MÉLANCOLIQUE RODÉO: ENTREVISTAS PARTE 2

França – 07/01/2020Por: Olivier Bohin

JEAN-MICHEL JARRE: “MELANCOLIA, A FONTE DA CRIAÇÃO”

Jean-Michel Jarre se entrega como nunca se entregou antes em sua autobiografia, Mélancolique Rodéo (Robert Laffont). O astro da música eletrônica lembra de seu pai, o compositor Maurice Jarre, que abandonou ele e sua mãe para viver nos EUA

Sua autobiografia é uma oportunidade de mostrar o homem por trás de seus múltiplos teclados?

Eu queria fazer um exercício de sinceridade. Olhando para trás em tudo que eu já tinha experimentado, eu queria compartilhar todas as minhas vidas com a ideia de que esse desejo veio a mim na morte dos meus pais. Até a data em que eles desapareceram, meu relacionamento com eles como o passar do tempo. Então pensamos no tempo que nos resta. Eu não queria apenas compartilhar uma história, mas também o prazer de conhecer pessoas extraordinárias, de Dali a Edward Snowden, pessoas da minha família, estranhos…

Você é melancólico (rodeio!) … mas não nostálgico!

Gosto de nostalgia quando é literária, em “Proust” ou em outro lugar. Prefiro melancolia. É, para mim, uma parte importante da existência, da criação. Estou tocado pelas obras, pelas pinturas, pela música, que pode ser aparentemente alegre, mas que, ao fundo, escondem uma melancolia subterrânea. Quando vejo minhas fotos de criança, estou ativo, mas, ao mesmo tempo, há em meus olhos uma forma bastante profunda de melancolia. Vem desse abandono do meu pai, dessa lacuna que eu arrastei um pouco.

Você nunca foi capaz de conhecer seu pai, o agora falecido compositor Maurice Jarre, que partiu para os Estados Unidos muito rapidamente depois de conhecer sua mãe. Essa é sua maior lesão?

Continua sendo um enigma para mim, um vazio abismal. É sempre mais fácil para um adolescente ter um conflito aberto com seu pai porque você tem algo contra o qual você pode se rebelar. É uma boa maneira de construir. Não há nada mais complicado do que o vazio. E a natureza abomina ainda mais o vazio de crianças e adolescentes.

Finalmente, sua mãe foi sua primeira fã?

Ela foi uma grande lutadora da resistência, uma heroína de guerra, uma heroína para mim. Formamos uma dupla, não um casal. Vivíamos em condições muito modestas. Meu pai foi para os EUA quando eu tinha 5 anos. Ela lutou por uma pensão insignificante, mas 15 anos depois, era tarde demais. Tivemos que cuidar de nós mesmos. À noite, eu tinha ansiedades, imaginando: se um de nós cai, o que acontece com o outro? Muito rapidamente encontrei trabalhos estranhos, inventando um irmão pintor que não existia para vender pinturas.

A originalidade de sua autobiografia é contar uma história através de objetos de sua vida. Podemos dizer que é o toca-discos Teppaz do seu avô, que é a origem do seu gosto por “hacking” técnico e musical?

André Jarre, avô do Jean-Michel

Acho que o rosto do meu pai era para mim… meu avô. O pai do meu pai era um homem extraordinário, um engenheiro, um inventor que criou não só o Teppaz, o ancestral do iPod, mas também os primeiros consoles de mixagem. Ele me ensinou a relação orgânica, lúdica e sensual com a tecnologia e a criação. Este vírus foi então transmitido para mim pelo meu segundo pai espiritual, o compositor Pierre Schaeffer. Com essa ideia de fazer música como cozinhar. Ou seja, de uma forma muito tátil e muito orgânica. Também é verdade que o gravador Grundig, que vovô me deu quando eu tinha 12 anos, foi totalmente fundador.

Por quê?

Foi lá que comecei a gravar os ruídos da rua, do circo que estava acontecendo perto da minha casa em Lyon, ou os soldados no meio da guerra argelina descendo para a estação de trem de Lyon. Eu estava gravando todos esses sons da vida, e um dia toquei a fita de cabeça para baixo por engano. Então pensei que alienígenas estavam falando comigo. A partir daí, me fez querer mexer com os sons que toquei nas minhas primeiras bandas de rock. Eu estava transformando os sons da minha guitarra sem ter ideia, que um dia seria um método para fazer minha música.

Você é técnico ou músico?

Músico, é claro! Essa questão deve ser erradicada para a música eletrônica como um todo. Porque poderíamos ter feito a mesma pergunta a um organista ou violinista algumas décadas atrás. Você tem que entender a técnica do instrumento em que está tocando. Yehudi Menuhin uma vez me disse: “Você não pode tocar violino corretamente se você não sabe como ele é feito. E observarmos todos os passos em sua fabricação, com cola, madeira…” Para eletrônicos, é a mesma coisa.

Em sua discografia, que título gostaria de enviar a Marte para se tornar conhecido por homenzinhos verdes?

Estou trabalhando nisso no próximo. Será algo relacionado à ideia de eternidade, de atemporalidade.

Fonte: https://www.lechorepublicain.fr/

Canadá – 18/01/2020Por: Marie-France Bornais

<<MÉLANCOLIQUE RÓDEO>> DE JEAN-MICHEL JARRE: O CRIADOR DE OXYGENE CONTA A SUA HISTÓRIA

Pela primeira vez, o compositor francês Jean-Michel Jarre, pioneiro da música eletrônica e criador do fabuloso álbum Oxygène, conta sua história em uma autobiografia extraordinária. Mélancolique Rodéo revela sua vida fora das normas, como músico e grande criador, mas também como um homem de coração.

Em Mélancolique Rodéo, este grande músico fala sobre sua infância, o seu início na música eletrônica, a criação de seus álbuns e shows apresentados na frente de milhões de pessoas.

Ele também entrega momentos de sua vida privada, com Charlotte Rampling e com sua família. E fala sobre encontros importantes com Arthur C. Clarke, Stephen Hawking, Lady Di e Salvador Dali.

A música que ele criou fez muitas pessoas viajarem – literalmente e figurativamente.

Oxygène, o álbum que o impulsionou para a cena internacional em 1976, foi seguido por shows gigantes que detêm o número recorde de público.

Ele também tocou nas pirâmides de Gizé durante a virada do milênio.

Uma jornada inteira… “especialmente para alguém que havia sido diagnosticado para agorafobia!”, diz ele com humor em uma entrevista.

Jean-Michel Jarre, 71, diz que sempre quis escrever um romance.

“Eu tinha esse título,  Mélancolique Rodéo e a ideia de abordar uma história através de objetos por um bom tempo. Quando pensei nisso, pensei que as pessoas com quem mantive contato na minha vida, começando com meus avós e meus pais, são personagens tão fictícios que pensei que esse livro poderia ser uma autobiografia.”

A música

O gosto pela música veio de sua mãe e avô, a figura paterna em sua infância.

“Ele me deu um gravador para o meu aniversário de 12 anos. Passei meu tempo gravando barulhos por todo o lado, sem perceber que esse gravador poderia um dia ser considerado um instrumento musical.”

Paralelo às suas aulas no conservatório e pequenas bandas de rock, um dia, por acidente, ele tocou a fita de cabeça para baixo.

“Senti que um alienígena estava falando comigo… A partir daí, eu comecei a moer os sons da minha guitarra.”

Seu encontro com Pierre Schaeffer, o pai da música eletroacústica, foi decisivo.

Jarre com Pierre Schaeffer

“Esse homem disse que a música não era feita apenas de notas baseadas na teoria da música, mas também feita de sons. E que você poderia, com um microfone ou um gravador, gravar os sons da vida e fazer música deles. Descobri que a música clássica e a música poderiam coexistir, o que também é um trabalho sobre o som. Eu sempre disse para mim mesmo: estamos segurando nossa revolução. Eu estava convencido desde o início de que essa se tornaria a grande música para o próximo século.”

“Big-bang pessoal”

Ele acaba de lançar uma primeira versão no iOS de um álbum infinito, EōN, que se desdobra “como uma espécie de big bang pessoal”.

“Você pode ouvi-lo por um ano, por cinco anos, e nunca mais será o mesmo. Eu estava obcecado em fazer música diferente para todos, que é o caso. Porque toda vez que começamos essa música, ela nunca mais será a mesma. Tudo o que você ouve nunca mais vai acontecer. A tecnologia permitiu que ela avançasse. Eu projetei muitas peças de música, como uma caixa de ferramentas, e todos esses diferentes elementos podem trabalhar uns com os outros, em termos de tempo, tom, ritmo. Sou totalmente eu, mas está em constante evolução e filosoficamente, tocamos na noção de infinito.”

  • Jean-Michel Jarre é compositor, intérprete, autor e produtor. Ele é um pioneiro da música eletrônica.
  • Desde seu primeiro álbum, Oxygène, lançado em 1976, ele produziu 20 álbuns de estúdio, vendendo mais de 85 milhões de cópias em todo o mundo.
  • Electronica foi indicada ao Grammy em 2017.
  • É Embaixador da UNESCO em Educação, Ciência e Cultura.
  • Seu novo projeto se chama EōN: jeanmicheljarre.com/eon/app

Fonte: https://www.journaldequebec.com/

MÉLANCOLIQUE RODÉO: ENTREVISTAS PARTE 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.