“NÃO SEJA PRECONCEITUOSO!”: JEAN-MICHEL JARRE FALA SOBRE LEGADO E VISÃO

O conselho de Jean-Michel Jarre aos jovens: "Sejam como uma esponja, absorvam tudo! E façam algo com isso!" (Foto: IMAGO/Bestimage)

O músico de 75 anos é uma das principais atrações do festival STARMUS deste ano em Bratislava. Músicos como o astrofísico e guitarrista do Queen, Sir Brian May, e a banda The Offspring estarão presentes, junto com outras celebridades da ciência, arte e da música. Astronautas, cosmonautas, ganhadores do Prêmio Nobel, cientistas e pesquisadores se deslocarão para a Eslováquia de 12 a 17 de maio. O objetivo do evento é alimentar o espírito de descoberta da próxima geração, inspirar os jovens e aumentar a consciência sobre as questões candentes do nosso tempo – crise climática, poluição, paz e sociedade. Jean-Michel Jarre falou sobre a sétima edição do festival, que trata da existência e do futuro do nosso planeta.

Alemanha – 09/05/2024 | Por: Sabine Oelmann

Jean-Michel, nos vimos pela última vez há seis anos. Estávamos em Massada, no deserto de Neguev, em Israel. É inimaginável que isso não seja possível no momento, certo?

“Isso é inacreditável. O único consolo é que um dia – espero – isso será possível novamente.”

O que o faz visitar os lugares mais fantásticos do mundo? Você não se apresenta apenas em uma arena ou salões, tem que ser em Versalhes ou no já mencionado concerto do Mar Morto. Ou como agora em Bratislava em frente à ponte UFO…

“(risos) Bem, já posso ser encontrado em estádios e salões, terminei recentemente minha turnê mundial. Mas ocasionalmente sou solicitado a assumir projetos muito específicos. E é claro que esse foi o caso de Massada. E agora em Bratislava para o festival Starmus.”

Masada pretendia chamar a atenção para o já muito seco Mar Morto.

Exatamente. Faz parte do artista ajudar quando surge a oportunidade. Se for possível chamar a atenção para uma questão que é realmente importante, então fá-lo-ei. No caso de Starmus e Bratislava, conheço os membros fundadores há 15 anos, alguns até há mais tempo. Eu estava sentado no meu camarim no Royal Albert Hall, o concerto havia terminado, quando alguém bateu na porta e me disseram que dois astrofísicos queriam falar comigo. Um era o Brian May e o outro era Garik Israelian, que inicialmente pensei que era um novo membro do Queen (risos). Mas ele é um dos cofundadores do Starmus.”

A iniciativa também partiu do lendário Stephen Hawking.

‘Exatamente. A ideia era reunir astrofísicos, cientistas, artistas e empresários a cada dois anos para pensar em como moldar o futuro do nosso mundo, além de todos os formatos políticos. Achei que era uma ideia muito boa e comecei a pensar em quem mais poderíamos chamar. Receber a Medalha Stephen Hawking em 2017 me encorajou ainda mais a pensar em como poderia me envolver.”

Porquê Bratislava?

“Bratislava simplesmente oferece muito: em primeiro lugar, um patrocinador chamado ESET, que é um dos maiores nomes da segurança cibernética. Estamos nos apresentando em frente à fantástica ponte UFO que atravessa o Danúbio. Este é um cenário impressionante para chamar a atenção para dirigir este evento onde diferentes pessoas podem encontrar-se, discutir e aprender umas com as outras. Também tivemos a sensação de que este tipo de evento já não poderia acontecer em Berlim, Nova Iorque, Paris ou Londres, e sim no coração da Europa. Então, por que não enviar um sinal ao mundo?”

O lema é “Ponte para o Futuro”. Por que é que as pessoas, especialmente os jovens, precisam de inspiração, particularmente neste momento, para ousarem olhar para o futuro?

“As pessoas pensam, quase como se estivesse ancorado no nosso DNA, que tudo costumava ser melhor. E amanhã tudo será pior. Mas isso não é verdade (risos). Se isso fosse verdade, nenhum de nós estaríamos sentados aqui juntos e conversando. Não deveríamos ter medo da inovação e do futuro. Eu realmente adoro esse lema ‘Ponte para o Futuro’ porque deixa muito claro que as ideias já estão lá, já existe. O que temos que fazer, porém, é descobrir essas coisas. Só temos que cavar, pesquisar, sermos curiosos e então sermos capazes de transportar ou interpretar essas descobertas.”

Só precisamos saber como e onde…

“Sim, parece um conceito novo, mas também já está dentro de nós. O futuro não é distópico e nem assustador. O futuro nos reserva todas as respostas – só precisamos encontrá-las.”

A amizade entre a França e a Alemanha é estável – afirmamos isso na última vez que nos vimos. Você ainda acredita nisso? E será que nós, que sempre pensamos que éramos centrais e, portanto, líderes, já não somos tão importantes?

“Em primeiro lugar, penso que nada mudou porque os nossos países, a Alemanha e a França, ainda estão intimamente ligados entre si. E a Europa continua a ser Europa. Temos uma certa ‘soberania cultural’ que não pode ser facilmente destruída. A base está aí. No entanto, é chegada a hora de trabalharmos na definição do nosso futuro. Nada permanece como está. Numa altura em que a China e os EUA são tão hostis entre si, é importante manter a cabeça fria na Europa. E por que não pensar maior do que antes? A Eslováquia é um país pequeno, mas bem no meio. É um bom lugar e um bom momento para recordar o que temos para oferecer na Europa: criadores, investigadores, cientistas. Se você quiser, estamos no limiar de um novo renascimento – um renascimento 3.0, talvez você possa assim chamá-lo. Temos o cérebro, os meios e o mercado. E chegamos ao agora ou nunca.”

Realmente nunca?

“Pelo menos seria melhor agirmos agora, caso contrário teremos realmente problemas. Um festival como este é ideal para divulgar os nossos valores e publicidade. Se unirmos forças e trabalharmos em conjunto com artistas, cientistas e empresários, ainda teremos uma oportunidade. Infelizmente, uma coisa ficou clara: os nossos políticos já não conseguem fazer muito progresso.”

Mas por que deveria chegar um alerta aos jovens que não venha da política nesse momento?

“Porque os jovens se afastaram da política. Não quero dizer que os políticos sejam pessoas más. Todo mundo que entra na política começa com ideais. Tem valores, ideias, quer mudar o mundo. E depois de já estar nisso há algum tempo, penso que se instala uma certa frustração. Não estão fazendo quaisquer progressos porque as autoridades estão a bloquear projetos, estão presos num pântano de burocracia. Bruxelas e o seu país de origem não estão cooperando – há muita coisa que não funciona.”

Atualmente temos mais áreas problemáticas no mundo do que no passado recente…

“Sim. Na Ucrânia e na Rússia, em muitos países africanos, Israel e a Palestina – para citar apenas alguns. Tudo isto bloqueia e impede o progresso político. É por isso que temos que pensar novamente. Artistas, cientistas e empresários podem fazer isso, ao contrário dos políticos, porque estão acostumados a sempre trilhar novos caminhos, imaginar algo, inventar algo ou pesquisar algo. Essa é a melhor coisa que podemos fazer pelos nossos jovens neste momento: dar uma indicação e convidá-los a pensar de forma diferente.”

Qual é a sua mensagem para os estudantes que, por exemplo, em Nova Iorque, Los Angeles, Paris ou Berlim, caçam estudantes judeus num campus, nem sequer os deixam entrar e querem expulsá-los e atacam-nos com slogans semitas? O que deu errado?

“Só tenho uma coisa que quero dizer a estes jovens – e como sabem, a minha mãe esteve na Resistência, por isso está no meu sangue. Ela sempre me disse que nunca se deve misturar pessoas e ideologia. O maior erro que não só os jovens cometem neste momento é misturar os dois. Os alemães não são nazistas em si e nem todos os russos amam Putin. E Netanyahu e os israelitas também não são uma combinação perfeita. Seria fatal juntar a linha política de Netanyahu, que precisa absolutamente ser discutida, e a da comunidade judaica, o que seria realmente ridículo. São extremistas que tentam manipular as pessoas e criar uma verdade que não existe. A propósito, você pode se rebelar contra um sistema, como sabemos. Mas se aceitarmos tudo, em breve estaremos à beira do genocídio.”

Voltando ao Festival Starmus, você já deu uma dica: as respostas estão aí, as soluções estão diante de nós, “apenas” temos que encontrá-las. Por favor, explique com mais detalhes o “apenas” de tudo isso.

“(risos) É por isso que estamos fazendo esse festival, é sobre isso que vai ser! Temos que pensar de forma diferente, de novas maneiras, fora dos caminhos tradicionais. O certo é que as coisas não podem continuar como estão agora. Como podemos mudar esta situação e como podemos evitar cair nas mesmas armadilhas que os nossos antecessores ou outros líderes de pensamento caíram? Porque, por exemplo, depende do resultado das próximas eleições ou temos que estar atentos ao desempenho na bolsa de valores. É por isso que usei anteriormente o exemplo do Renascimento: planear a longo prazo e pelo menos pensar a médio prazo.”

Isso se parece muito com o embaixador da UNESCO que você é já há três décadas…

“Sim, de todo o coração, porque lá existe há muito tempo essa mistura interdisciplinar: educação, ciência, cultura, assim como no Starmus. Três ingredientes com os quais você pode construir o futuro.”

Desde que me lembro, você tem sido um visionário, alguém aberto às tecnologias futuras. Quem seguirá seus passos?

“Ah, acho que tem alguns (risos). Está no DNA de um artista pensar no futuro. Um exemplo: 100 mil músicas são lançadas em todo o mundo todos os dias, mas sempre há surpresas. Há artistas que se destacam particularmente, embora todos tenhamos apenas o mesmo número de notas à nossa disposição.”

E por que isto?

“É porque essas pessoas provavelmente não segue as regras habituais. Essas pessoas têm suas próprias regras. E é exatamente disso que precisamos: criatividade! Isso leva a tais excursões além da amplitude habitual. Essas pessoas são importantes para nós porque o legado delas é o que nos faz seguir em frente. Se você der um passo fora do caminho normal, terá uma perspectiva completamente nova. Precisamos disso, algumas vezes.”

Alguns ganhadores do Prémio Nobel estarão presentes em Bratislava…

“Sim, e são justamente essas mulheres e homens que têm dentro de si uma certa ‘loucura’, que são diferentes, mais rápidos. Com estas qualidades eles podem inspirar outras pessoas e mudar o mundo.”

Existe esperança? Porque, de forma bastante realista – há algumas semanas você estava sentado em um carro aéreo, um carro que também pode voar, e não era um dos jovens artistas. Você vem dizendo há anos que gostaria de se apresentar na lua. Quais jovens artistas ainda têm sonhos visionários?

“Há esperança, sim. Mas temos que começar pela educação, independentemente do gênero. E assim por diante. É triste que o nível da nossa educação esteja continuamente a diminuir em vez de aumentar. No entanto, confio nos fãs que existem nas áreas da educação e dos negócios, bem como na ciência e na arte.”

Você também gostaria de ir para Marte?

“Absolutamente! Se for possível, entro imediatamente. Stephen Hawking disse uma vez: ‘Só poderemos sobreviver no futuro se compreendermos que a Terra é o nosso ponto de partida’. E sim, deveríamos continuar a explorar a nossa Terra, mas isso não impede de querer explorar o resto do nosso sistema planetário. Realisticamente, não poderemos viajar para Marte amanhã, mas talvez mais cedo do que pensamos.”

De onde você tira sua energia sem fim?

“É muito simples: tento abordar cada projeto como um iniciante. Ficar curioso, trabalhar como se estivesse fazendo pela primeira vez. Com respeito e também com um pouco de medo, se é que você pode chamar assim. O medo mantém você acordado.”

E é claro que a saúde tem que desempenhar um papel importante.

“Certo. E outro conselho aos jovens: sejam como uma esponja, absorvam tudo! Sejam como um ladrão! Peguem tudo que puder (risos), façam algo com isso! E acima de tudo: não tenham preconceitos!”

Fonte: n-tv.de/

Views: 53