LEIA A MATÉRIA DO “NEW YORK TIMES” SOBRE RENDEZ-VOUS HOUSTON

EUA|07/04/1986|Reportagem de Peter Applebome

SHOW DE LUZES E SOM EM UMA ESCALA ADEQUADA PARA HOUSTON

Barbara McGlory estava parada ao lado de seu carro estacionado no meio de uma rodovia de Houston, com sua sobrinha de 3 meses em seus braços e um olhar beatífico em seu rosto, enquanto observava o skyline de Houston transformado em um turbilhão de luzes na noite de sábado.

“Isso é lindo, pacífico, relaxante, difícil de acreditar”, disse ela ao se juntar à multidão de quase um milhão nas ruas, parques, colinas e pântanos a oeste do downtown da cidade. “Eu nunca esperei nada assim. É um grande acontecimento para Houston.”

Em tempos bons ou ruins, ninguém jamais acusou Houston de não pensar grande. Isso nunca foi mais verdadeiro do que na noite anterior, quando o compositor francês Jean-Michel Jarre, criou música eletrônica em um sintetizador, para acompanhar luzes, lasers e fogos de artifício gerados por computador que paralisaram quase toda a cidade.

Um tributo de aniversário

A noite, conhecida como Rendez-Vous Houston – A City in Concert, foi projetada como um tributo ao 150º aniversário de Houston e ao 25º aniversário da NASA.

Foi um pouco do passado e do presente com imagens do Velho Oeste e da era espacial projetadas em uma lona de 100 por 50 metros pendurada na torre do Heritage Plaza.

Mas, acima de tudo, serviu como uma afirmação espetacular, quase desafiadora, do vigor histórico da cidade em face dos tempos difíceis.

“Isso foi inacreditável”, disse Jarre, um compositor de 37 anos que produziu épicos semelhantes em Paris e na China. “Parte da imprensa tem dito que Houston não está em boa fase. Não senti nada disso esta noite.”

Jarre foi convidado no ano passado para montar um show no Houston Festival, um evento anual de artes de 10 dias da cidade. Ele disse que quando viu o skyline de Houston pela primeira vez, viu “um anfiteatro futurista” com potencial para um evento único.

Palco e artistas também

O resultado foi um show de luzes e som de US$ 2 milhões, usando as torres angulares do skyline de Houston como palco. Essas torres foram os verdadeiros artistas da apresentação.

“Esta foi a chance de uma vida”, disse ele. “As pessoas me perguntavam: ‘Por que Houston?’ Quem pergunta nunca foi a Houston. A primeira vez que vi o skyline, percebi que era o lugar ideal para unir arte e tecnologia em um show ao ar livre.”

Dois mil projetores, holofotes brilhantes que rastreavam o céu irradiados do topo de oito arranha-céus e quatro lasers poderosos faziam parte dos US$ 5 milhões em equipamentos usados ​​para iluminar o céu e os 11 prédios que formam um plano sólido na extremidade oeste do downtown. Contra o skyline, o compositor executou sua música, que foi captada e transmitida ao vivo via FM.

Elas escolheram seus lugares à tarde

As pessoas começaram a se infiltrar na área de exibição no início da tarde para assistir ao show que começou às 20 horas. Elas chegavam de todos os modos: carros, ônibus, skate, patins… No momento em que o show começou, o tráfego foi interrompido por quilômetros. As pessoas saíram de seus carros e ficaram boquiabertas com o show de luzes, enquanto seus rádios transmitiam o evento.

“Eu sou do Texas, mas nunca vi nada assim tão grande”, disse John Cox, de Austin, que estava em uma colina de frente para o palco e ouvia o show em um rádio amarelo brilhante da Sony ao mesmo tempo em que estava ouvindo a coisa real.

No século 20

Mas, além da agitação tecnológica, o show teve um conteúdo emocional claro. Progrediu das imagens tradicionais do Texas e símbolos de gado para o mundo da tecnologia, terminando com uma homenagem às viagens espaciais.

Ronald E. McNair, um dos sete astronautas que morreram na explosão do ônibus espacial Challenger, havia sido escalado para oferecer um solo de saxofone durante a apresentação. Jarre escreveu uma parte do concerto, ”Last Rendez-Vous (Ron’s Piece)”, para homenagear McNair, e foi um dos destaques da noite.

“Se Ron estivesse vivo, ele teria apreciado muito isso”, disse o cunhado de McNair, Dennis Moore, que compareceu ao evento. “Tudo isso foi uma faísca em sua vida. Este foi um evento incrível.”

Fonte: New York Times