CONCERTO “BRIDGE FROM THE FUTURE”: REPORTAGEM DA REVISTA “ELECTRONIC SOUND” E POSTAGENS DE JARRE NAS REDES SOCIAIS

19 de maio | Por: Mark Roland

Há cerca de 40 pessoas neste estacionamento em Bratislava. Uma delas é o astrofísico e guitarrista Brian May. Ele está logo atrás de nós, sentado em frente a uma mesa de mixagem, observando um palco onde Jean-Michel Jarre ensaia para o show de amanhã à noite. Dizer apenas “palco” seria subestimar a construção que ele projetou ao seu redor. É uma mega estrutura gigantesca que domina a cidade, uma vasta construção de andaimes de alta tecnologia com iluminação integrada e telas de LED, algo do qual ele é o mestre indiscutível.

Brian, instantaneamente reconhecível com sua cabeleira de cachos grisalhos, pode até estar usando binóculos, é difícil dizer – está um pouco escuro e eu não gosto de ficar encarando. Elevando-se acima de nós à nossa direita está a Ponte da Revolta Nacional Eslovaca (ou Most SNP), também conhecida como Nový Most (Ponte Nova), que desce até a margem sul do Danúbio. A ponte está de alguma forma suspensa por um pilão de 85 metros de altura com um edifício em forma de disco voador no topo, o que lhe dá seu terceiro e melhor nome: Ponte UFO. É um exemplo de primeira linha da tecnologia arquitetônica da era do Pacto de Varsóvia, por volta de 1972, e está incorporada ao cenário do palco. Há lasers sendo disparados dela, e tudo pisca em cores diferentes graças a um conjuntos de luzes poderosas discretamente escondidas perto de sua base.

Bratislava, a capital da Eslováquia, está a 80 km rio abaixo de Viena. Em uma colisão de geografia e geopolítica que sempre surpreende nós, britânicos insulares, parece que um dos lasers lançados através do céu quente da noite pode ser visto simultaneamente em vários dos países que fazem fronteira com a Eslováquia. A Áustria está a apenas cinco quilômetros de distância, a Hungria está a alguns quilômetros mais ao sul e a República Tcheca fica a cerca de 45 minutos de carro. A Eslováquia também faz fronteira com a Ucrânia e a Polônia. Mas não há litoral.

No palco, Jean-Michel está passando o som do seu espetacular show ao vivo, um ensaio antes do evento real na noite seguinte. Ele está cercado por sintetizadores, incluindo alguns equipamentos da EMS, um aparelho tão frágil, antigo e valioso que é um milagre estar de fora de um ambiente seguro de padrão de museu onde certamente é mantido.

Na noite de amanhã, 100.000 cidadãos de Bratislava e de outros países estarão aqui, com outros milhões assistindo em emissoras de TV por toda a Europa e online, que serão brindados com um concerto gratuito como parte do evento Starmus Earth, um festival de ciência e música co-fundado por Brian May. Mas esta noite, este espetáculo é apenas para a equipe técnica, o pessoal das câmeras e os músicos. Ah, e algumas centenas de moradores locais que se acomodaram em vários pontos acessíveis ao público ao redor do local. Eles aplaudem entusiasticamente após cada música, quase fazendo parecer um show de verdade, até que o toque de recolher de som das 22h00 entra em vigor e o volume diminui drasticamente.

Enquanto um show de drones luminosos sobrevoa o palco, o mapeamento de projeções dança loucamente na torre Woods & Company/O2, transformando-a em uma entidade de ficção científica à la Blade Runner. Brian May, vestido com uma jaqueta chamativa feita de espelhos, sobe ao palco para acompanhar Jarre, a seção de trombones da Orquestra Filarmônica Eslovaca e o Coral Filarmônico Eslovaco, para uma apresentação da clássica “Rendez-Vous 2”, renomeada para “Rendez-Vous Bratislava”.

“Amanhã à noite, haverá fogos de artifício também”, me diz o assessor de imprensa de Jarre. Claro que haverá fogos de artifício. Porque ainda não é épico o suficiente. Daqui a pouco nos dirão que Jarre chegará ao festival em um carro voador. Ah, espere, ele chegará mesmo.

O Starmus foi co-fundado por Brian May e se define como um festival global de comunicação científica e arte que reúne as mentes mais brilhantes do planeta. Isso não é um exagero. Seu conselho consultivo inclui astrofísicos, o co-inventor do iPhone, um laureado com o Nobel, Richard Dawkins, Jane Goodall e, até a sua morte em 2018, Stephen Hawking. Esta é a sétima edição do festival. A primeira foi em 2011 nas Ilhas Canárias. Neil Armstrong e Buzz Aldrin deram palestras ao lado dos cosmonautas da era soviética Alexei Leonov e Viktor Gorbatko. A música ficou a cargo de Tangerine Dream e Brian May. O tema deste ano é “O Futuro do Nosso Planeta”, com palestras, painéis e conferências sobre como a humanidade pode enfrentar a emergência climática, pontuadas com eventos musicais. Como Stephen Hawking colocou: “É uma combinação de ciência e música, ambas das quais eu amo. O Starmus confirma sua posição como uma câmara de debate única para o futuro da raça humana.”

E este ano, após festivais anteriores em Trondheim, Zurique e Yerevan, na Armênia, o Starmus chega a Bratislava, uma cidade possivelmente negligenciada no circuito de turnês, mas que está vibrando com a energia do evento. É uma cidade pequena com uma grande história. Castelos e outros edifícios impressionantes de sua época austro-húngara estão concentrados em um bairro antigo de ruas estreitas, calçadas e maravilhas arquitetônicas a cada esquina. O clima está perfeito e os restaurantes e cafés da cidade estão lotados. Músicos de rua e vendedores de flores completam o idílio da Europa Central.

É o dia do show e as pessoas estão atravessando a ponte e entrando no estacionamento do Incheba. Às 20h00, encheu e a multidão começa a se aglomerar do lado de fora. Às 21h00 em ponto, uma contagem regressiva começa, Jean-Michel aparece, acena e se dirige para o seu set de sintetizadores. Ele é acompanhado por dois músicos: um na percussão e sintetizadores, e uma musicista no violino, baixo, didjeridu e outros instrumentos diversos.

O concerto começa com vários golpes de sintetizador, chamados preparatórios para algumas horas de entretenimento eletrônico impecável. Algumas variações de “Oxygene e Equinoxe” são apresentadas. “Rendez-Vous Bratislava” é um sucesso, com os trombones e as vozes criando uma experiência emocionante, algo entre a propulsão de metais extravagantes de “Nautilus” de Anna Meredith e o coral vanguardista de “Atom Heart Mother” do Pink Floyd. Brian May, que decidiu não usar sua jaqueta de espelhada esta noite, entra com sua guitarra instantaneamente reconhecível e seu som multi-camadas ainda mais reconhecível, com a multidão entrando em colapso coletivo. Tudo se acalma em uma versão serena, da “Sinfonia do Novo Mundo” do conterrâneo Dvorak.

Em seguida, o techno berlinense de “Azimuth” aumenta a temperatura, seguido por “Exit”, uma colaboração com Edward Snowden onde o espião/delator faz graves advertências sobre a privacidade digital de seu refúgio em Moscou. Há uma versão pontiaguda de “Herbalizer” de 2018 que se transforma em “Oxygene 19”, seguida pela colaboração incessantemente edificante de M83, “Glory” e suas imagens surpreendentes de calistenia em massa. Quando começa a reconhecível “Rendez-Vous 4”, que pode muito bem ser algum tipo de Hino da Terra a essa altura, mais fogos de artifício explodem no céu.

Tudo isso só poderia ser superado por, digamos, um dueto de Jarre na harpa laser e um solo de Brian May. Felizmente, é exatamente isso que acontece em seguida. Enquanto a dupla se apresenta em “Bratislava Time”, lasers verdes disparam de todas as direções, criando um vasto emaranhado de pulsos no ar de uma maneira que certamente seria ilegal em vários países da UE, mas não neste. Todo o espetáculo magnífico é tão perfeitamente realizado que, quando Brian May pega o microfone para celebrar o gênio de “Jean-Paul Jarre”, parece apenas a cereja perfeita no topo do bolo de sintetizadores. Jarre ri até não poder mais enquanto May se corrige.

A jornada de Jean-Michel Jarre, de aluno do GRM de Pierre Schaeffer em 1969 a soberano indiscutível de eventos eletrônicos internacionais ao vivo, é extraordinária. Ninguém fez mais para tornar a música eletrônica um fenômeno global do que ele. Na sua raiz, está seu compromisso com o avanço tecnológico junto com uma profunda musicalidade. No Starmus, seu show foi um chamado para unir a humanidade em um esforço para cuidar melhor do nosso planeta. Três dias após o concerto, houve uma tentativa de assassinato do primeiro-ministro eslovaco, Robert Rico. Este ato de violência atroz contrastou fortemente com o sentimento de união que o concerto de Jarre gerou, mas sublinha a importância da música como uma força para o bem em um mundo cada vez mais sombrio.

Fonte: Electronic Sound

Após o concerto, Jarre fez algumas postagens em suas redes sociais:

13 de maio:

“Mais lembranças da noite passada. Obrigado a @eset

14 de maio:

“Uma maneira incrível de terminar BRIDGE FROM THE FUTURE. Esta é a ‘Bratislava Time’!”

15 de maio:

“Drone voador com @brianmayforreal e eu.
Obrigado a @eset e @starmus!”

16 de maio:

“Voando no final mágico com @brianmayforreal
Obrigado @eset e @starmus

17 de maio:

“Memórias inesquecíveis do fim de semana passado com @brianmayforreal no BRIDGE FROM THE FUTURE. Obrigado a @eset e @starmus

20 de maio:

“Como muitos de vocês estavam gostando de assistir BRIDGE FROM THE FUTURE no YouTube, a transmissão foi prolongada para que vocês possam continuar assistindo durante toda a semana!”

https://www.youtube.com/live/GzjG95rB96Q

“Obrigado a ESET e Starmus

O designer gráfico Eric Cornic (trabalha há vários anos com Jean-Michel Jarre) publicou algumas fotos em seu Facebook:

No X (antigo Twitter), o regente Stuart Morley também compartilhou algumas fotos:

“De volta de mais uma semana extraordinária participando do @StarmusFestival em Bratislava. É ótimo trabalhar com alguns velhos amigos e alguns novos amigos!”

Views: 98