CONCERTO DE HOUSTON COMPLETA 30 ANOS

12966105_1052868431418229_1069949580_n

Um dos mais espetaculares concertos de Jean Michel Jarre e por que não, da história da música: “Rendez-Vous Houston”, completa neste ano seu 30° Aniversário.

O concerto de Houston foi um marco na carreira do artista, para celebrar eventos cívicos e prestar uma homenagem aos sete astronautas do Ônibus Espacial Challenger, falecidos em uma explosão 73 segundos após seu lançamento da missão espacial da NASA “STS-51-L ” em Cabo Canaveral, na Florida, Estados Unidos em 28 de Janeiro de 1986, evento que havia provocado uma comoção mundial.

HISTÓRIA

A história do concerto de Houston começou em meados de 1985. Jarre e sua produção foi contactada pelo Diretor Artístico da “Houston Grand Opera” com a proposta de se criar um show para celebrar no ano seguinte o 150° aniversário de fundação do Estado do Texas e da cidade de Houston, além de celebrar os 25° aniversário de fundação da agência espacial americana, a NASA, cujo um dos principais centros, o Centro Espacial Lyndon B. Johnson é o centro de comando dos voos tripulados, treinamento, pesquisa e controle de voo da NASA.

Por causa do envolvimento da agencia espacial americana, J.M. Jarre teve a chance de passar a ter contato com membros do staff da agência e com o astronauta americano o capitão Bruce McCandless II (o primeiro homem a realizar um atividade extra-veicular (EVA) usando uma mochila-espacial (MMU). O Capitão McCandless apresentou a Jarre, o também astronauta Ronald McNair, assim com ele, um veterado de voos no Ônibus Espacial (Space Shuttle) e saxofonista de jazz. Juntos eles tiveram a ideia da celebração no espaço, onde Jarre comporia uma música que seria executada no espaço pelo astronauta McNair com seu saxofone na próxima missão que ele embarcaria, que estava agendada para janeiro de 1986. A ideia era que McNair  iria tocar (e gravar em vídeo) a nova peça de música, que passaria então a ser projetada (por meio de reprodução de vídeo) em uma tela gigante que seria construído na parte da frente de um dos edifícios de Houston, durante o concerto agendado para 5 de Abril de 1986. Muita gente pensa que o link com o espaço durante o concerto de Houston seria ao vivo, o que não é verdade. Tudo seria gravado no espaço em Janeiro para ser exibido no concerto em Abril.

Ronald McNair em missão anterior do ônibus espacial, tocando seu sax em orbita.
Ronald McNair em missão anterior do ônibus espacial, tocando seu sax em orbita.

No dia 28 de Janeiro de 1986, antes do lançamento da Challenger, o astronauta Ron McNair ligou de Cabo Canaveral nos Estados Unidos para Jarre na França para dizer: “Está tudo pronto, te vejo em uma semana. Me assista pela TV a decolagem”. Infelizmente como sabemos, 73 segundos após a decolagem a nave explodiu e os 7 tripulantes, incluíndo McNair morreram. Atônito a tudo que aconteceu, a primeira reação de Jean Michel Jarre foi cancelar o concerto de abril, mas com o apoio de vários astronautas e de McCandless, que ligou diretamente para Jarre, pediram que o artista não cancelasse o show e que o evento deveria ser agora uma homenagem aos sete herois que perderam as vidas na destruição da Challenger.

Jarre então aceitou o desafio e passou a preparar o concerto, ao mesmo tempo que dava toques finais de seu novo álbum, “Rendez Vous”, a ser lançado no concerto. A preparação para o show não foi as mil maravilhas. Chuvas caíam em Houston a um par de dias antes do concerto, destruindo grande parte do equipamento no palco (que foi reparado quase que em cima do dia do concerto), quebrando os fios e arruinando instrumentos. Além disso, houve rajadas de ventos muito forte soprando durante toda a semana, o que acabou dividindo e abrindo  a tela de projeção gigante (que foi feita a partir de vários painéis de lona pequenas) e fazendo-a desabar. Novos ajustes as pressas.

A polícia local apareceu durante o meio de um ensaio exigindo o pagamento imediato de uma multa, motivo:  os moradores que viviam nas proximidades reclamavam do barulho excessivo e ficaram exaustos por suas noites sem dormir. Além disso, os agentes do FBI ameçaram pôr fim a todo o processo porque eles estavam sendo privados de eletricidade, pois 30 grandes lâmpadas foram instaladas no topo da sede do FBI, e eles estavam causando problemas com a vigilância do coronel Gaddafi que naquela época teve o país bombardeado por aviões de guerra americanos, que prometeu retaliar com ações terroristas.

Montando a Le Tribe

Para montar este show de proporções épicas, o músico francês Jean Michel Jarre e seu produtor Francis Dreyfus, tiveram que praticamente começar toda estrutura do evento do zero. O fato da experiência de shows do músico até aquela data ter sido marcante (La Concorde seu primeiro concerto ao ar livre bate o recorde de público de mais de 1 milhõa de pessoas e a turnê chinesa foi a primeira oportunidade de um músico do ocidente tocar no país até então fechado) , a experiência de um evento daquelas proporções ainda eram bastante limitadas. Como surpreender os americanos, considerados os reis do entretenimento e realizando um evento em um dos estados mais conservadores do país o que poderia definitivamente abrir portas, como também fechar as mesmas na mesma proporção ?

Naquele período, Jarre já não fazia mega concertos como La Concorde, realizado em 1979 e a turnê chinesa havia ficado bem distante também. Era necessário reformular uma nova equipe de músicos, chamar antigos colaboradores e recrutar novos. O primeiro nome da lista foi Michel Geiss, o seu braço direito desde o lançamento de “Oxygene” e que aos poucos começou a se afastar das produções nos últimos albuns. Assim, no verão de 1985, Jarre e Geiss se encontraram em um restaurante perto de Croissy, onde Jarre morava e durante o encontro Jarre fez o convite:  “Michel, foi uma idéia muito boa nos encontrarmos hoje! Eu tenho algo grande para dizer-lhe! Acaba de me ser oferecido para montar um enorme concerto em Houston, Texas. E a NASA está envolvida, eles vão celebrar o 25º aniversário da agência. E a cidade de Houston vai celebrar o seu aniversário de 150 anos”.  Aquela notícia havia deixado Geiss chocado. E acrescentou: “Michel, eu quero que você seja meu parceiro no projeto. E há muito o que fazer! “. Obviamente Michel Geiss aceitou o desafio na hora.

A primeira " le tribe " ninguém esquece...
A primeira ” le tribe ” ninguém esquece…

Uma das primeiras providências de Geiss era montar a nova equipe do show, não seria composta apenas de tecladistas, mas também haveria baterista, baixista, saxofonista etc. A primeira ideia seria recrutar músicos americanos e isto poderia ter ajuda do pai de Jean Michel, Maurície Jarre, mas a ideia foi logo descartada. Então começaram a recrutar músicos franceses para o show. Esta lista de músicos, era na sua maioria, conhecidos e amigos de Geiss. Um dos primeiros recrutados, foi Francis Rimbert, na qual Jarre só conhecia o trabalho de alguns demos (na verdade, Rimbert foi o responsável tecnico da Roland, durante o concerto de La Concorde). Em seguida Geiss chamou o baterista Joe Hammer, um ex-colega de trabalho da Fairlight France. O pianista da ópera de Paris, Sylvain Durand e sua esposa na época, a soprano  Christine Durand. E depois Geiss trouxe Pascal Lebourg e Dino Lumbroso. A única excessão havia sido Dominique Perrier, já um conhecido músico de Jean Michel Jarre e que havia ido para a histórica turnê na China em 1981 e ex-membro da banda Space Art. O grupo ficou conhecido como “Le Tribe” (a tribo) e acabou virando a base dos músicos que passaram a tocar com Jarre ao longo dos anos seguintes.

Projeções

Jarre decidiu usar os projetores de slide gigantes da PANIS (empresa austríaca). Para isto foi atrás de empresas que poderiam fornecer os slides, ele começou a trabalhar com a “Paris Hold Up”, e em seguida  com a ‘Ere Force” (Franck Luc Dancelme). Geiss havia vistou outra empresa e pegou o cartão-de-visita, logo ele chamou Villèsbrunne Arnaud,que foi então o responsável pelos slides de Houston e mais tarde passou a ser um colaborador direto de Jean Michel Jarre em outros shows ficando com ele até os dias de hoje.

Skyline de Houston totalmente modificado pelo concerto.

Skyline de Houston totalmente modificado pelo concerto.

JM_Jarre_Houston_Show002

McNair

Michel Geiss foi o responsável em visitar o astronauta e músico Ron McNair e sua familia para preparar a faixa que seria executada no espaço.  Quando Geiss estava no quarto de hotel em Houston, assistindo TV, foi dele a ideia de gravar os sons dos telejornais sobre o concerto que mais tarde seriam usados no álbum “In Concert Houston/Lyon” (ou Cities in Concert). E também se encontrar com Michael Woolcock, ex-diretor musical da Orquestra Sinfônica de Houston, e responsável pela promoção do projeto na qual surgiu o convite para Jarre tocar em Houston. Woolcock faleceu em 2010.

Outra ideia sugerida seria encontrar uma relação entre o sistema de telemetria laser do Observatório McDonald com a música. Apesar de achar a idéia bastante estranha, Jarre mandou Geiss estudar a viabilidade, enviado-o até o observatório. Segundo Geiss, eles viajaram até o Observatório que ficava em uma região desertica do Texas, perto da fronteira com o México, um lugar totalmente isolado mas fantástico. A idéia seria usar o feixe de laser do Observatório McDonald diretamente na superfície lunar. A ideia logo teve que ser abandonada motivada pela falta de tempo na conclusão do álbum “Rendez Vous”, que Jarre estava finalizando na França.

jarre houston1

Bombeiros

Houve ainda mais um pequeno problema antes do show começar. O Chefe do Departamento do Corpo de Bombeiros de Houston, Robert Clayton, disse a Francis Dreyfus, produtor de Jarre, que o show deveria ser cancelado. Isso se deveu a uma mudança de direção do vento, o Chefe estava preocupado que a multidão que poderia ser pega de surpresa com os restos dos fogos-de-artifício. Depois de alguma discussão vai-e-vem com Dreyfus, Clayton concordou que o show poderia continuar em um “vamos ver no que vai dar”.

O show aconteceu no dia 05 da Abril de 1986, as 20:00. E os únicos problemas foram:

– Durante o concerto (especificamente, durante a execução de Equinoxe Part 5), a quantidade de fogos-de-artifício utilizado e a direção do vento, de fato, cobriu parte do público de cinzas. O Chefe Clayton freneticamente começou a tentar parar o processo, temendo que as pessoas ficassem feridas. Apesar de seus temores serem devidamente anotados, a multidão não tomou conhecimento das cinzas caindo sobre elas e continuaram a desfrutarem maravilhadas do concerto.

– Durante o concerto a rodovia Interstate 45, que passa no centro da cidade perto do Buffalo Bayou Park, congestionou-se com uma fila enorme de carros parados e estacionados na rodovia lotada com gente aplaudindo, chorando e rindo em uníssono com as outras milhares de pessoas abaixo no parque em frente ao palco. Houston nunca mais esqueceu o evento.

jarre houston

Show dividido em 3 partes, logo após uma contagem regressiva, como nos lançamentos espaciais. A primeira parte celebrou o “Espaço Rural”, depois o “Espaço Urbano” e por fim o “Espaço Sideral”.

Jarre e sua harpa laser
Jarre e sua harpa laser

TRACKLIST DE RENDEZ VOUS – HOUSTON

Cowntdown

Ethnicolor part 1

Rural Space

============

Oxygène Part 1

Oxygène Part 2

Oxygène Part 4

Equinoxe Part 7

Souvenir of China

Urban Space

============

Equinoxe Part 4

Equinoxe Part 2

Equinoxe Part 5

Outer Space

===========

Rendez-Vous 3

Rendez-Vous 2

Oxygène Part 5

Last Rendez-Vous (Ron’s Piece)

Rendez-Vous 4

Rendez-Vous 4 (encore)

MÚSICOS:

Teclados: Jean Michel Jarre -Michel Geiss – Sylvain Durand – Dominique Perrier – Francis Rimbert – Pascal Lebourg

Bateria: Jo Hammer

Percussão: Dino Lumbroso

Saxofone: Kirk Whalum

Soprano: Christine Durand

Coral: The High School for the Performing and Visual Arts

Coral: The Singing Boys of Houston: Choir

MÍDIAS:

Para o concerto Jarre convidou o diretor americano Bob Giraldi para filmar o show para posterior laçamento em home-video.  Giraldi, já havia dirigido o video-clip da música “Rendez Vous 4” (que chegou a ser exibida com exclusividade no Brasil no programa  Fantástico da Rede Globo no 2° semestre de 1986), filmou o show com várias câmeras que se posicionaram em diferentes pontos de Houston e perto do palco, para mostrar toda a grandiosidade do espetáculo. Denis Vanzetto, Michel Geiss fizeram a mixagem do vídeo e durante o ano de 1986, Jarre chegou a declarar que lançaria um VHS duplo com o show completo de Houston e um making of de 20 minutos e também lançaria o show em um exclusivo  formato CDI (ou CD interativo) uma mídia em CD com imagem e som que estava sendo desenvolvida pela Polygram-Philips e cujos projetos iniciais para o mercado de home video em 1987 seriam três lançamentos : um filme do Coppola, um concerto do Karajan e o concerto de Houston de Jarre. Para isto Jarre teria recrutado dois técnicos franceses especializados em passar videos analógicos para o digital Christian Jacob e Alaio Mangenot. Este lançamento nunca veio a luz do dia, muito menos o VHS duplo.

VHS americano e Europeu do Concerto de Houston lançados nos anos 80 (fora de catálogo)
VHS americano e Europeu do Concerto de Houston lançados nos anos 80 (fora de catálogo)

O lançamento oficial do VHS de Houston foi em 1987, pela Polygram Video na Europa e também em um lançamento exclusivo no Texas, EUA, pela Disques Dreyfus.  O vídeo foi todo editado e a versão americana é um pouco maior que a Europa, na qual inclui as pessoas falando e os programa de TV da cidade de Houston sobre o concerto, igual a abertura do album .

Um LP também foi editado e lançado em 1987, “Jean Michel Jarre in Concert Houston/Lyon” , com o lado A, contendo músicas do concerto de Houston e o lado B, contendo músicas do concerto de Lyon.

O álbum foi depois relançado em uma caixa especial com o CD sendo renomado para “Cities in Concert”, com algumas faixas bonus a mais. Depois ficou sendo o CD oficial após o relançamento dos remasters em 1997 pela Sony Music. Um novo remaster foi publicado pela Sony Music em 2015.

Album "Cities in Concert" Remaster Sony Music - 2015
Album “Cities in Concert” Remaster Sony Music – 2015

TRANSMISSÃO DE TV NO BRASIL

Os direitos de transmissão do Concerto de Houston, por Jean Michel Jarre, entrou em disputada por duas emissoras brasileiras, a Rede Globo e a Rede Manchete. Saindo a primeira vencedora, que exibiu o concerto na TV brasileira no dia 21de dezembro de 1986, como um especial de final de ano em um domingo, após o programa “Fantástico”, oportunidade também para a Polygram do Brasil exibir a propaganda de TV do álbum Rendez Vous. O programa “CLIP CLIP” na tarde do dia 31/01/1987 (sábado), resprisou o concerto uma única vez.

RECORDE DE PÚBLICO

O Concerto “Rendez-Vous Houston” quebrou o recorde de público ao ar livre…que pertencia ao próprio Jarre. Foram mais de 1,3 milhões de pessoas segundo disseram as autoridades oficiais da cidade de Houston (estimativas não oficiais apontam para 1,5 milhões).

O Guinness Book(O livro dos Recordes), outorgou o novo recorde em sua edição 1987 e Jarre recebeu um sua notificação de Quebra de Recorde mundial ao lado de sua então esposa, a atriz britânica Charlotte Rampling.

Curiosamente, o recorde anterior era do próprio Jarre(La Concorde -1979) …e o seguinte…também seria (La Defense-1990).

Jarre recebe a notificação do Guinness Book da quebra de recorde mundial de público.
Jarre recebe a notificação do Guinness Book da quebra de recorde mundial de público.

 

Charlotte Rampling e Jarre felizes pela nova entrada no Guinness Book (edição 1987)
Charlotte Rampling e Jarre felizes pela nova entrada no Guinness Book (edição 1987)

Para saber mais:

Nossos textos sobre o concerto de Houston (25 anos):

http://www.jarrefan.com.br/?p=2171

http://www.jarrefan.com.br/?p=2179

http://www.jarrefan.com.br/?p=2182

http://www.jarrefan.com.br/?p=2194

http://www.jarrefan.com.br/?p=3104

Assista ao Concerto: “Rendez Vous Houston” aqui:

Fonte: J.M.Jarre / Michel Geiss/ Fairlight Jarre / Glenn Folkvord