JEAN-MICHEL JARRE: O ‘ARQUITETO’ DA MÚSICA ELETRÔNICA PARA ‘CONSTRUIR’ OS SONS DA RENAULT

Portugal | Por: Pedro Junceiro

É talvez uma das músicas mais utilizadas por programas esportivos em rádios regionais e não só. Representa muito mais do que isso. “Fourth Rendez-Vous”, de Jean-Michel Jarre, considerado um dos pioneiros da música eletrônica, tornou-se um hino das façanhas da humanidade no espaço e sinônimo de um certo espírito atlético e de quebra dos limites. Hoje, o compositor alarga o seu campo de atuação e será o autor dos sons que os motoristas e passageiros dos futuros veículos da Renault irão ouvir ao entrar nos seus carros elétricos.

Com a era da eletrificação despontando, abrem-se novos mundos para a criação artística em torno do som, face à ausência de barulhos dos motores de combustão. Neste sentido, não é estranho que algumas construtoras procurem algo de diferente: a BMW associou-se ao compositor de trilhas sonoras Hans Zimmer e a Fiat, por outro lado, recorreu à tradição cinematográfica italiana para utilizar um trecho da composição de Nino Rota para o filme “Amarcord”, de Federico Fellini. Diferentes meios para o mesmo fim: criar algo único e inconfundível para quem está fora e no interior dos automóveis.

No caso da Renault, até pela conjugação de nacionalidades, surge Jean-Michel Jarre, que para as novas gerações pode ser um ilustre desconhecido, mas que tem no seu currículo, músicas que marcaram gerações, sobretudo nas décadas de 1980 e 1990 – criando sonoridades espaciais com seus sintetizadores e reunindo multidões por todo o mundo, desde a China aos Estados Unidos, passando pelo Egito. Aliás, foi neste último local, que Jarre realizou um concerto na passagem de 1999 para o ano 2000, que reuniu cerca de 120.000 pessoas, que assistiram a um espetáculo de cores, luzes e som.

A cooperação com a Renault para o desenvolvimento dos sons dos futuros veículos elétricos da marca francesa começou, precisamente, no Salão de Munique de 2021, quando Luca de Meo, CEO do Grupo Renault, se encontrou com o artista para debater uma ideia ainda muito embrionária daquilo que viria a ser a cooperação atual.

Jarre associou-se à Renault, juntamente com o IRCAM (parceira de longa data da Renault, que leva a cabo pesquisas nas áreas de música e acústica) e à equipe de design de som do grupo, para desenvolver dois tipos de sons: o VSP (som do veículo para pedestres, para avisar as pessoas da presença do automóvel quando este se desloca a menos de 30 km/h) e a sequência sonora de boas-vindas (que é reproduzida quando o condutor entra no automóvel).

Analisaram todos os pormenores, até ao último decibel, para criar sons que captam o espírito da marca Renault. “Crystal Garden”, uma faixa do último álbum do Jarre, Oxymore, inspirou o VSP. Já a sequência de boas-vindas oferece ao condutor e aos passageiros um curta-metragem com trilha sonora do tecladista francês (existe um especial na versão “Esprit Alpine”).

Além disso, Jean-Michel Jarre e sua equipe participaram no desenvolvimento do sistema de áudio do novo “Scénic E-Tech” elétrico, para uma experiência sonora amplificada e envolvente, em parceria com o fornecedor de som premium da Renault, a Harman-Kardon.

Falando sobre a participação de Jarre na concepção sonora do novo “Scénic E-Tech’, o responsável de design da Renault, Gilles Vidal, aponta que o francês é um pouco como um ‘arquiteto de sons’, sendo por isso um parceiro importante para esta nova fase da marca do losango.

Fonte: Motor 24

Leia mais: RENAULT APRESENTA O PRIMEIRO VEÍCULO COM OS SONS DE JEAN-MICHEL JARRE NA ‘IAA MOBILITY 2023’

Visits: 26