“RENCONTRES”: EM NOVO LIVRO FRANCÊS JARRE FALA SOBRE A RELAÇÃO COM DROGAS

Está sendo lançado no mercado francês, o livro “Rencontres du troisième beat: les ovnis de l’électro”. No livro, vários artistas da França, dão depoimento sobre música eletrônica entre eles Jean Michel Jarre  que fala sobre os 50 anos de sua carreira musical. Em determinado momento, é perguntado sobre as drogas e o movimento eletrônico.

P: Na música eletrônica, os paralelos entre drogas e música estão muito presentes… No entanto, você geralmente fala muito pouco sobre drogas, exceto talvez uma vez no planalto de Ardisson (durante o show ” « Tout le monde en parle »” Onde você falou sobre “uma droga suave”, a ‘erva’ (maconha). Para imaginar seus diferentes mundos e seus sons, você nunca experimentou?

 

JMJ: Meu relacionamento com drogas é bastante especial. Aos 18 anos, saí em um final de semana com o meu primo, que também era meu melhor amigo. Durante este fim-de-semana, colocaram ácido(LSD) em nossas pizzas. Isto era muito comum na época.  Não tínhamos conhecimento disso. Como resultado,’partimos’ por dois dias … Exceto que meu primo nunca voltou. Ele era um menino super brilhante, inteligente e engraçado e essa coisa o destruiu. A única coisa que ele poderia fazer em sua vida depois foi classificar as cartas no correio. Ele foi queimado, queimado, deixado sem retorno. Este episódio me traumatizou. Ele era realmente como um irmão para mim. O fato de ter tomado esta droga, sem o nosso conhecimento e mais … Definitivamente me dissuadiu de cair nela. Depois, é verdade que fumava ‘herva’ regularmente, assim. Mas nunca foi uma ferramenta necessária para criar. Não é muito popular dizer isso, mas acho que as drogas são úteis para desinibir, removendo as barreiras que você faz. No entanto, você pode se desinibir de outras maneiras … Com a música eletro-acústica e eletrônica, é mais fácil. Quando você explora as coisas, onde você abre uma porta para o território virgem, é como se você estivesse tomando drogas. Ácido em particular. Para mim, naquela época, a música eletro-acústica era um território desconhecido. Praticar era como saltar para o espaço, sem uma rede. É por isso que não precisava tanto disso. Por outro lado, todas as músicas, seja qual for o gênero, estão relacionadas às drogas porque são o trabalho dos movimentos underground, o mais frágil. O início do jazz é difícil. As pessoas não ganhavam a vida, elas tinham dificuldades em sobreviver. Os negociantes(traficantes), como os predadores, sentem-se e se aproximarão dos mais vulneráveis para vender suas drogas: os criadores na origem e no núcleo de um novo gênero. Isso é verdade não só no início do jazz, mas também para o início do rock e electro, funk, disco … Toda vez. Do absinto de Baudelaire para ecstasy, crack, LSD, coca, etc. Toda música tem suas drogas. A ‘erva’ está separada. É uma droga que não tem nada a ver: tomada de forma significativa, muda o comportamento, mas permanece menos prejudicial do que fumar.

 

P: Então você estava limpo para lançar seus primeiros álbuns “Deserted Palace” (primeiro álbum de Jarre, lançado em 1973) e “Oxygène” ?

 

JMJ: Sim, sim. O engraçado é “Oxygène”, minha música sempre estará relacionada às drogas! Para o lançamento do “Equinoxe”, lembro-me de ter participado de uma sessão de autógrafos em San Francisco, em uma loja Tower Records. Por duas horas, todos os caras vêm me ver, e me falam: “Nós estamos ‘altos’, cara, muito obrigado” e me dão um pacote de ‘erva”. A sessão acabou comigo não sei quantos quilos de ‘erva daninha’ em um saco plástico. O cara da gravadora disse-me: “Mas ‘p()##@’, não podemos deixar isso lá, seria muito estúpido! ”  Então segue uma cena parecida com o filme “Se beber, não case”: estamos no carro dele, com toda a ‘erva’ que conseguimos colocar no porta-malas e eu estava ficando preocupado. Ele me responde: “Não se preocupe,tudo vai ficar bem, eu tenho uma arma no porta-luvas! (Risos)”.

 

Em outra parte da entrevista, Jarre revelou que o verdadeiro motivo de ter abandonado o ‘Groupe de recherches musicales’ (GRM), foram as novas regras que Pierre  Schaeffer queria implementar sob a pressão do Conservatório de Paris, como para o estudo clássico da música. Ele também fala sobre política.

 

A entrevista completa está disponível apenas no livro.

 

“Rencontres du troisième beat: les ovnis de l’électro”.

 

 

Autor : jornalista Arnaud Rollet

ISBN 978-2-35461-116-3.

Preço: 15€.

Disponivel na França ou na Amazon.Fr.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes:

http://www.la-tengo.com/index.php?post/2017/03/13/Les-OVNIS-de-l-%C3%A9lectro-Jean-Michel-Jarre-%3A-A-partir-d%E2%80%99Oxyg%C3%A8ne%2C-ma-musique-sera-toujours-li%C3%A9e-%C3%A0-la-drogue-%21-%28Extraits%29.

Agradecimentos a Kanta Devi / Jean Batman.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =