DAVID JARRE: “O PRIMEIRO MÁGICO QUE CONHECI FOI O MEU PAI”

1º de dezembro de 2022 | Edição 3839 | Por: Benjamin Locoge

Eles compartilham um gosto pela poesia e uma parte inalterável da infância. Ambos cavam o sulco com a mesma obsessão. Jean-Michel, o papa da música eletrônica com 85 milhões de álbuns vendidos, acaba de lançar Oxymore, um brilhante 22º álbum de estúdio, totalmente alucinado e desenfreado, que entrou no ‘Top 10’ das vendas mundiais. David, seu filho com Charlotte Rampling, começou seus primeiros truques quando era criança. Inspirado pelo mágico Vadini, ele agora se apresenta a cada quinze dias no programa “Vivement Dimanche”, e começa a preparar seu primeiro show parisiense previsto para setembro próximo. “Paris Match” teve um encontro com os dois mestres da ilusão.

Para o pai, é música. Para o filho, é mágica. Com um aceno
da sua varinha, o segundo está fazendo o seu nome

Fez 40º no dia 6 de abril de 2017, em Massada (Israel). Jean-Michel Jarre concordou em realizar um concerto aos pés da cidadela, para nos lembrar da importância da água em nosso ecossistema. O músico concede entrevistas com a mídia local com infinita polidez, tentando passar sua mensagem em meio a perguntas estranhas: “Você vai tocar a harpa laser hoje à noite?”. O mestre dos sons preparou um show que mistura projeções, efeitos visuais e clássicos de seu repertório. Mas Jarre é acima de tudo um homem feliz. Para este primeiro concerto na Terra Santa, ele levou Gong Li, sua nova companheira. Discreta, a atriz, que não fala francês, é alvo de todas as suas atenções. Porém, no micro-ônibus que transporta o artista e sua comitiva, uma voz ressoa mais alto que as outras. David Jarre, que embarcou no meio do caminho e é um verdadeiro provocador. Muito engraçado, David, filho do casal formado anteriormente por Jean-Michel Jarre e Charlotte Rampling, é um tagarela. É uma piada atrás da outra, diminuindo a tensão algumas horas antes do início do concerto.

Cinco anos depois, pai e filho se reencontram para a primeira sessão de fotos em anos. David agora faz parte do programa do apresentador Michel Drucker, onde, a cada dois domingos, ele atua como mágico. Jean-Michel acaba de lançar Oxymore, um novo álbum brilhante, completamente retorcido e jubiloso, tentando, à sua maneira, reinventar a música eletrônica. “É um bom momento para nos contar”, diz Jean-Michel, que está feliz com o fato de David encontrar um espaço na TV. O filho sorri. “Eu sempre quis ter meu tempo. Não queria chegar à televisão sem um projeto a propor”. Drucker está encantado por ter incluído este membro de sua extensa família em seu programa dominical “Vivement Dimanche”.

“Que bela imagem! Foi o meu mundo de conto de fadas quando criança. Fiquei fascinado com os botões daquela mesa de mixagem, instalada no estúdio do meu pai. Tive alguns sonhos psicadélicos bonitos com aquilo”

“Ele era muito jovem quando encontrou a mágica”, diz Jean-Michel. “Tornou-se coisa dele imediatamente. Ele descobriu o ilusionista Vadini quando tinha 12 anos. Desde então, não parou”. David cresceu em uma família amorosa e mista. Quando Jean-Michel conheceu Charlotte, em 1976, a atriz britânica já era mãe de Barnaby, nascido de sua união com o ator Bryan Southcombe. Jarre já tinha uma filha, Emilie, com Flore Guillard. David nasceu em 1977. O casal se casou no ano seguinte e mudou-se para Croissy-sur-Seine, nos subúrbios parisienses, a pedido de Charlotte.

“Me lembro tanto desse triciclo e até do seu barulho! É muita felicidade nesta imagem”

“Tivemos uma infância mágica”, diz David. “O primeiro mágico que conheci foi meu pai. Ele inventou seu próprio mundo. Quando criança, ficava abalado com as horas passadas em seu estúdio. Quando voltava da escola, só precisava atravessar o jardim para encontrá-lo. Muitas vezes, minha mãe ensaiava em casa também. Suas respectivas profissões representaram para mim uma mistura de brincadeira, diversão e muito trabalho. Mas foi graças ao encontro com Vadini que entendi que havia outra forma de me expressar, outra forma de magia: o ilusionismo.”

Jean-Michel e Charlotte criaram seus três filhos de uma maneira bastante rígida. “Nossos pais nos deram muita liberdade, mas dentro de um quadro bem definido”, acredita David. “Tínhamos que fazer o dever de casa e trabalhar duro. Por outro lado, deixaram-nos sempre livres para tudo o que se relacionasse com o lazer”. David, Emilie e Barnaby tiveram a sorte de ter os pais presentes. Ao contrário de muitos de seus contemporâneos, o compositor de Oxygene e a atriz de “Stardust Memories” trabalhavam em casa. A família se reunia todas as noites às 20:00 para jantar juntos. “Essas noites à mesa são memórias maravilhosas”, explica David. “Eles nos contavam sobre seus projetos. Meu pai falava das gravações, minha mãe falava dos filmes. Desviavam de bom grado para a política, para história… Muitas vezes, crescemos com crenças limitantes, com frases como: ‘Ah, esse mundo não é para você’ ou ‘Você nunca vai chegar lá’. Nossos pais nos salvaram de uma armadilha. Eles nos deram essa ideia de que tudo é possível, e que se você trabalhar duro, você pode alcançar seus sonhos”.

“Isso foi no Museu Grevin, no dia da inauguração da estátua
de cera do meu pai. Estava com 12 anos. Me pediram
para preparar uma surpresa para ele. Foi a primeira vez que fiz
dois números na frente de todos”

Em 1986, Jean-Michel se apresentou em Houston para um milhão de pessoas, um show que foi exibido em todo o mundo. Mas assim que retornou para a França, voltou a ser o pai amigo. “Sou amigo dos meus filhos”, confirma. “Mas acho que sabia como mostrar autoridade. Pergunte ao David”. Ele concorda: “Um pai amigo, sim, mas não um amigo. Quando tinha que ir direto, foi direto. Com minha mãe, eles nunca procuraram nos incluir em suas vidas na mídia. Fui a algumas sessões de fotos, vi muitos concertos dele. Mas nem todos”. Jean-Michel complementa: “Especialmente porque David tem seu próprio universo. Ele estava nos enganando o tempo todo [risos]”.

Aos 15 anos, David conheceu seu destino, após hesitar por um tempo entre a música e a magia. Aos 19, embarcou em um avião para realizar sua primeira apresentação. “Meu trabalho me permitia viajar! Um italiano me convidou para fazer uma performance em sua festa de aniversário. Foi a primeira vez”. Três anos depois, David deixou Croissy para se instalar em um estúdio em Paris, pago com seus honorários. “Sempre foi importante para ele se sustentar financeiramente”, diz Jean-Michel. “Ele queria seu espaço, sua casa”. Principalmente porque, na época, o casal Jarre-Rampling se separou. Diz a lenda que eles esperaram que a maioria de seus três filhos fechasse este capítulo de suas vidas. “Não é uma história acabada entre Charlotte e eu”, continua Jean-Michel. “Seguimos caminhos de vida diferentes, mas continuamos muito próximos. Nos encontramos, conversamos por telefone, continuamos a participar de todos os natais juntos, com nossos netos e também com nossas respectivas companhias”. David se lembra de uma época conturbada. “Até a separação deles, eu achava que meus pais eram um casal ideal. No entanto, também eram seres humanos… Para mim, foi como saber que Papai Noel não existia. Meu irmão e minha irmã já haviam saído de casa, a tempestade foi intensa, mas curta. Enfim… vista de fora”.

“Fui à Tailândia para a Associação Pimali, administrada por dois amigos meus, que forma órfãos na
rede hoteleira. Eu fui lá duas vezes para fazer mágica para crianças”

Ao mesmo tempo, David estabeleceu um vínculo com Maurice Jarre, pai de Jean-Michel, que partiu para seguir carreira em Hollywood, deixando para trás sua esposa, France Pejot, e seu filho pequeno. “Entre ele e eu, o vínculo era quase inexistente”, lamenta Jean-Michel. “David queria conhecer seu avô quando era adolescente. Eles, pelo menos, conseguiram formar um relacionamento”. David confirma: “Criamos um vínculo distante, porque ele morava em Los Angeles. Eu o conheci quando tinha 15 anos. Ele me disse: ‘Oi, é o Maurice. Você não vai me chamar de vovô?’. Assim que ele vinha para a França, nos víamos no almoço ou no jantar. Às vezes meu pai se juntava a nós… Tínhamos uma verdadeira relação avô-neto, ele estava muito orgulhoso por eu ter me apresentado fazendo mágicas para Jacques Chirac”. David trabalhou para uma reconciliação entre Maurice e Jean-Michel? “Falávamos sobre meu pai o tempo todo. Sobre ele, meu avô só tinha boas palavras, ele nunca tentou influenciar-me ou enviar a minha sabedoria através de mim. Ele me contou sobre sua estreia no Théâtre National Populaire com Jean Vilar, seu Oscar em Hollywood. Era uma nova camada de sonhos a cada vez. Meu pai deixava a vida trabalhar neste encontro entre nós dois, mantendo-se distante, sem remorsos ou arrependimentos. Eu me construí sem ele. Minha mãe foi uma mulher excepcional, ela me ensinou a gentileza com tudo que envolve compreensão, decoro, gratidão. Eu sabia que Maurice estava vivo, que era um compositor. E conversamos sobre tudo e nada – especialmente sobre nada de vez em quando”. Em 2009, Jean-Michel só saberia da morte de Maurice três dias após o seu falecimento. Ainda hoje, a questão da sua herança – da qual ele e a sua meia-irmã, Stéfanie Jarre, foram excluídos – continua sem solução, uma vez que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos não se pronunciou sobre o conflito entre ele e a quarta e última esposa do compositor de trilhas sonoras.

“Um grande momento: Elton John e seu marido me convidaram para participar da 26ª edição
do ‘Elton John AIDS Foundation Academy Awards’, na época do Oscar. Eu havia previsto o resultado
da cerimônia na frente de Lady Gaga e Scarlett Johansson”

“Com meus filhos, com David, sempre senti que o diálogo tinha que ser mantido. É o trabalho da minha vida garantir que essa família continue existindo, apesar das distâncias e das separações. Durante a pandemia, Barnaby ficou confinado em Londres, e ficamos sem nos ver por mais de um ano”, diz Jean-Michel. Por outro lado, ninguém parou de trabalhar. David fazia mágicas pelo Zoom: “Permitiu-me desenvolver uma nova relação com a tela e a câmera, que me fez decidir fazer televisão”. Jean-Michel entrou no estúdio para gravar o fabuloso “Oxymore”, quatro anos após o Equinoxe Infinity, composto para ser ouvido em binaural, um processo sonoro envolvente que deixa o ouvinte ‘dentro da música’. Charlotte também encontrou seu caminho de volta aos estúdios. Graças ao compositor Léonard Lasry, ela gravou um novo álbum intitulado “De l’amour mais quelle drôle d’idée” (Amor, mas que ideia engraçada), uma linda coleção de versos falados que rumina sobre amor, perda e capricho com um sentimento poético essencialmente francês. “A paixão os alimentará até o último suspiro”, observa David. “E essa mesma paixão permite que eles afastem esse último suspiro. A criação, para nós, é vital”. Mas eles são um bom exemplo de beligerância… E se o tempo parece não ter qualquer tipo de influência sobre a família Jarre-Rampling, este é provavelmente o seu mais belo truque de mágica…

Fonte: Paris Match

Views: 97