CONFERÊNCIA CONJUNTA UNESCO E CISAC

No dia 12 de junho de 2017, o músico francês Jean Michel Jarre que é o atual Presidente do CISAC e também Embaixador da Boa Vontade para a UNESCO, esteve em uma conferência na sede da UNESCO em Paris, na qual falou da importância dos direitos de autor. A conferência “Fairly remunerating creators in the digital environment” (Criadores de remuneração razoável no ambiente digital), teve o discurso de Jarre como ponto de destaque.

Jean Michel Jarre fez um discurso como Presidente do CISAC, falando da necessidade de uma legislação a nível internacional para assegurar um mercado digital justo para os criadores. Ele apoiou a proposta de direitos autorais apresentada pela Comissão Europeia em setembro de 2016 e atualmente em discussão no Parlamento Europeu. Congratulou-se com o envolvimento da UNESCO no debate global sobre o tema e destacou a necessidade de mudanças urgentes no quadro que protegem os criadores no mercado digital.

“A Música e outros setores criativos têm visto uma transição extraordinária no mundo digital. Ela revolucionou a forma como as pessoas acessam as obras, permitindo que a música de compositores e artistas atravesse fronteiras de uma maneira como nunca antes e criou um enorme potencial para expandir nossas indústrias criativas, empregos e economia em torno delas.

Eu fiz minha jornada pessoal através dessas mudanças. No início da minha carreira, minha música era lançada apenas em discos de vinil. Hoje é transmitida, ao vivo ou gravado, em todos os países e em inúmeras plataformas e dispositivos móveis.

A era digital tem sido boa para os criadores. Quando falamos sobre a economia digital, no entanto, sejamos claros: estamos realmente falando sobre a economia cultural. Porque é a cultura, obras culturais, criações e criatividade, que constituem o coração desta era digital. É a cultura que é o sangue sendo bombeado através das artérias do nosso mundo digital. São criadores que estão colocando a “inteligencia” em smartphones.

Olhe para as maiores e mais poderosas plataformas hoje – YouTube, Facebook, Google, Apple, Amazon – seus negócios e suas vastas receitas são dominadas e conduzidas pelas obras feitas por criadores. Os provedores de serviços de Internet competem através dos pacotes de conteúdo cultural que podem oferecer aos seus assinantes. As operadoras móveis equiparam o mundo com smartphones que, sem música, filmes, fotografias e livros, têm quase zero valor.

É por isso que as indústrias criativas têm um futuro potencial para o crescimento econômico e o desenvolvimento sustentável. O estudo EY encomendado pela CISAC há pouco mais de um ano estima o valor das indústrias criativas em nada menos de 2.250 bilhões de dólares em todo o mundo. E as indústrias criativas provem 25 milhões de empregos.

Mas, apesar das boas notícias, ainda existe um enorme problema. Ainda não fizemos a revolução digital o que deve tornar-se – uma revolução dos criadores. O acesso às obras culturais certamente foi revolucionário. E o consumo de obras culturais explodiu. Mas, onde o valor foi gerado para esse consumo? Quem se beneficiou?

A resposta é que a era digital não beneficiou suficientemente os criadores cujas obras o estão dirigindo. Beneficiou mais as empresas de tecnologia, as plataformas e os fabricantes de hardware que distribuem e monetizam essas obras.

A experiência do setor de música fornece a melhor ilustração do problema. A revolução digital da música passou por muitas fases – da pirataria de MP3 para downloads de música e agora para serviços de assinatura. E pela primeira vez em duas décadas, a indústria da música está crescendo de novo.

Esta é uma boa notícia. No entanto, os criadores ainda não estão vendo um retorno justo por seu trabalho. E o principal motivo para isso é o problema conhecido como “transferência de valor”.

Hoje, a maior fonte de música, de longe, é a transmissão de vídeo – plataformas como o YouTube e outras plataformas de conteúdo geradas pelos usuários. Essas plataformas possuem uma audiência de mais de 1 bilhão de usuários em todo o mundo. Estes são serviços de música que estão criando vastas empresas na parte de trás do conteúdo criativo – e que estão pagando taxas mínimas de remuneração aos detentores de direitos.

Este é o nosso problema global: um enorme setor que está distribuindo a música de criadores está pagando uma pequena parcela de receita em troca. A transferência de valor é o maior problema que os criadores enfrentam hoje – não apenas na música, mas também em fotografias, filmes e outros repertórios.

Então, o que precisa ser feito? Dirigir-se à transferência de valor é uma grande responsabilidade para os decisores políticos. Isso irá melhorar o ambiente em que os criadores estão tentando ganhar a vida. Isso ajudará a promover a diversidade cultural, ajudando autores e compositores fora do mainstream, para quem transmitir royalties são fundamentais para seus meios de subsistência.

No ano passado, analisamos a ação da União Européia. É aí que há legislação em discussão, que em breve será votada pelo Parlamento Europeu. A nível mundial, a UNESCO também tem um papel importante a desempenhar – e é por isso que esta semana, em Paris, falo na primeira conferência da UNESCO sobre remuneração justa para criadores na era digital.

A Europa apresentou a oportunidade de mudanças de políticas significativas em uma questão global. As propostas de direitos autorais da Comissão Européia aplicariam a lei de direitos autorais de forma justa a todos os serviços de música, incluindo plataformas de transmissão de vídeo. É apenas um primeiro passo – mas reflete o renovado respeito pelos direitos dos criadores em um mundo onde muitas vezes eles estão sob ataque.

A revolução digital tem sido a mudança decisiva em nossas vidas nas últimas décadas. Mas, como criadores, nosso trabalho não é feito – é de muitas maneiras apenas começando. A distorção do mercado da “transferência de valor” deve ser corrigida. Os criadores devem ser bastante remunerados. A revolução digital deve ser uma verdadeira “revolução dos criadores”.

Esta situação é causada por uma falha fundamental na paisagem criativa. É causada por regras de mercado que permitem que os serviços gerados pelo usuário possam evitar pagar uma taxa justa pelo conteúdo criativo que estão usando.”

Jean Michel Jarre – Presidente do CISAC

 

Fontes: CISAC

http://www.cisac.org/Cisac-Home/Newsroom/Articles/We-need-new-legislation-to-make-the-digital-revolution-the-creators-revolution

http://www.cisac.org/Newsroom/News-Releases/CISAC-President-Jean-Michel-Jarre-speaks-at-UNESCO-calling-for-global-legislation-to-ensure-digital-platforms-pay-creators-fairly

http://www.cisac.org/Newsroom/Images-Videos/Photo-Gallery-UNESCO-and-CISAC-conference-on-fairly-remunerating-creators-in-the-digital-environment

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =