JEFF MILLES CONTA SOBRE A COLABORAÇÃO COM JARRE EM ELECTRONICA 2

miles

Em entrevista para a Revista francesa TRAX MAGAZINE, o músico eletrônico, produtor musical e DJ americano, Jeff Milles, falou sobre sua colaboração com Jarre, que fará parte do volume 2 do álbum “Electronica” que será lançado em meados de 2016.

P: A quanto tempo você conhece Jean Michel Jarre?

JEFF MILLES: A cerca de 15 anos. No dia em que nos conhecemos, ele me convidou para sua casa e ficamos conversando sobre música durante 4 horas. Nós imediatamente queriamos trabalhar juntos. Na época ambos queriamos trabalhar com o escritor Sir Arthur C Clarke (autor de 2001 – Uma Odisseia no Espaço) que muito apreciamos. Jarre e ele se conheceram desde a década de 80, mas Arthur morreu em 2008 e o projeto foi tristemente abandonado. Então tenho o prazer de finalmente trabalhar com Jean Michel.

P: O que você falar sobre a primeira vez que você o encontrou?

J.M.:Eu queria fazer-lhe um milhão de perguntas. Além disso, durante essas quatro horas, eu literalmente o bombardeava com perguntas. Lembro-me que deploramos a falta de colaboração entre jovens e idosos. Este é exatamente o que acontece com Electronica, este encontro entre artistas de todas as gerações. Também me lembro de sua incrível coleção de teclados, que foram entronizados em uma sala enorme, como em um museu.

P: Como surgiu esta nova colaboração?

J.M.: Jean Michel  Jarre entrou em contato comigo há um ano para explicar seu projeto. Ele explicou o conceito de propriedade em que iríamos trabalhar: era um trem que corre acima da água. Eu acho que foi uma visão que ele teve … Enviei-lhe algumas composições e idéias que surgiram a partir desta visão, como um reflexo do trem na água, sua velocidade, seu destino, a natureza de sua carga ( ele transporta pessoas ou coisas?), criaturas vivendo debaixo d’água, observando a passagem de trem, etc. Foi muito inspirador. De qualquer forma, o seu mundo sempre foi uma inspiração.

P: Em uma entrevista na Trax em 2010, Jean-Michel Jarre disse que o segredo para a longevidade “não era para estar na moda, não pertencer a um movimento.” Você concorda?

J.M.: (Ele ri e pensa) Eu não acho que essa fórmula funciona para todos os artistas. Às vezes é útil para pertencer a um movimento, e às vezes não. No entanto, estou certo de uma coisa: é importante ser o seu próprio juiz e tentar não ser influenciada pelas opiniões dos outros, mesmo quando essa opinião seja positiva. Quando você faz parte de um grupo ou um movimento, há sempre um elemento de compromisso.

P: Houve um compromisso para a colaboração?

J.M.:Não, porque todos trabalharam em seu espaço. Ao compor um multi-track, algumas pessoas vão amar e outras não. E esta composição não é certamente até o que podemos fazer por si só, por causa do compromisso. Eu aprendi, pessoalmente, que não gostaria de fazer parte de um grupo. A melhor abordagem ao trabalhar com os outros, é em primeiro lugar falar sobre o trabalho, em seguida, cada trabalho do seu lado, e depois montá-lo. Este é exatamente o processo que seguimos com Jean-Michel.

FONTE: http://fr.traxmag.com/interview/30515-jeff-mills-l-entretien-100-jean-michel-jarre