NOMEADO EMBAIXADOR DO PROJETO ‘FRANCE 2030’, JARRE FALA SOBRE O FUTURO DA MÚSICA

A tecnologia é o futuro da música? Como serão os shows em 2030? Por ocasião da ‎Fete de la Musique‎, Jean-Michel Jarre respondeu perguntas para o Canal do Governo Francês no YouTube nas instalações da Radio France.

A tecnologia e a música são inseparáveis nos dias de ​​hoje?

“A tecnologia sempre foi inseparável da música. É porque inventamos o violino que Vivaldi fez a música que ele fez. Inventamos o sintetizador e pessoas como eu e outros fazem a música que faço hoje. Então, de fato, há uma grande tendência a separar a tecnologia da cultura que estão intimamente ligadas.”

A tecnologia é o futuro da música?

“A tecnologia não é necessariamente o futuro da música, mas o futuro da música passará necessariamente por novas ferramentas tecnológicas que estão ao nosso alcance. E em particular tudo o que será o desenvolvimento da web 3.0, o desenvolvimento da Inteligência Artificial e depois, claro, o Metaverso e tudo relacionado à Realidade Virtual. O que inevitavelmente dará origem, como todas as grandes mudanças tecnológicas da história, a uma nova maneira de criar, compor, escrever música, produzir e distribuir.”

Você é Embaixador do ‘France 2030’. O que isso significa?

“A beleza do ‘France 2030’ é abranger todas as áreas ligadas à inovação: saúde, educação, formação, indústria e cultura. Ser Embaixador no campo da cultura significa fazer uma campanha ativa para transmitir a mensagem de que é urgente investir para alcançar e participar da soberania digital no campo do Metaverso, no campo de uma nuvem independente franco-europeia em que nós, criadores, poderemos nos expressar: criar museus virtuais, criar óperas, peças de teatro…”

Você foi um pioneiro na cenografia de shows. Como você acha que serão os concertos em 2030?

“Acho que estamos caminhando para modelos híbridos de expressão. Jamais substituiremos o prazer de estar ombro a ombro para vivermos um momento ao vivo, seja para um concerto, um festival, uma peça de teatro, etc. Mas, ao mesmo tempo, também podemos ter uma experiência real aumentada ao entrar em mundos virtuais, para também compartilhar momentos de emoção no meio de outros avatares, que são os representantes do público no muito real”.

Como tornar a indústria musical mais ecológica?

“Só poderemos sobreviver ao século XXI se conseguirmos viver e estabelecer uma ligação harmoniosa entre ecologia e tecnologia. É graças a tecnologia que conseguiremos melhorar para consumir menos energia. É absolutamente necessário, desde o início, induzir a dimensão ecológica no que vamos fazer com o que vamos criar.”

Os músicos franceses precisam ser treinados em novas tecnologias?

“Essas ferramentas tecnológicas que estão ao nosso alcance hoje devem nos ajudar a democratizar os modos de expressão. Vimos que com a Internet podíamos, enfim, gravar um álbum, compor, produzir e distribuir do nosso quarto. Seremos capazes de fazer a mesma coisa amanhã com um show. Algo que não poderíamos nem imaginar, mesmo que você tivesse todos os meios do mundo para fazer no mundo físico. Eu diria que a partir de hoje até o ‘France 2030’, nosso dever também será poder investir em projetos que levem em conta, as áreas de formação para que essa passagem possa acontecer.”

Para finalizar, uma mensagem para a Fête de la Musique :

“A Fête de la Musique atual está sendo exportada. É um sinal que vem de casa e podemos nos orgulhar disso. O que eu gosto mesmo é que não é reservada, não é um nicho. Não é reservada a especialistas. É feita para celebrar o fato de que qualquer um pode fazer música. Para os futuros criadores de música, hoje quero dizer que eles têm sorte. Temos sempre a sorte de estar no início de um grande momento de ruptura. Porque são tempos em que você pode abrir portas para territórios virgens, por definição, e se divertir inventando novos estilos musicais e se reinventando. Nos próximos anos, nos próximos meses, acho que vamos considerar o estéreo como consideramos hoje o gramofone dos nossos bisavós.

FRANCE 2030

Em 2021, o presidente francês Emmanuel Macron apresentou um plano de investimentos intitulado “France 2030”. É uma resposta aos grandes desafios do nosso tempo, em especial a transição ecológica, através de um plano maciço para apoiar as transições de setores de excelência, automotivo, aeronáutica e espaço. O plano segue 10 objetivos para entender, viver e produzir melhor na França até o ano de 2030:

Objetivo 1: Levar para a França pequenos e inovadores reatores nucleares com melhor gestão de resíduos. 1 bilhão de euros será investido até 2030.

Objetivo 2: Tornar a França líder em hidrogênio verde. Em 2030, a França terá pelo menos duas Gigafactories de eletrólises em seu solo e produzirá maciçamente hidrogênio e todas as tecnologias úteis para seu uso.

Objetivo 3: Descarbonização das indústrias. Redução das emissões de gases de efeito estufa em 35% em relação a 2015.

– Mais de 8 bilhões de euros serão investidos para alcançar esses três primeiros objetivos.

Objetivo 4: Produzir quase 2 milhões de veículos elétricos e híbridos.

Objetivo 5: Produzir a primeira aeronave de baixo carbono.

– Cerca de 4 bilhões de euros serão investidos nesses transportes do futuro.

Objetivo 6: Investimento de 2 bilhões de euros em alimentos saudáveis, sustentáveis e rastreáveis.

Objetivo 7: Produção de medicamentos contra cânceres e doenças crônicas (incluindo aquelas relacionadas à idade) e criação de dispositivos médicos do futuro.

Objetivo 8: Colocar a França novamente na vanguarda da produção de conteúdo cultural e criativo. Foram identificados 3 territórios estratégicos: o Arco Mediterrâneo, Île-de-France e Le Nord

Objetivo 9: Participação na nova aventura espacial.

Objetivo 10: Investimentos no fundo do mar.

Fonte: Governo Francês