“ELECTRONICA I – THE TIME MACHINE” – ENTREVISTAS DE DIVULGAÇÃO PARTE 2

capture_decran_2015-08-28_a_15.04.06

Novas entrevistas da imprensa mundial sobre o lançamento de “ELECTRONICA I – THE TIME MACHINE”. Elas foram editadas por causa de muita coisa já repetida de outras entrevistas.

FRANCEBLEU.FR (FRANÇA) – 02/10/2015

O álbum é chamado Electronica 1 … Haverá um número 2?

JMJ: Sim, eu estou terminando de mixar a segunda parte, que sai em abril(2016). Não há nenhum conceito como noite e dia, o presente e o futuro. É que, por razões de tempo, foi dividido em dois. Existem quinze colaboradores, pessoas muito diferentes, como Sébastien Tellier ou Hans Zimmer [o compositor da música do Rei Leão, Insterstellar] … Eu não vou enumerá-los todos porque você tem que manter uma surpresa!

No álbum, há um “mix contínuo” para ouvir o álbum de uma só vez, do começo ao fim. Isto é como você recomendaria ouvir?

JMJ: Electronica pode ser concebido de duas maneiras. Hoje, estamos em contínuo zapping de Informação e música. Ao mesmo tempo, nós também estamos em um período onde podemos fazer toda a temporada de’ House of Cards’ ou ‘Breaking Bad’ continuamente!
É o mesmo com o meu álbum: pode-se ir bicando música no YouTube ou iTunes, selecione uma música porque sabemos dos colaboradores e descobriremos os outros, ou podemos ouvir em continuidade. A minha escolha como músico é obviamente é ouvir continuamente, porque é como uma viagem real, uma trilha sonora do relacionamento que cada um tem diferentes estilos de música.

As colaborações irão tocar junto com você nos shows?

JMJ: Existe um número de colaboradores que disseram que estarão prontos para ir comigo no palco em um momento ou outro. Então, eu vou começar com um passeio nos festivais em abril(2016) e depois então uma turnê ao redor do mundo até o final de 2017, com muitos concertos na França . E eu acho que alguns colaboradores se juntaram a mim , às vezes na estrada. Cada concerto vai ser um pouco diferente.

https://www.francebleu.fr/infos/culture-loisirs/interview-electronica-la-machine-explorer-le-temps-de-jean-michel-jarre-1443795630

BBC – (REINO UNIDO) – 04/10/2015

“Eu tenho escutado alguns planos para tocar no Festival Glastonbury(Reino Unido) no próximo ano… É bastante desafiador para mim tentar seqüestrar o espaço do palco e lidar com as mesmas regras que todos. É algo que me excita muito, vamos ver.” JMJ

LE DAUPHINE (FRANÇA) – 09/10/2015

Por que chamar o álbum de um conceito tão simples como “Electronica”?

JMJ: Como Lyones, música eletrônica pra mim é como fazer a cozinha: nós cozinhamos frequências de uma maneira muito orgânica com as mãos. Isto não é só cerebral, frio, robótico, como é frequentemente descrito. Isso é algo material com muito envolvido . A Electronica poderia ser a musa do século XXI como a eletricidade (luz) foi para o século XX.

Você é conhecido por seu perfeccionismo. Enquanto isso pode ser benéfico para o nível artístico, isto tem prejudicado no plano privado?

JMJ: É muito complicado projetar uma vida pessoal com o caminho de um compositor que não faz horas. Eu não tenho tirado umas férias para dois, três anos, mesmo que eu não possa reclamar … É uma programação não-padrão. Uma relação é feita sobre a regularidade dos relatórios, um ritmo biológico, emocional e, a partir do momento que você explodir sua obsessão, as coisas ficam complicadas!

Tive a sorte de ter na minha vida Charlotte Rampling, um artista muito especial que tem uma posição “off” na comunidade e sua profissão como eu sou. Ela pode ter uma vida familiar completamente equilibrada, criou nossos filhos de uma forma harmoniosa, mas isto é muito raro eu acho … Para as crianças, pode ser complicado ter um pai e um avô músicos, um atriz mãe …

Que você legou de seu pai Maurice , que morreu há cinco anos ?

JMJ: Eu tive que gerir esta ausência , este buraco negro na minha vida. Isto foi abstrato para mim na época . Hollywood, quando eu comecei,as trilhas sonoras eram muito menos na frente do palco como é hoje. Eu sabia que ele estava trabalhando no cinema , mas eu estava mais influenciado pela música TNP de Jean Vilar . Na verdade, esta lacuna foi pra mim mais forte emocionalmente , profissionalmente orientada a música …

Depois que ele morreu , eu de alguma forma estava ” reconciliado ” com ele. Eu fui gravar com os artistas deste álbum em Los Angeles , que era o “seu” território. Eu recusei-me várias propostas de música de cinema lá. Tudo isso mudou e me sinto estranhamente bem hoje … Sem cair no esotérico , hoje meu pai me ajuda a continuar o caminho .

E sua mãe , foi uma ex-membra da resistencia francesa ?

JMJ : Ela me deu tudo, ela desempenhou o papel de pai e mãe . Da experiência na Resistência , ela me deu coisas, como a diferença entre a ideologia e as pessoas , para não confundir por exemplo, os nazistas dos alemães .

Ela realmente me levantou com um espírito de tolerância, ensinou-me a resistir com seus próprios princípios . É por isso que eu nunca quis boicotar lugares proibidos por um tempo por intelectuais parisienses, eu queria tocar na China, na África do Sul do Apartheid ou em Toulon quando a FN(partido de extra-direita francês de Jean-Marie Le Pen) ganhou a Câmara Municipal. Privar as pessoas de cultura, cinema , teatro, quando eles já estão privados de liberdade é ainda pior ! É quase um dever para um artista a ir a esses lugares ! O risco de ser recuperado, nós não nos importamos , porque o importante é estar em contato com o público .

A música tem o poder de mudar o mundo ?

JMJ: A minha música foi proibida por trás da Cortina de Ferro. Ela simbolizava a fuga e liberdade, o que explica a incrível relação que tenho com o público hoje na Rússia , na Polônia. A música instrumental , assim como o jazz, pode fazer a diferença .

Há quarenta anos, você imaginou o futuro. Está de acordo com suas expectativas ou seus medos?

JMJ: Naquela época, tínhamos uma visão poética do futuro, uma esperança. Foram os autores de ficção científica, “2001 Odisseia no Espaço”, fomos para a lua. Pensava-se que a partir de 2000, seriamos seres bionico, mas em um sentido positivo, e então teríamos um sistema político, educacional, funcionaria muito melhor. Houve um apetite para o futuro, uma iguaria, especialmente uma luz que vieram antes de nós.

Depois de 2000, nos tornamos órfãos do nosso futuro. Nosso horizonte diminuiu, temos medo do nosso futuro e nossos heróis de ficção científica são a Marvels, isto é, dos heróis da década de 40 redesenhados digitalmente, um Batman digitalizado. Este não é o herói do futuro! Hoje, precisamos reinventar a ficção científica, e eu continuo otimista. A sociedade está mudando o eixo, um verdadeiro reflexo está sendo feito.

Por gerações jovens perderam o interesse na esquerda? Fui criado com as idéias de Jaurès e Mendes-France, a minha mãe era um verdadeira esquerdista vermelha em Lyon. Hoje, esses valores sociais são incorporados pelas pessoas da rua. Perguntas sobre os conceitos de direita e esquerda tornaram-se totalmente arcaicas. Precisamos reinventar um outro sistema, eu espero que isso não faz parte da ficção científica, mas em um futuro próximo.

http://www.ledauphine.com/france-monde/2015/10/05/jean-michel-jarre-on-est-devenus-orphelins-de-notre-futur

METAMUSIC.FR (FRANÇA) – 08/10/2015

Jarre e Jeff Mills por volta de 2002 durante uma apresentação do Kraftwerk em Paris.
Jarre e Jeff Mills por volta de 2002 durante uma apresentação do Kraftwerk em Paris.

Nós nunca vi você discotecar em um clube. Por quê?

JMJ: Isso aconteceu comigo de vez em quando, mas em contextos particulares. Eu acho que são os álbuns, devemos fazer quando temos algo a dizer. O projeto Electronica presta-se a este exercício. Fazer um DJ set apenas para fazer um, seria mais uma coisa e isto nunca me interessou. Em vez disso, envolver-se em um conceito de DJ set em relação a um projeto específico para fazer algo pessoal, então sim.

Você encontra-se em comum com artistas como Jeff Mills e Laurent Garnier?

JMJ: Jeff Mills é um dos artistas que estavam no topo das minhas listas es escolhas e isso aconteceu agora, ele aparecerá nos créditos de Electronica 2. Ele é alguém que eu realmente gosto e que eu conheço há um tempo. Nós nos conhecemos há muitos anos, num momento em que ele queria deixar sua imagem de Techno DJ para tentar composição musical. Ele veio me ver no meu estúdio de uma maneira muito tocante e isto muito me impressionou. Ele me pediu conselhos sobre como estruturar uma peça de música. Tudo isso de uma forma simples. Jeff Mills é um artista muito sensível que pensa muito e tem uma rota em constante evolução. Eu realmente queria trabalhar com ele. Tem muito para mim. E eu estou muito feliz, também, com a música que fizemos juntos. Quanto a Laurent Garnier, eu o conheço bem. Ele também poderia ser parte do projeto. Mas tivemos que estabelecer limites caso contrário, teríamos inventado um novo conceito: o “Neverending Album” (álbum interminável). Não é exaustivo: as pessoas que não estão neste projeto não são pessoas que eu não respeite. Muito pelo contrário.

Parece que você colaborou novamente com Christophe, quarenta anos após o álbum Paradise Lost (1975) para o qual você tinha escrito várias músicas …

JMJ: Na verdade, é parte das pessoas que aparecem na segunda parte de Electronica. É um verdadeiro prazer. Desta vez, eu fiz a música e estamos no processo de trabalhar com a gravação de voz. Christophe tem uma abordagem totalmente orgânica para soar e está ligada à exploração de som contínuo. Ele tem, obviamente, um lugar cheio de música eletrônica. E era impensável para ele não fazer parte desta aventura …

http://www.metamusique.fr/2015/10/jean-michel-jarre-retour-vers-le-futur.html