JEAN-MICHEL JARRE: “TEMOS QUE NOS PREPARAR PARA CONQUISTAR OUTROS PLANETAS”

O pioneiro da música eletrônica, que vendeu mais de 85 milhões de discos e quebrou vários recordes no Guinness, explica como a Inteligência Artificial nos ajudaria no futuro. Ele também fala sobre o aplicativo que lançou, sua paixão renovada pela música e os fracassos da indústria.

Entrevista para o site Rock.com.ar – Argentina – 26/05/2020 Por Fabrizio Pedrotti

La Défense é um dos bairros mais modernos de Paris. Estamos em julho de 1990 e Jean-Michel Jarre chega para preparar outro de seus shows históricos. Hoje, cerca de dois milhões e meio de pessoas se reunirão em frente ao palco (e no meio da cidade), no qual será o concerto mais importante do dia.

Embora exista alegria, também é sentida uma tensão quase elétrica no ambiente: a polícia explica ao compositor que, estatisticamente, para cada milhão de pessoas haverá “sete ataques cardíacos” e “sete mulheres dando à luz”. Além disso, as forças de segurança antecipam um alto nível de brigas e violência. Afinal, não é comum tantas pessoas se amontoarem no mesmo lugar.

Mas na manhã seguinte ao show, o chefe de polícia ligou para Jarre e disse: “Desculpe incomodá-lo, mas eu queria dizer-lhe que a música que você tocou antes e após o concerto acalmou o público. Deveríamos usá-la em todos os eventos, porque não houve problemas e todos ficaram em paz ”. O poder da música entrou em ação.

A música em questão foi “Waiting For Cousteau” (1990). Para compor, Jarre se trancou num fim de semana inteiro em seu estúdio, sem dormir, com a intenção de que nenhuma nota fosse repetida durante os 75 minutos de duração da música. Então, por razões óbvias, a música foi reduzida. O francês criou uma obra com um efeito incomum, quase celestial.

Agora, trinta anos depois e de seu estúdio em Paris, o compositor diz: “Ainda não sei como o mundo da música funciona, é muito misterioso. Quando faço música, não sei como será. Mas o que aconteceu é verdade e, desde então, eu coloco ‘Waiting for Cousteau’ para tocar antes de cada show que eu realizo. Transmite uma serenidade e uma paz que não consigo explicar ”.

As palavras de Jarre parecem modestas, considerando o seu Curriculum Vitae : ele tem mais de meio século de carreira e gravou mais de 25 álbuns de estúdio (tendo “Oxygène”, de 1976; e “Équinoxe”, de 1978, como seus sucessos fundamentais).

A isto se somam quatro Guinness Book of Records (por seus mega-concertos, incluindo um com 3,5 milhões de pessoas em Moscou) e até um asteroide em sua homenagem (o “4422 Jarre”).

Desde 1993, ele é embaixador da UNESCO, recebeu doutorado em universidades e é presidente da Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores (CISAC). Nada mal para um músico que começou a fazer músicas em um estúdio construído em sua cozinha.

Portanto, se ele próprio não pode explicar os mistérios da música, ele pode confirmar algo para nós: que a arte é uma força etérea – e às vezes incontrolável – que escapa à nossa lógica.

À margem, Jarre sempre procurou fazer de seus enormes shows, algo imersivo, e que não se destacassem apenas no som. Em 2020, por exemplo, ele espera que um filme produzido pela VICE sobre ele e seu concerto realizado nas ruínas arqueológicas de Al Ula, na Arábia Saudita em março, seja lançado. O francês diz que a inspiração foi tão grande que até compôs uma música (“Azimuth”) em homenagem à experiência.

-Você acha que a atmosfera desses lugares modifica, de alguma forma, a música que você está tocando?

Sim! Cada movimento que você faz muda alguma coisa. É a beleza da vida e, é claro, quando realizo um concerto nas Pirâmides do Egito ou na Arábia Saudita, isso me transforma, mas também espero que ajude a reformar o meio ambiente. Dou um exemplo: para chegar ao meu estúdio, atravesso o centro de Paris e os bairros modernos, porque eles estão no caminho. E considerando de que estávamos falando do concerto no La Défense, em 1990, nunca sentirei a atmosfera da mesma maneira. Portanto, o campo magnético em qualquer lugar afeta a mim e a todos os envolvidos. Tocar na Arábia Saudita foi muito especial e mobilizador. A ideia também era dar às mulheres acesso à música e cultura. Foi a coisa mais importante.

-Você também está preocupado com os gases que causam o efeito estufa nos shows. Quais alternativas são as mais viáveis ​​para combatê-lo?

“Acho que é essencial que todos os artistas considerem … (interrompe). Todas as pessoas… Você deve ser o mais ‘leve’ possível em termos de poluição, por isso observo cuidadosamente o que fazer agora para compensar a pegada de carbono. E é uma pergunta complexa, porque não se trata apenas de plantar árvores. Às vezes não é resolvido assim. Provavelmente o remédio seja mais ‘global’. Como ajudar as ONGs a criarem fontes de água ou até a restaurar um local. De agora em diante, tentarei compensar essa poluição com gestos positivos.

COLONIZANDO OUTROS MUNDOS

Obviamente, as próximas turnês de Jean-Michel Jarre foram suspensas devido à pandemia do Coronavírus. Então os planos terão que esperar. Mas, além de estar confinado, o músico de 71 anos se sente privilegiado.

“Mande um olá aos meus amigos argentinos”, diz ele do outro lado do telefone, com um inglês afrancesado. “Felizmente, eu e minha família estamos bem. Alguns amigos ainda estão hospitalizados e com problemas de saúde, por isso é um momento difícil para todos. É muito estranho, porque está dividido em duas partes: o pesadelo dos hospitais e pessoas em perigo; e o resto vivendo uma espécie de sonho irreal, no qual tudo é estranho e abstrato ”.

-Eu ia perguntar se você não sente que estamos vivendo uma história distópica, do tipo que você imaginou em seus discos. Há alguns meses, as ruas estavam cheias de pessoas e agora só os animais caminham por lá.

“Sim! Parece que a ficção científica, onde nada realmente existe, tornou-se normal. Aqui estão os drones analisando a temperatura do seu corpo e, se você ficar vermelho, eles forçam você a voltar para casa e se isolar. É um filme sombrio e apocalíptico, que poderia ter sido escrito vinte anos atrás. Hoje de manhã, em Paris, vi patos e veados caminhando pelos bairros. É um bom momento para refletirmos sobre a condição humana e todos os erros que cometemos. Por exemplo, aqui os rios já estão transparentes e as estrelas parecem mais brilhantes, e isso nunca aconteceu antes. O ar também é 60% mais puro. Os números nos mostram que somos as espécies mais negativas do planeta.

-E há algumas semanas você publicou um vídeo representando isso. Como população, o que podemos aprender com o que está acontecendo?

(Pensando). “Eu acho que sou mais solidário e fraterno, e também entendo o quão materialista nos tornamos. Viciados em consumo e comportamento doentio. Espero que, após esse período, e pelo menos por um tempo, vivamos com valores diferentes. Não estou muito otimista de que continuemos assim, porque acredito que voltaremos aos nossos próprios vícios. Mas talvez, por um período, tenhamos uma ‘janela’ na qual mudamos nossa maneira de viver e respeitar o mundo. Isso eu espero!

-Sei que você era amigo de Arthur C. Clarke (autor de “2001: A Space Odyssey”) e que vocês compartilhavam conceitos. Se a Terra se tornasse inabitável, você acha que poderíamos ir para outros planetas?

Sim e eu vejo isso como uma possibilidade muito séria. Há alguns anos eu também conheci Stephen Hawking e ele me disse que a única solução para a humanidade seria deixar a Terra e ir para outro lugar, porque haveria muitos de nós aqui e as condições não nos permitiriam sobreviver. Acho que precisamos usar a tecnologia para nos preparar e conquistar outros planetas.

DA QUEBRA À RESSURREIÇÃO

Nem tudo foi sucesso na carreira de Jarre. Além do fato da maioria de seus discos terem sido bem recebidos pelo público e pela crítica, sua carreira também tomou direções incertas. Como por exemplo, o fato do próprio francês ainda pensar que “Téo & Téa” (2007) foi um erro.

O jornal britânico The Guardian o classificou com uma estrela, depois de criticá-lo severamente: “Os dias em que Jean-Michel Jarre foi o pioneiro de prestígio dos anos 70 terminaram. À medida que seus shows cresciam, seu ego também crescia; e suas músicas foram diluídas em qualidade e quantidade. Mesmo considerando isso, o álbum é muito fraco (…) e você não pode perdoar as melodias infantis, que mais se parecem com uma loja de brinquedos de 1979 ”.

Após o revés, o músico passou vários anos sem novas gravações de estúdio. O silêncio era a melhor maneira de se recompor e se preparar para o que estava por vir. Então Jarre se dedicou a turnês, compilações de raridades e comemorações (como o aniversário de “Oxygène”).

Até ele perceber que a chave era voltar às raízes. “Eu senti que precisava capturar a história da música eletrônica, abrangendo os vários ramos e períodos, mas com novas músicas.” E ele não faria isso sozinho, mas com músicos de todas as épocas. Assim, ele gravou “Electronica 1: The Time Machine” (2015) e “Electronica 2: The Heart of Noise” (2016), com colaboradores como Moby, Pete Townshend, Primal Scream, Air, Pet Shop Boys, The Orb, Edward Snowden e Hans Zimmer. O frances recuperou seu lugar com base no esforço, e as músicas foram arranjadas como um quebra-cabeça.

-Você disse que esses dois álbuns renovaram a sua fé na música. Você já a perdeu?

(Pensando) “Sim, claro! Como a maioria, passei por momentos muito sombrios da minha vida. Acabei de escrever isso no meu livro (‘Mélancolique Rodéo’), que suponho será lançado em espanhol no final de 2020, mas pode ser adiado devido ao vírus. Ali expliquei que tive momentos difíceis, especialmente há dez ou quinze anos atrás, quando perdi meus pais. Eu também tive uma briga com o meu produtor (Francis Dreyfus), e foi um momento muito doloroso pessoalmente. Eu estava deprimido, mas me recuperei totalmente. O trabalho com ótimas pessoas e a oportunidade de compartilhar essa criatividade me ajudou muito. É algo que eu quero continuar explorando em breve, assim como um novo álbum ao vivo … mas não vou revelar nada ainda” (risos).

Com a turnê do “Electronica”, o compositor chegou na Argentina em março de 2018. Tocou no Luna Park em um show com ingressos esgotados, cheio de luzes, efeitos especiais e apetrechos. Obviamente, como em La Défense, a primeira coisa que soou foi “Waiting for Cousteau”. Depois vieram suas músicas distópicas, esperançosas e ao mesmo tempo futurísticas.

Mas, como Jarre é apaixonado por novas tecnologias, ele tenta há anos refletir os dois lados da questão. “Isso não vai necessariamente nos dar um mundo distópico: a Inteligência Artificial pode ser positiva ou negativa, dependendo de nós”, explica ele. “No futuro, isso nos ajudará a adaptar nossos sistemas para melhorar a educação e entender mais o planeta. Foi também a ideia por trás de ‘Équinoxe Infinity’ (2018), meu último álbum.”

O álbum foi a sequência do clássico de 1978, no qual vários seres apareceram nos observando com binóculos. Jarre os apelidou de “The Watchers” e, quarenta anos depois, ele se pergunta o que essas criaturas pensariam de nós hoje. São dez músicas, com títulos como “Robots Don’t Cry”, “Flying Totems” e “Don’t Look Back”; e foi lançado com duas capas diferentes: uma verde e esperançosa e a outra laranja e apocalíptica. O curioso é que aqueles que compram pela Internet não sabem qual delas receberá.

-O álbum termina com um “ponto de interrogação”, para que o ouvinte decida que tipo de futuro virá …

“Sim, exato! E essa pergunta sobre o amanhã nunca acaba: não sabemos o que acontecerá a seguir. Alguns meses atrás, quem pensaria que uma pequena criatura iria parar o mundo, a economia e tudo mais? O planeta congelou em alguns dias, e isso deve ficar claro para nós. Não temos controle sobre o futuro. Nesse sentido, a Inteligência Artificial nos ajudaria …

-Você diz que poderia prever uma pandemia?

“Sim! E isso também nos ajudaria a evitá-la. Combinadas, tenho certeza de que a dedicação e as tecnologias humanas nos permitiriam antecipar vírus e desastres naturais. Não tenho dúvidas.”

Além disso, você está interessado em avatares e hologramas. Você gostaria que houvesse um “clone” para fazer shows ao mesmo tempo e em lugares diferentes?

“Não necessariamente para shows simultâneos, mas pretendo criar um estúdio de gravação virtual. Se quiséssemos fazer música juntos, você na Argentina e eu na França, nos juntaríamos a esse espaço para compor as músicas. Poderia ser em tempo real e aberto ao público, que também iria com seus avatares. Estou muito interessado nisso e espero que nos próximos anos possamos ver uma versão minha assim” (sorrisos).

UM APP SEM INÍCIO OU FIM

Como presidente da Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores, Jarre enfatiza a relevância da arte em tempos de isolamento. Ele acredita que é uma ferramenta mágica, uma das mais importantes que temos.

“Recentemente, participei de um painel sobre a situação cultural do mundo, organizado pela CISAC e pela UNESCO. Comida é o que mais compramos hoje em dia e, obviamente, vamos ao supermercado; mas também consumimos entretenimento com nossos laptops, telas e smartphones. A ironia é que essas plataformas [de streaming e distribuição] estão fazendo fortuna às custas do vírus e do conteúdo de artistas que estão lutando para subsistir. O mundo da cultura está em sério perigo. Há pessoas que vivem fazendo filmes ou shows, e hoje elas não tem dinheiro nem para comer “, diz ele.

E ele sublinha: “Você sabe, porque acontece na Argentina, no resto da América do Sul, na África, na Europa … em toda parte. Os governos devem considerar a música como uma prioridade, também após a pandemia. Se não fizermos nada, os próximos anos serão terríveis para todos, especialmente para os trabalhadores da cultura e seu ecossistema. Artistas devem ser encorajados a lutar e a ver o que podem alcançar agora e não daqui a um ano”.

-E qual seria o papel da sociedade? Porque alguns pedem que seu novo aplicativo seja gratuito, mas isso não acontece com uma camisa ou com o trabalho de um mecânico …

Sim, temos que recuperar o valor da medicina, educação e arte. Como você disse, pagamos cem dólares por um par da Nike mas ficamos indignados ao gastar dez em um livro, um filme ou um aplicativo. Há algo errado com a fórmula, e espero que essa realidade nos ajude a entender o valor da cultura, porque sem ela não somos nada. Nos últimos vinte anos, a arte se converteu em algo gratuito. São pensamentos muito sombrios.

O aplicativo mencionado é o EōN, uma plataforma que cria música de forma ilimitada e aleatória toda vez que é aberta. Foi feita por Jarre e sua equipe e lançada no final de 2019. O francês até convida os usuários a fazerem upload de suas criações. Por exemplo, existe um concurso de remix aberto que termina em 10 de junho, e os vencedores receberão desde box-sets até conversas por videochamadas.

-Então, o que aconteceria com os direitos autorais se alguém criasse músicas com seu aplicativo? A quem pertenceria?

“Eu não vejo nenhum problema, porque EōN é como meu próprio álbum. Todos os instrumentos foram gravados por mim, e o que ele faz é reorganizar e mixar as músicas. Se alguém usa um trecho do áudio, na verdade está remixando meu próprio trabalho. Embora seja organizado de maneiras diferentes, ainda é a minha música. Não gera melodias do nada, mas é baseado no que eu já toquei no estúdio. Mas eu também estaria interessado em fazer algo mais automático e estou trabalhando com um amigo de Tóquio para ver se combinamos as máquinas com os algoritmos.”

Para Jarre, que nunca se cansa de inovar, o próximo desafio é uma turnê com base no EōN: as músicas mudam todas as noites, aleatoriamente, gerando um setlist inesperado e diferente. Mesmo para ele e seus músicos.

“Por um lado, é estranho, porque o aplicativo é perfeito para o isolamento”, ele ri. “É uma boa companhia se você estiver amontoado em algum lugar e os dias forem muito lentos, porque não sabemos quanto tempo a quarentena vai durar. A ideia era criar música sem começo nem fim, mas com vários começos e fins. É como a vida: você cresce com seus pais, sem poder escolher; nem muda o futuro e nem repete momentos que você já passou. A conversa nunca acontecerá novamente no mesmo tempo e espaço. Podemos fazer outra entrevista mais tarde ou nos encontrar pessoalmente, mas o contexto sempre varia. Essa foi a urgência que eu queria transmitir com o EōN “.

-Antes dissemos que os humanos são como “prisioneiros” do virtual. Você também se vê como um desses escravos?

“Eu entendo o ponto, mas acho que a tecnologia é neutra, nem boa nem ruim. Tudo depende de como usamos. Certamente, certos ‘caracteres’ na Internet armazenavam informações que não correspondiam a eles, e se tornaram tão poderosos … que nos tornamos clientes de nossos próprios telefones e tablets. Todos nós. Temos que tentar mudar e estar cientes disso. Por exemplo, enfatizo que as grandes plataformas devem devolver aos criadores o dinheiro que ganharam graças a eles e às custas do vírus. Porque estamos usando esses serviços mais do que nunca. É um excelente exemplo de como a tecnologia pode ser boa para alguns e sombria para outros.”

-Certo! E uma música do seu último álbum é chamada “Machines Are Learning”, em referência à forma como nossos comportamentos são cada vez mais replicados. Em sentido inverso, o que podemos aprender com as máquinas?

(Pensa e sorri). “Parece que devemos nos perguntar o seguinte: se os robôs espiassem nossos corações, eles gostariam do que veriam? Esse é o grande dilema.”

Jean-Michel Jarre lançou o EōN no final de 2019. Ele pode ser baixado para iOS e em breve estará disponível em outras plataformas. Além disso, seu livro deve ser traduzido para o espanhol nos próximos meses.

Fonte: Rock.com.ar/