JEAN-MICHEL JARRE REDEFINE MÚSICA PARA IMAGEM NA CRIAÇÃO DE UMA PARTITURA IMERSIVA PARA SEBASTIÃO SALGADO

Quando o compositor e músico Jean-Michel Jarre recebeu um convite para fazer uma partitura para uma exposição de fotos, por mais desafiadora que fosse a tarefa, ele não hesitou em dizer sim. A missão era criar música para os sons da Amazônia para o famoso fotógrafo Sebastião Salgado.

O último trabalho de Salgado Amazônia (atualmente em exibição na Galeria Peter Fetterman, na Estação Bergamot de Santa Monica) é uma experiência imersiva enquanto a partitura de Jarre é reproduzida para os visitantes da Exposição. “Um pássaro canta, o vento sopra nas folhagens, homens cantam e conversam, as mulheres tomam banho, a tempestade ruge, um avião passa voando, a chuva cai na pedra, todos esses sons aleatórios, formam uma harmonia global: a música da floresta ”, diz Jarre. Sebastião Salgado passou seis anos viajando pela região, capturando a floresta, os rios, as montanhas e as pessoas que ali vivem.

Jarre conversou com a “Variety” sobre os desafios de elaborar a partitura e o impacto do trabalho de Salgado:

Estados Unidos – 23/09/2021|Por: Jazz Tangcay|Foto: Amazônia – Imagem/Cortesia: Galeria Peter Fetterman

Como essa conversa entre você e Sebastião Salgado aconteceu?

“Fui convidado pelo museu Philharmonie de Paris, que é um centro com uma sala de concertos, exposições e museus. Mas também Salgado queria fazer algo diferente para unir música e fotografia. Achei que seria um desafio interessante porque é uma abordagem totalmente diferente, pois você não pode prever onde alguém estará em relação à música e à foto em uma galeria de arte. Então você está trabalhando em uma determinada sequência de um filme.”

Fale um pouco sobre os sons que você queria capturar em sua caixa de ferramentas para a Exposição:

“Eu estava pensando que os sons da floresta são aleatórios. Eles são totalmente independentes um do outro. Você tem gotas de chuva caindo, pessoas caminhando ou cantando, ou alguém cantando. Você está viajando através do espaço e do tempo na floresta. Pensei nos sons que estavam ocorrendo. Minha caixa de ferramentas tinha muitos elementos aleatórios. Havia eletrônica, vozes, natureza e outros elementos. Então eu os coloquei para funcionar em um tabuleiro de xadrez onde cada som funcionava com todo o resto.”

Existe um som único na Amazônia. Como você capturou isso?

“Eu queria evitar a armadilha potencial de criar música ambiente ou o tipo que se ouve em spas. Queria dar à partitura o contexto que a Amazônia merece. Tratava-se então de criar essa distância entre isso e entrar em uma abordagem poética com ela. Eu processei os sons da natureza por meio desse processo eletrônico para que não soassem iguais. É como Federico Fellini disse que ele preferiu recriar o mar em um estúdio do que usa o mar real. Então, estava criando essa ilusão no final do dia porque a arte é uma ilusão.”

Você mencionou um filme. Você criou uma trilha para uma sequência específica. Como você compõe música para uma exposição? Qual é esse processo? Você cria sugestões olhando as fotos?

“Pedi ao Sebastião Salgado algumas fotos e morei com elas por três semanas enquanto gravava e escrevia a música. Era como se eu estivesse em uma relação hipnótica com as imagens. Tudo o que fiz foi relacionado ao clima das fotos. Esta exposição não visa dar aulas às pessoas sobre questões ambientais. Ela não mostra a floresta queimando. Trata-se de mostrar o aspecto grandioso da floresta e ser um tributo a esta área extraordinária. Se você ouvir com atenção, há momentos mais sombrios para criar tensão, para mostrar sentimentos contrastantes entre a noite e o dia e estar nesta área. Existem vocais também porque os seres humanos vivem na floresta. Eu queria usar isso para criar uma atmosfera fantasmagórica. Os vocais são todos da Floresta Amazônica, e eu trabalhei com o Museu de Etnografia de Genebra para construir esses sons.”

Sebastião inspirou muita gente ao longo dos anos com seu trabalho. Como ele te inspirou?

“A música adiciona uma camada muito importante na forma como vemos os visuais. De Quentin Tarantino a Alfred Hitchcock, muitos diretores dizem que música e som compõem 50% de um filme. Acho que também é verdade com exposições de arte. Acho que deveríamos ter mais música nas exposições, principalmente de arte contemporânea. O que é tão interessante sobre o trabalho de Salgado é que ele não está apenas fotografando beleza ou dor, ou quer fazer uma declaração. Ele é um artista antes de tudo. Ele tem sua própria visão subjetiva. Tudo é comovente. O que é interessante com esta exposição é que as fotografias são em preto e branco, e preto e branco não existem na natureza. Então, ele está reforçando sua mensagem. Ele tem todas essas sutilezas que criam uma expressão imediata quando você vê uma foto dele. Você não vê alguém tentando criar essa declaração legal. Ele está sempre te dando a proposta de um artista. Essa exposição é muito importante por dar uma janela para a floresta e essas fantásticas paisagens, especialmente depois de um ano e meio de confinamento e pandemia. Eu nunca estive na Amazônia, mas Salgado nos leva nesta jornada e a compartilha. A Amazônia pertence a todos os seres humanos.”

Fonte: variety.com