ENTREVISTA: JARRE FALA DOS DOIS NOVOS ÁLBUNS E CONCERTO EM PERTH PARA 2014

No dia 19/07 o músico francês Jean Michel Jarre foi entrevistado pelo repórter Lars Brandle, para o site “The Music Network”. Na posição de Presidente do CISAC, Jarre falou basicamente sobre sua nova luta pelos direitos dos compositores e artistas, o que já vinha sendo tratado nas entrevistas anteriores sobre a entidade, mas também ele revelou alguns detalhes dos esperados “dois novos álbuns”, que ele vem prometendo a quase 2 anos, uma nova turnê e …o Concerto de Perth(Austrália), para o final de 2014.

“The Music Network”

Jean Michel Jarre é apaixonado por música, seja fazendo isso ou tentando protegê-la. O francês é uma figura de destaque no mundo da música eletrônica, com 80 milhões de vendas de álbuns na carreira. Sem a sua música – que incluem obras como Equinoxe e Oxygène e, mais tarde, Mag.Fields e Zoolook – a cena da música eletrônica hoje em dia seria um animal muito diferente. Talvez o “Trance” nunca teria acontecido sem a sua entrada.

 Jarre sempre extrapolou os limites. Em 1981, ele se tornou o primeiro músico ocidental a tocar na China, evento que foi capturado para os concertos no álbum duplo “The Concerts in China”. Seus concertos ao ar livre deram a ele seu status de lenda.

 Em junho deste ano, após a Assembléia Geral do CISAC, Jarre foi eleito como presidente da confederação. É uma grande responsabilidade com o incompreensível trabalho de descrição, agindo como a voz da comunidade mundial dos compositores, defendendo os interesses do CISAC, suas 231 afiliadas e os 3 milhões de criadores e compositores que representa. No CISAC, Jarre sucede outro artista, o “Bee Gees” Robin Gibb, que faleceu em maio de2012. Aconfederação foi fundada em 1926, em Paris, onde sua sede mundial ainda permanece. Não é o primeiro papel na “indústria” de Jarre. De 1998-2000, atuou como porta-voz dos artistas europeus para o IFPI.

TMN: Você tem uma grande responsabilidade como Presidente do CISAC. Como você irá lidar sobre isso?

 JMJ: Em primeiro lugar, quando isto foi discutido, eu disse ter minhas próprias atividades no cenário musical e eu estou trabalhando no meu próximo álbum e em nova turnê, obviamente eu não posso estar disponível todos os dias.  Não é uma organização que está solicitando isso. O que eles estão tentando – e foi o mesmo caso com Robin Gibb (ex-presidente do CISAC falecido no ano passado) – é ter alguém como uma imagem pública, uma figura pública no mundo das artes que possa ser capaz de levar uma mensagem e idéias. Isso é do lado deles. Do meu lado eu acho que é hora de retornar não só para o público, mas também para a sociedade. As centenas, se não milhares de pessoas que trabalham para todos nós, todos os artistas. Autores e empresas de direitos possuem uma imagem bastante negativa em todo o mundo. Há uma confusão em torno do termo de propriedade intelectual, isto é algo que muitas poucas pessoas entendem. Porque por um lado você tem os gigantes da Internet que são consideradas “trendy” e um símbolo da modernidade. E, por outro lado, você possui os editores e produtores que estão sendo considerados como as pessoas olhando para trás, para o passado e sentado em seus potes de ouro. Não é, obviamente, tão simples como parece. Na verdade, é falso.

  

TMN: Você mencionou que você tem um novo álbum vindo?

JMJ :Estou trabalhando em dois projetos de álbuns diferentes. Estou gravando meu próximo álbum, o outro é um projeto especial na Internet. Meu projeto do álbum principal, estou gravando para estar pronto para o fim do ano. E que será acompanhado por uma nova turnê com um novo conceito visual. Tenho também um projeto na Austrália,em Perth. Issodeve acontecer no final de 2014. Vai ser um grande concerto ao ar livre e estamos discutindo isso com a cidade por um bom tempo.

TMN: Essa será sua primeira apresentação na Austrália?

JMJ: Sim. A Austrália é um país que eu tenho um monte de amor e respeito. E também, a Austrália está ligada à minha própria gama de instrumentos favoritos: O Fairlight, o primeiro sampleador de todos os tempos, veio da Austrália. É um grande, grande instrumento. Estou muito interessado e envolvido com a cultura aborígene, do ponto de vista musical e gráfico. Eu adoraria misturar tudo isso no projeto do concerto na Austrália Ocidental. Eu gosto de passear lá, mas também gosto destes projetos pontuais. É como se você não tivesse uma segunda chance para si ou para o público. Você não tem repetição. Mesmo que seja no YouTube, ainda é algo único no fato de ser um concerto único, uma vez, uma noite. É algo que para mim é o melhor. Estou ansioso por isso.

 

TMN: Você ouve sua música influenciando a música eletrônica contemporânea?

JMJ: É um ponto interessante. Eu tenho muitos vínculos com a cena eletrônica e parte de um dos meus próximos projetos é baseado na criação de uma ponte com pessoas que dizem serem influenciadas pelo meu trabalho e vice-versa, artistas que eu estou inspirado. Algumas músicas são bastante atemporais. Eu posso sentir que alguns elementos na minha música são bastante atemporais. E eu posso sentir alguma parte escondida do meu trabalho em algumas novas composições. Eu gosto da idéia. A arte é assim. Somos todos esponjas, constantemente reciclando e remixando.

A entrevista completa pode ser lida em inglês no link abaixo:

http://www.themusicnetwork.com/music-features/industry/2013/07/19/the-hot-seat-jean-michel-jarre/

 

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.

Um comentário em “ENTREVISTA: JARRE FALA DOS DOIS NOVOS ÁLBUNS E CONCERTO EM PERTH PARA 2014

  • 22 de julho de 2013 em 10:43
    Permalink

    Aí, Jean Michel!
    Esse é o Jean Michel Jarre que todos nós amamos!

Fechado para comentários.