ELECTRONICA II – THE HEART OF NOISE – ENTREVISTAS – PARTE 2

 

RP ONLINE – ALEMANHA (22/04/2016)

RP ONLINE: Como você realmente se conecta ao Kraftwerk?

Jean Michel Jarre: Oh, sim. É um som muito forte mesmo. Quando eu ouvi “AUTOBAHN” pela primeira vez eu pensei que era uma banda californiana. Uma versão ‘spacey’ que o Beach Boys era. Fiquei espantado quando descobri que eles eram da Alemanha. Eles são uma influência importante para mim. E eles são a prova de que a música eletrônica tem as suas raízes na Alemanha e na França, começando com Karlheinz Stockhausen na Alemanha e Pierre Schaffer, com quem eu aprendi na França.

 

RP: Você já conheceu o Kraftwerk?

JMJ: Eu tenho visto a banda muitas vezes no palco, mas nunca me encontrei com eles pessoalmente.

RP: Você teve a oportunidade, por que você não convidou o Kraftwerk para contribuir para o seu projeto de álbum?

JMJ: Oh, não. Eu sei que eles funcionam de forma diferente do que eu. Eles não estão muito interessados em colaborações. Eles também não querem criar nada de novo, mas rever seu trabalho, melhorar e interpretar de forma diferente. Eles fazem essa coisa de museu. Isto é muito interessante. Mas eu já sabia que eles iriam me dar uma rejeição.

RP: Podemos dizer desta maneira: a sua música com uma propensão para uma escala crescente é o oposto do minimalismo do Kraftwerk?

JMJ: Sim, existe alguma verdade.

RP: A música eletrônica da França parece mais quente do que a alemã?

JMJ: É uma tradição. No início da música eletrônica na Alemanha é a apoteose da máquina e do robô. Na França se trata de algo impressionista. Estamos trabalhando em ambientes e paisagens sonoras. Viemos de Debussy e Ravel. Eu acho que essa é a razão.

RP: Atualmente a eletrônica francesa é mais bem-sucedida do que a alemã, certo?

JMJ: Sim,pode ser, artistas como Daft Punk ou AIR atualmente fazem mais sucesso. Mas o que quase ninguém reparou: Alemanha produz todos os dispositivos no mercado que são necessários para produzir. A música eletrônica atual esta baseada nas ferramentas alemãs. Pro Tools, Logic, Native Instruments, Ableton Live: Isso é tudo da Alemanha. Os Alemães constroem os instrumentos do futuro! Meus colegas ao redor do mundo estão trabalhando com hardwares e softwares alemães.

RP: Você ouve que tipo de música em particular?

JMJ: Eu gosto de jazz, Miles Davis e John Coltrane. Também gosto de hip hop, Public Enemy e Eminem.

RP: Gostaria de ler sua autobiografia.

JMJ: Eu vou escrever sobre turismo. É uma mistura de autobiografia e romance.

Link: http://www.rp-online.de/nrw/staedte/duesseldorf/kultur/ich-bin-das-gegenteil-von-kraftwerk-aid-1.5920075

LECHO.BE – BELGICA (23/04/2015)

LECHO: Surpreendente você colabora com artistas como Cyndi Lauper, cuja carreira parece muito distante…

JMJ: Para mim, Cyndi Lauper, foi a primeira Lady Gaga. Todos aqueles no álbum são “geeks”, são apaixonados. A voz de Cindy Lauper sempre me espantou. Ela inventou o auto-tune, mas dentro de sua laringe! É natural para ela. “Swipe To The Right”, a canção com Cyndi é na verdade uma “canção de amor” bastante “dark” que fala sobre o sentimento de amor no tempo do Tinder.

jarre lauper

 

L: Você assumiu um risco com estas colaborações, você não tem medo da recepção da crítica?

JMJ: “Electronica 1”, com raras exceções, tem sido muito bem recebido na França. Haverá sempre oportunista contra o chão, e isso torna as coisas vivas. Mas cheguei a um momento em que, francamente… eu não me importo. Eu estava falando com Christopher, eu acho que de uma vez, fazemos as coisas para nós mesmos, você espera que as pessoas vão segui-lo, mas que você não deve parar de se mover. Este é o conselho que eu daria aos artistas que estão começando. Possivelmente, ouçam com atenção, aqueles que você ama. E então, depois, a música ou o grupo a qual você pertença mais. Assim, eles podem te amar ou odiar, mas não deve impedi-lo de avançar.

 

L: Sua música é muito atual com seus sons, oscilando entre EDM e techno. Alguma vez você já sonhou em retornar ao sucesso à moda dos anos 80?

JMJ: O que eu queria fazer com este álbum é trazer artistas que eu acho que é o som de hoje. Por exemplo, eu queria ouvir Gary Numan, uma grande estrela nos anos 80, com seu som de 2016. Um artista nunca está morto. Naturalmente, as pessoas com quem trabalhei não tem absolutamente nenhuma necessidade minha, mas eu queria contar uma história através da música eletrônica, e revisitar diferentes períodos. Seja com Pete Townsend ou AIR, para mim não há diferença. Todos eles têm sons instantaneamente reconhecíveis e, finalmente, todos são um pouco “off” versus a “tendência” ou moda.

Meu último álbum conseguiu uma mistura bastante equilibrada de tudo isso e que eu poderia trazer.

 

L: Artistas de cada vez “evitado” pelo retorno a graça do público, como Christophe, Alain Chamfort ou a si mesmo. Você tem um sentimento de vingança para voltar ao centro do palco?

JMJ: Honestamente, eu nunca considerei “na frente do palco,” e por isso eu nunca considerei ir lá mais tempo. A última turnê que eu fiz foi muito bem-sucedida, mas parei depois de 250 concertos em todo o mundo. Então eu tive alguns momentos difíceis, como todos nós temos, com a perda de ambos os meus pais, e muito mais. O último projeto era então uma espécie de viagem de iniciação, e eu não tinha ideia de como seria recebido. Para ter o espírito da “vingança”, isto requer vingança por algo. Agora me sinto extremamente privilegiado na minha vida.

Eu acho que é o mesmo para Christophe. Todo mundo fala sobre o “retorno…”, mas Christopher nunca abandonou a música! Aqueles neste álbum fazer música porque querem e não porque a gravadora lhes impõe.

 

http://www.lecho.be/culture/musique/Jean_Michel_Jarre_On_passe_plus_de_temps_a_caresser_son_smartphone_que_son_partenaire.9758359-3055.art?ckc=1&ts=1461588676

 

 

KRONE – AUSTRIA (27/04/2016)

jarre-entrevi1

KRONE: Esse foi certamente de longe o projeto mais ambicioso da sua carreira?

JARRE: Inicialmente, eu não tinha um grande plano,não sabia onde isso tudo iria me levar e finalmente, houve um grande projeto absoluto. Eu não estava preparado para a intensidade do trabalho. O projeto cresceu quase na rua, porque tudo foi se revelando gradualmente. No final, foi sem dúvida o mais ambicioso da minha carreira.

KRONE: Desde o início você teve estes músicos muito especiais na cabeça para participar do projeto?

JARRE: Absolutamente. Na verdade, tudo o que você ouve nos dois álbuns é porque eles se encaixam por algum motivo no projeto. Os Pet Shop Boys, por exemplo, definitivamente influenciou a mistura de Britpop e música eletrônica – também eles tinham através da sua utilização na comunidade gay uma abordagem política. Mesmo a Peaches é um ativista muito feminista, subversiva que tem um som eletrônico único. Hans Zimmer, é grande compositor de Hollywood, também tem um fundo no campo eletrônico e Primal Scream tem esse toque psicodélico e punk, a música eletrônica tem aqui e ali. Gary Numan, por exemplo, é algo como o David Bowie da música eletrônica. Havia razões especiais para todas as pessoas que escolhi para o projeto.

 

KRONE: Você simplesmente sempre foi o “Cavaleiro Solitários” nas composições, portanto, estas colaborações foram um pouco frutíferas?

JARRE: Às vezes, por isso, sim. No começo eu era naturalmente um pouco tímido e eu usei o meu tempo para abrir as portas para trabalhar com os outros. Nós músicos, muitas vezes não funcionamos da mesma maneira que outras pessoas como nós gostaríamos desde o início. Levou um longo tempo, porque todos tiveram seus planos e cronogramas, mas tudo o que eu vejo como um privilégio, foi uma experiência extremamente rica poder criar esses álbuns.

 

KRONE: É difícil imaginar que alguém é tímido quando ele se apresenta para 3,5 milhões de pessoas em Moscou…

JARRE: Isso soa mais louco do que é. E é muito pior se você ficar sozinho com uma guitarra no palco e toda atenção está para você, como para ser uma parte de muitos elementos visuais. O concerto é uma química clara entre palco e a platéia.

 

KRONE: o aspecto visual de seus shows é mais importante do que a criação das músicas?

JARRE: A Visual é uma consequência da música. Exclusivamente apenas ouvir música eletrônica simplesmente não é suficiente. Quando as pessoas hoje compram os ingressos caros para shows, eles também querem ter uma experiência total. Hoje, temos expectativas simplesmente visuais de nosso artista e então eu mudei minha mente, como eu posso fazer com meu show. Isso foi realmente a fonte disto para mim.

 

KRONE: A música eletrônica de hoje também trouxe muito rapidamente um conjunto com DJs de mercado de massa como David Guetta, Avicii e Tiesto. Como você se sente sobre o campo EDM e por que você não trabalhou com qualquer um destes artistas nesta área?

JARRE: Eu fiz uma música com Armin van Buuren, portanto este gênero não é estranho. É simplesmente um setor novo e diferente da música eletrônica. O EDM mudou muito e eu tenho ligação com o trance, porque isto mudou a música novamente na frente de pessoas como van Buuren da qual tenho grande respeito. A maioria destes DJs são hoje mais artistas pop, e não é uma parte da cena da música eletrônica. As grandes estrelas fazem canções pop. Entre Avicii e Carl Cox, há enormes diferenças. Com todo o respeito, mas quando ouço uma música de Calvin Harris, então ele não é um músico eletrônicos para mim da família. Isso não é ruim, apenas diferente. Mas eu tenho trabalhado aqui e ali com as pessoas da cena, é preciso estar sempre aberto a novas ideias.

 

KRONE: Em 17 de novembro, você vem com seus novos álbuns para tocar no Wiener Stadthalle(Austria). O que podemos esperar ?

Jarre: Eu estou trabalhando em um conceito de que grandes festivais e shows fechados podem se conectar da mesma forma. É uma estrutura narrativa, que é reforçado por meio de vídeos e visuais. Eu gostaria de distribuir uma sensação 3D, porque a música é uma atividade tridimensional. Ar vibrando é passado a partir da fonte para o ouvido das pessoas. Nós simplesmente trabalhamos para adaptar toda a delicadeza óptica e adições gráficas para o desempenho global.

KRONE: Em vários de seus concertos teremos alguns convidados com  você no palco?

Jarre: Musicalmente eu tento meus clássicos como  “Oxygene” ou “Equinoxe” para conectar-se com um som contemporâneo  de 2016. De vez em quando eu também devo ter o apoio de  alguns artistas, mas que estarão sempre, naturalmente, para os respectivos horários.

 

KRONE: Existe alguma coisa que você acha particularmente que foi bem memorável em  Viena?

Jarre: Viena é naturalmente uma cidade fortemente muito associada com a música clássica, mas também a eletrônicos. A música eletrônica definitivamente não tem nada a ver com o  pop norte-americano, mas com a música Europeia um pouco básica. A música eletrônica é uma descendente direta da música clássica e não tem nada a ver com rock, blues e jazz. Tocar em Viena é sempre muito especial para mim, porque esta cidade foi durante séculos o centro de vários tipos de música.

 

KRONE: Você já tocou na frente de milhões de pessoas, produzindo sons para o cosmos e para o mar profundo. Existe ainda um sonho que deseja realizar?

Jarre: Eu me sinto muito privilegiado por ser um artista e os artistas que trabalharam comigo nos dois álbuns “Electronica” foram um dos meus maiores sonhos. Eu só acho que no dia-a-dia  eu tentarei continuar a cumprir o meu sonho que eu vivo a cada dia. Eu quero compartilhar esse sonho com o meu público e espero que isto esteja  inspirando os meus fãs. Esse é o meu objetivo.

http://www.krone.at/Musik/Jean-Michel_Jarre_Snowden_ist_ein_Vorbild!-Krone-Interview-Story-506384