“A TECNOLOGIA É NEUTRA, NÃO DEVEMOS TER MEDO DELA”, DIZ JEAN-MICHEL JARRE

Jarre é anunciado como uma das principais atrações do festival Starmus, em 11 de outubro de 2023

O festival Starmus transformará Bratislava numa Davos artística, afirma o músico.

Eslováquia – 01/02/2024 | Por: Jana Liptáková

O primeiro contato que o músico francês Jean-Michel Jarre teve com o espaço remonta à sua infância, quando ficou totalmente obcecado por um gravador. Foi um presente pelos seus 10 anos do seu avô, um oboísta, engenheiro e inventor.

“Um dia toquei a fita ao contrário e pensei que eram alienígenas falando comigo”, relembrou o pioneiro da música eletrônica.

É esta adoção pouco ortodoxa mas entusiástica da tecnologia, mesmo dos tipos mais recentes, como a Inteligência Artificial, que Jarre, agora com 75 anos, tem perseguido até hoje.

“As tecnologias estão a trazer-nos ferramentas para realmente expressarmos as emoções humanas”, disse Jarre, lembrando que, por exemplo há 300 anos, Vivaldi conseguiu compor músicas inteiramente novas graças à construção mais moderna do violino. “É muito importante não ter medo da inovação.”

Jarre será uma das principais atrações do próximo festival Starmus, um grande evento internacional que combina ciência, arte e música. A sua sétima edição terá lugar em várias cidades da Eslováquia, de 12 a 17 de maio, com o programa principal acontecendo em Bratislava. Desta vez, o foco será na Terra. Sob o tema “The Future of Our Home Planet” (O Futuro do Nosso Planeta Natal), o festival promete levar, além de Jarre, a banda de punk rock The Offspring, o guitarrista e astrofísico do Queen, Brian May, a bióloga Jane Goodall – conhecida por seu estudo sobre primatas – e o divulgador da ciência Bill Nye.

Jarre é famoso por seus concertos espetaculares, que combinam música com exibições de laser, projeções e fogos de artifício. O artista – que acredita que a astrofísica e a música, ou, mais genericamente, a ciência e a arte, têm muito em comum – falou sobre música, Inteligência Artificial – e o que está preparando para o seu concerto em Bratislava.

Quando você ouve música – sua própria música ou música em geral – você já a vê em cores e com elementos visuais?

“Sempre fiz isso, porque hesitei entre a pintura e a música. Por isso abordo sempre a música de uma forma muito visual, numa espécie de visão não figurativa ou abstrata. Para mim, a música eletrônica está muito próxima da pintura abstrata. É como cozinhar, quando você combina vários ingredientes. Nas pinturas abstratas você combina óleo e texturas e na música você lida com frequências e formas de onda, criando sua própria receita. A tecnologia pode levar você a um resultado muito orgânico e sensual. Isto é o oposto do que muitas pessoas pensam, considerando a tecnologia fria e robótica. No meu caso, a tecnologia me ajuda a ser mais sensual ou sensível, mais emocional e a expressar ainda mais emoções. Na verdade, quando lancei pela primeira vez Oxygene, por exemplo, a maioria das pessoas não tinha ideia de como essa música era feita. Elas não sabiam sobre sintetizadores, então para elas não era música eletrônica. Era apenas música, um tipo diferente de música.”

Você usa Inteligência Artificial (I.A.) para criar música ou consegue se imaginar fazendo isso?

“A tecnologia é neutra e a I.A. será uma grande revolução no nosso dia-a-dia. Para os artistas, é uma oportunidade como qualquer tipo de ferramenta tecnológica. Vejamos de onde vêm as ideias musicais. Elas vêm da coleta de grandes volumes de dados analógicos, que consiste em parte de suas memórias, lembranças, sua família, seu ambiente, seus amigos, a música que você conhece, etc. A I.A. também está apenas olhando para o passado. É, de certa forma, uma extensão da sua imaginação, para você, para um artista ou para mim. É uma ferramenta muito interessante. Lembro-me que quando se tocou música eletrônica pela primeira vez na Ópera Francesa – naquela altura eu era estudante – e o pessoal da Orquestra Sinfônica desligou os alto-falantes porque pensavam que seria o fim das orquestras. É sempre assim. A I.A. gerará novas formas de arte e não devemos ter medo disso.”

Por que você nos incita a olhar para o futuro e a não ter medo das novas tecnologias?

“Provavelmente está no DNA humano pensar que ontem foi melhor e amanhã será pior. Provavelmente porque temos uma visão necessariamente sombria do futuro, porque sabemos que em determinado momento não faremos parte dele. É realmente psicológico. Mas sou movido pela curiosidade. Não estou realmente interessado no que fiz, mas sim no que poderia fazer com as ferramentas que tenho. E o que também é interessante é que estou cada vez mais convencido de que as coisas interessantes na arte se baseiam em acidentes, em pegar instrumentos ou a tecnologia existente e fazer outras coisas. Como Picasso, por exemplo. Ele não seguiu as regras, pegou o que estava acontecendo e roubou coisas para criar seu próprio estilo. É nisso que estou interessado como artista.”

De onde você tira inspiração? Sons da rua, da natureza, das pessoas, músicas novas, músicas antigas?

“Sua pergunta é minha resposta. Sim, de absolutamente tudo – da conversa que acabamos de ter, do barulho da chuva na janela, das luzes da rua, da música que ouvi no rádio. Todos esses elementos aleatórios terão influência no meu dia-a-dia como músico.”

Você tem uma grande coleção de instrumentos musicais. Um desses instrumentos é o Teremim.

“Sim, é um instrumento incrível. Minha Harpa Laser foi fortemente influenciada pelo Theremin. Há algo de mágico em criar sons sem tocar em nada tangível, como luzes. O Theremin é um exemplo perfeito de como a tecnologia pode trazer elementos poéticos à música e ao músico.”

Você ainda toca Theremin?

‘É engraçado você mencionar isso porque a Moog recentemente me enviou um novo Theremin que eles projetaram. Eu tenho o antigo, mas o novo é muito interessante. Na verdade, você pode criar muitos sons diferentes, não apenas o som da onda senoidal; você pode ter sons graves. Também existem filtros e atrasos internos. Estou muito feliz, tenho no meu estúdio. Preciso praticar um pouco mais, o que consome tempo.”

Você também tem uma fujara eslovaca na sua coleção. Já tentou tocá-la?

“Tentei duas vezes. É difícil. Isto é a mesma coisa do Theremin. É preciso desenvolver uma técnica para tudo. Por isso, é demorado. Mas é um instrumento muito interessante.”

Está à espera do seu tempo…

“Sim. Espero que sim.”

O que você está preparando para o seu show em Bratislava durante o festival Starmus?

“Esta edição do Starmus será dedicada ao espaço, e a melhor forma de compreender o espaço é compreender o nosso próprio planeta. Poderia ser interessante focar no planeta do ponto de vista científico e também do ponto de vista musical ou artístico. Então o fato de o festival se realizar em Bratislava, no coração da Europa, durante estes dias sombrios da guerra, não é neutro para mim. Mais do que nunca precisamos da ciência, da educação e da arte para aliviar a dor e conseguir organizar a resistência de uma forma pacífica, mas ativa. Isso é uma coisa. A outra é que durante demasiado tempo separamos a produção e a distribuição na Europa, dizendo: ‘Ok, podemos produzir, com o talento que temos: a melhor música, os melhores filmes, os melhores livros.’ Mas se a distribuição estiver fora do nosso controle e cada vez mais sob o controle dos EUA ou da China, é o fim da nossa especificidade, o fim da nossa própria visão que podemos partilhar com o mundo. Com o Starmus a visitar lugares como a Eslováquia e Bratislava, podemos enviar uma mensagem, para produzir algo inesperado. Poderá ser mais difícil, por diferentes razões, conseguir isto em locais como Nova Iorque, Los Angeles, Londres ou Paris. É inesperado criar algo que possa realmente ter uma ressonância mundial instantânea na Eslováquia. Ali estarão reunidos os mais brilhantes cientistas e artistas – será, eu diria, uma Davos artística.”

Existe alguma diferença para você entre fazer um concerto virtual, como o que você realizou em Notre Dame, e um concerto real ao vivo?

“Uma característica específica do mundo virtual é que você não tem gravidade, então você pode criar cenografia de uma forma totalmente diferente. Você pode conseguir coisas no mundo da Realidade Virtual que você não consegue no mundo real. Além disso, há um aspecto social, já que você pode se dirigir a pessoas de todo o mundo. Porque nunca devemos esquecer que os avatares no mundo virtual são pessoas reais que se reúnem no mesmo mundo virtual através dos seus gêmeos digitais. Então é uma possibilidade fantástica permitir que pessoas que não podem comparecer, seja por razões geográficas ou por deficiência, possam participar dos concertos. Vou lhe contar uma curiosidade. Aconteceu em um dos últimos projetos de VR que fiz, com Oxymore. Foi ao vivo no mundo virtual e no final do show entrei no mundo VR usando o headset. Havia muita gente, por exemplo, do Brasil ou da China, na mesma sala. Uma garota estava muito entusiasmada e fazendo muitas perguntas. Depois de um tempo perguntei de onde ela era. Ela estava em Manchester, no Reino Unido, e durante a nossa conversa descobri que ela estava tetraplégica. Foi o primeiro show do qual ela pôde participar e ela dançou a noite toda.”

Fonte: The Slovak Spectator

Views: 61