EM ENTREVISTA PARA A REVISTA FORBES, JARRE FALA SOBRE A PARCERIA COM A RENAULT

O mundialmente famoso artista francês acaba de assinar uma parceria de três anos com a Renault para criar uma nova assinatura sonora. Um novo desafio para o engenheiro de som, que o vê como uma oportunidade de vincular a inovação à ecologia.

França – 21/06/2022|Por: Marie-Caroline Selmer

O que te atraiu nessa colaboração?

“Em primeiro lugar, a personalidade de Luca de Meo, diretor executivo da Renault, que, assim que chegou, soprou um novo fôlego na marca. Para ele, o som é um elemento essencial do automóvel, que faz parte dessa visão pop, muito ‘menos é mais’ do automóvel. Para um criador como eu, apaixonado pelo campo do som, o advento do carro elétrico é uma disrupção positiva muito interessante, na medida em que nos oferece uma tela branca formidável para enegrecer como quisermos.”

Como você abordou o desafio de fazer do carro um espaço privilegiado para viver experiências sonoras?

“Com uma reflexão global sobre o que o som de um carro elétrico deve ser, tanto do ponto de vista seguro quanto cultural. O que queremos oferecer como alternativa ao ruído de um motor a combustão? Esta é uma pergunta que estamos tentando responder, evitando cair no lado caricatural do carro elétrico, que emitiria sons dignos de uma nave espacial! E então, essa abordagem global para a experiência sonora nos leva a considerar como podemos usar esses tempos de carregamento recorrentes. Como preenchê-los de forma positiva para entretê-los ou informar o motorista e seus passageiros? Esse é o desafio.”

Pode nos contar sobre o projeto “Sonic Roads” no qual você está envolvido?

“A ideia deste serviço patenteado da Renault é oferecer uma trilha sonora ideal da viagem de acordo com os gostos musicais do motorista e os parâmetros contextuais da estrada, como lugares, paisagens, clima e hora do dia. Graças à tecnologia imersiva, Inteligência Artificial e geolocalização, o carro elétrico se torna um espaço para (re)conexão com o mundo exterior. Estamos realmente na ideia de personalizar o trajeto da viagem.”

Você assinou uma colaboração de três anos. Em que ritmo as inovações serão introduzidas?

“As primeiras aplicações já estão ativas desde que trabalhei com minha equipe de engenheiros nos equipamentos existentes do Mégane E-Tech (sistemas de áudio Harman Kardon) para projetar uma assinatura sonora da Renault. Rapidamente, iniciaremos as discussões para adaptar o hardware às nossas necessidades e integrar a dimensão sonora a montante do design do veículo, e não mais no final, como costuma acontecer. O viés a ser evitado quando se fala em experiência sonora é focar apenas no ‘high-end’ e depois rebaixar o equipamento para torná-lo mais acessível a outros segmentos de mercado. Por isso me parece importante inverter a lógica, começar pelos equipamentos básicos que serão aprimorados para torná-los ainda mais eficientes. Você pode influenciar o som de um veículo apenas mudando os locais, sem nenhum orçamento adicional. Seria uma pena se privar disso, certo?”

Fonte: Forbes