrumento tão bom, um dispositivo mecânico, mas com uma qualidade humana de realidade virtual, a composição soa como alguns restos de áudio do passado. Eu gravei essa faixa apenas uma vez, fiz tudo – a melodia e a faixa de ritmo – de uma só vez. Eu adoro a ideia de que a tecnologia pode fornecer emoção, mesmo que a tecnologia não esteja ligada à noção de que ela pode realmente fornecer emoção. Robôs ou Inteligência Artificial são apenas máquinas sem qualquer emoção contraditória até agora. Eles podem não ser capazes de trabalhar de forma tão eficiente se eles tiverem emoções. Mas quem sabe, um dia talvez, os Robôs experimentarão a nostalgia.”

 

MOVIMENT  4 – ALL THAT YOU LEAVE BEHIND

(Tudo que nós deixamos para trás)

Todos nós sabemos que qualquer ser humano freqüentemente pensa sobre o que ela ou ele vai deixar para trás, quando eles forem embora. Dependendo do ouvinte, isso pode ter um significado diferente. O que resta de nós? Crianças, objetos, invenções, erros, sonhos, caos, idéias ..? Também deixaremos para trás um planeta verde e azul limpo como na capa nº1 ou um inferno poluído criado por nós, como este homem de fumaça em um terno na capa n° 2? O que vamos deixar para o futuro a partir do século 21? Idéias e atos têm ressonância de uma geração para outra. As criaturas centrais neste projeto, os vigilantes, talvez estejam apenas observando que futuro estamos construindo ”.

 

MOVIMENT  5 – IF THE WIND COULD SPEAK

(Se o vento pudesse falar)

“Tecnologia e Música Eletrônica podem transmitir muito romance e muitos elementos poéticos. A diferença entre músicas com letra e música instrumental é que a música instrumental realmente se convida muito bem para o ouvinte, já que não está contando uma história específica. O ouvinte pode imaginar sua própria história, seu próprio filme em sua mente quando ouve música instrumental. A criatividade do ouvinte é muito bem-vinda. Neste movimento do álbum, a música é transportada pelo vento viajando através de alguns sons aquáticos caóticos em um caminho imaginário da esquerda para a direita. De onde vem e para onde vai? Se o vento pudesse falar ..”

 

MOVIMENT  6 – INFINITY

(Infinito)

“Com o ‘Infinity’, eu queria criar uma ponte, uma conexão com o primeiro álbum” Equinoxe “com uma música que fosse bastante alegre, assim como” Equinoxe Part 5 “. É fácil ficar sombrio, sempre achei que é sempre mais difícil criar músicas alegres que tivessem um certo tipo de melancolia oculta. Partes do primeiro álbum “Equinoxe” eram assim. Quando eu trabalhei nesta música, eu estava pensando sobre esses Vigilantes atemporais olhando para nós em um ambiente de realidade virtual, tentando sobreviver em um jogo de realidade virtual agitado, sem começo real e sem fim real, preso em um mundo do “infinito” ”

 

MOVIMENT  7 – MACHINES ARE LEARNING

(As máquinas estão aprendendo)

“As máquinas nos observam e estão aprendendo informações aleatórias sobre nós humanos, os restos de nossa história, de nossa tecnologia, linguagem e sonhos obsoletos. Para que finalidade? Nós ainda não sabemos …”

 

 

 

 

MOVIMENT  8 – THE OPENING

(A abertura)

“Eu compus pela primeira vez essa faixa para este álbum, antes de tocar no Coachella Festival no verão de 2018: eu pensei que essa peça seria uma excelente faixa de abertura para a minha apresentação no festival e para a turnê nos Estados Unidos. Na verdade, isso me levou a trabalhar na versão ao vivo antes de gravar a versão de estúdio com uma abordagem diferente. Então, ambas as peças estão relacionadas umas com as outras, mas não são exatamente as mesmas. Para o álbum de estúdio, voltei à minha ideia original, que é uma espécie de momento em que um enorme portão está se abrindo para alguma coisa e em algum outro lugar – Os vigilantes estão abrindo portas para territórios virgens, o futuro sendo um território virgem para nós. “The Opening”, nunca foi feito para ser a abertura para o álbum, mas como uma passagem para a próxima fase. ”

 

MOVIMENT  9 – DON’T LOOK BACK

(Não olhe para trás)

“Comecei esta peça com uma ideia bastante simples. Eu tinha em mente a imagem de viajar em uma estrada sem fim. Esta jornada pode durar uma vida inteira. Ele também transmite a ideia simples de ser capaz de deixar o passado para trás, a fim de construir o futuro, tendo aprendido com o passado. Depois de obter conhecimento do passado, você pode olhar para o futuro, não precisa olhar para trás. ”

 

 

MOVIMENT  10 – EQUINOXE INFINITY

(Equinócio Infinito)

“Quando recebi a Medalha Stephen Hawking no ano passado, o professor Hawking compartilhou comigo que acreditava que chegaria um momento em que teríamos que deixar a Terra para outro planeta, se quisermos sobreviver. Eu gosto da ideia de nos tornarmos ciganos do tempo e do espaço, nos mudando para outro lugar para sobreviver, deixando algumas informações de áudio atrás de nós em nosso caminho para encontrar um lugar para viver melhor noites e dias, em nosso caminho para encontrar o ‘equinócio infinito’.”

 

Além dela, abaixo podemos ver um making of do projeto:

 

 

 

Fonte: Jean Michel Jarre


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0