JARRE NO DUBAI – ENTREVISTA II

 

 

SEGUNDA PARTE – Entrevista para o Khaleej Times.com

 

 Durante sua visita recente ao Dubai, Jean Michel Jarre deu uma entrevista para o site “Khaleej Times.com”, onde falou sobre vários assuntos.

 

 Entrevistado na sala de conferência do Emirates Towers de Dubai, em um ambiente totalmente relaxado, o músico de 64 anos, rechaça a sugestão de que a tecnologia está repreendendo o talento bruto em um mundo saturado por sons sintéticos.

 

 “- De geração em geração, a tecnologia tem inspirado o mesmo – apertar um botão -“, diz Jean Michel. “Quando o órgão foi inventado no século 16, muitas pessoas foram queimadas por tocar um instrumento que veio de Satanás. Naquela época, as pessoas estavam dizendo que não era um instrumento de verdade e que estavam apenas apertando um botão”

 

 “- Quando eu comecei, era a mesma coisa com sintetizadores e teclados”, continua ele. “As pessoas diziam: ‘Estas coisas não são instrumentos”, pois culturalmente eles foram usados para algo diferente. “

 

 Jarre diz que o pêndulo balança também para o outro lado.

 

 “- Alguns dos atos mais jovens agora também são uma grande influência para mim – Daft Punk, Justice e Chemical Brothers, Moby ou a cena dubstep. Há tantos gêneros interessantes da música eletrônica sob o mesmo guarda-chuva nos dias de hoje. É tudo muito rico e emocionante.”

 

 E ele sem qualquer vergonha utilitarista em sua visão musical, insistindo sempre que os fins podem justificar os meios.

 

 “- Por princípio, eu iria defender todas essas novas formas de fazer música”, diz Jean Michel. “Não se trata apenas de apertar um botão – no final do dia, é só o resultado que conta. Quem se importa se ele é feito com um teclado ou um instrumento virtual?

 

 “- A emoção não vem do instrumento, que vem da pessoa tocá-lo. Mas você vai ser sempre o demônio de alguém.”

 

 Mas talvez a figura mais influente na transição de Jean Michel para a música eletrônica foi Pierre Schaeffer – inventor do gênero da vanguarda “música concreta”, que mistura o amor do compositor falecido pela ciência e a música.

 

 “- Pierre ensinou-me esta idéia de que a música não é feita de notas e harmonias, mas sons”, Jean Michel diz-nos. “A música é como cozinhar – é uma maneira tátil de lidar com esses sons e frequências.”

 

 Sobre o seu álbum debut, “Oxygene” (1976):

 

 “Todas as gravadoras recusaram meu álbum”, lembra, “eventualmente, ele conseguiu um pequeno selo independente que lançou Oxygène. Além disso, havia muitas pessoas enviando seus LPs de volta para a loja, dizendo que havia um problema com a música, porque ela começa com algum ruído branco.”

 

 Apesar de suas raízes desfavoráveis, o álbum se tornou tanto um fenômeno internacional e uma gravação seminal do seu dia – ajudando a inaugurar a era dos synth-encharcados que viria a seguir.

 

 E é nesta capacidade de Embaixador da UNESCO, que ele veio para os Emirados Árabes Unidos, na semana passada, para marcar o 25° aniversário do Education Without Borders (Educação sem fronteiras) no Higher Colleges of Technology de Dubai. Bem como contribuir para grupos locais de estudantes e conhecer importantes figuras educacionais.

 

 “Eu gosto da ligação feita em Dubai entre educação, tecnologia e meio ambiente. É um triângulo interessante”, diz Jean Michel. “No final do século 20, eu acho que nós perdemos a nossa visão e nossas esperanças para o futuro. É hora de recriar essa visão, e cidades como Dubai estão oferecendo esse tipo de fantasia heróica.”

 

 No momento, ele divide seu tempo principalmente entre Paris e Londres, onde ele está em negociações para lançar uma academia de música eletrônica no East End da cidade. Jean Michel também está abrindo a sua agenda de shows normalmente pesada para gravar um novo álbum , que será “sobre reemergente DNA” com músicos de todo o mundo.

 

 Mas o músico também permanece pronto para garantir que ele está ajudando a proporcionar um futuro mais forte e otimista para o planeta e seus habitantes.

 

 “Quando eu comecei com Oxygène, muitas pessoas não estavam envolvidas na ecologia”, diz Jean Michel. “Não havia partidos políticos interessados neste sonho neo-hippie. Agora, todos mais ou menos no planeta têm conhecimento da importância do meio ambiente do planeta.”

 

 “Ele deve funcionar dessa forma para a educação. Mais de um bilhão de pessoas são analfabetas – é só através da educação que nós vamos ser capazes de compreender qualquer coisa de extremismo para crises financeiras para o aquecimento global. Essa mensagem não deve ser dirigida a apenas os governos, mas também para as pessoas na rua.”

 

 “É através da educação que você pode equilibrar pragmatismo com uma visão para o futuro.”

 

 Fonte: http://www.khaleejtimes.com/citytimes/inside.asp?section=citytimes&xfile=/data/citytimes/2013/April/citytimes_April113.xml

 

 

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.

2 comentários em “JARRE NO DUBAI – ENTREVISTA II

  • 27 de maio de 2013 em 20:18
    Permalink

    Music for Supermarkets (Musique pour Supermarché) is a 1983 album of instrumental electronic music by Jean-Michel Jarre . It is notable for having only a single copy pressed, and the subsequent, deliberate destruction of its master plates, effectively making the copy unique.

Fechado para comentários.