P&R: JEAN-MICHEL JARRE

O gênio da eletrônica fala sobre seus discos ao vivo, tecnologia em tempos difíceis para novos artistas, e de sua produção mais recente, o álbum Live in Notre-Dame VR (Welcome to the Other side)

Espanha – 29/10/2021|Por: Ricardo Durán|Foto: © Feng Hai

Como você escolheu o repertório para este concerto inovador que você está lançando?

“Foi interessante porque era a véspera de Ano Novo e eu precisava de músicas que estavam conectadas ao sentimento de celebração. Então eu procurei algo muito rítmico, muito positivo e dinâmico. Decidi usar algumas faixas novas, mas também algumas antigas, como Oxygène e Équinoxe remixadas buscando criar um sentimento geral que era coerente, com coesão em termos de batidas, sentimentos, sons, algo muito contemporâneo.”

Por que você acha que álbuns ao vivo têm sido uma parte tão importante na sua carreira?

“Eu adoro fazer álbuns no estúdio, acho que não sou o único. Mas como músico, sou um pouco esquizofrênico. Quando estou no estúdio, depois de um tempo eu gostaria de estar no palco, e quando estou no palco, depois de um tempo eu adoraria voltar para o estúdio. Eu acho que esse processo segue os álbuns. Hoje em dia, o que eu amo neste projeto é que é o primeiro álbum ao vivo de um concerto em VR (Realidade Virtual). É surpreendente pensar em um concerto VR lançado em vinil, porque é criar algo em ambos os mundos: o mundo analógico, físico e o mundo virtual. Essa foi a ideia por trás deste projeto. Então, durante a pandemia, criamos a verdadeira multimídia disponível para rádio, televisão, redes sociais, VR, e também em Blu-Ray, vinil, e com som binaural, que é o mais envolvente. Nós realmente tentamos explorar todas as conexões possíveis com o público quando você não pode estar fisicamente no palco.”

Este novo projeto tem uma experiência em VR e experiências digitais. Você acha que a música não é mais suficiente para as pessoas aproveitarem nos dias de hoje?

“Não. Em primeiro lugar, a música foi a primeira forma de arte em Realidade Virtual, porque quando você está ouvindo, não importa se é clássico, jazz, rock, punk, hip hop ou eletrônica, você está recriando a história, como um filme em sua mente, e vai para outro lugar com sua imaginação. Com essa mesma ideia, o primeiro objeto de VR foi o livro. Quando você lê um livro, você entra na história, em um mundo imaginário. Portanto, há algo muito interessante ao usar a VR na música porque é como transportar o público para outro mundo imaginário. Eu fui provavelmente um dos primeiros artistas a usar grandes produções com luzes e vídeos em shows, em um momento em que ninguém fazia. Agora, os festivais têm design de palco. É a ideia moderna da ópera. No século XIX, havia grandes músicos trabalhando com carpinteiros, com cenografias e com pintores, para criar um show e ver música como desempenho no palco. Hoje você tem a possibilidade de ouvir música por conta própria, e você também tem a opção de ter um material visual que a acompanha. Acho que temos a liberdade de fazer os dois.”

JARRE, SEMPRE VIVO: Álbuns ao vivo são uma parte essencial da discografia deste gênio francês. Ele fez seus shows ao redor do mundo que foram gravados em trabalhos que marcaram o curso da eletrônica e do rock progressivo
CORTESIA DA SONY MUSIC

A tecnologia que você usa para criar sua música permite que você faça tudo o que quiser, ou há algum tipo de limitação que você gostaria de superar no seu trabalho criativo?

“Eu sempre estive interessado em novas ideias porque eu não moro na nostalgia, não estou interessado no que fiz. Eu sempre pensei que o que fiz antes são demos para o futuro, para um novo projeto. Com isso dito, acho que a tecnologia não é tão importante, o que é importante é você. Nós só temos 12 notas e milhões e milhões de músicas baseadas nelas. O que faz a música ser especial é que o artista conheça suas ferramentas e instrumentos. Mas o que torna a música interessante é o conteúdo. O interessante é que cada geração vem com uma nova tecnologia: as primeiras ferramentas foram o violino, o piano, os instrumentos acústicos. Então tivemos eletricidade e a eletrônica. E agora temos a Realidade Virtual. É apenas a evolução da tecnologia que está produzindo novos artistas e novos tipos de arte. Para mim, a Realidade Virtual é como o cinema no início do século XIX, quando as pessoas acreditavam que era um truque de mágica, porque não havia atores reais na tela. E vemos como o cinema tornou-se uma das principais formas de arte que conhecemos. Hoje, a mesma coisa acontece com a VR: não está competindo com apresentações ao vivo. É uma forma diferente de arte que gera uma nova classe de artistas, músicas e idéias.”

Você disse que a tecnologia impediu que os jovens músicos ganhassem suas vidas de forma digna. O que podemos fazer para reverter essa situação?

“Durante a pandemia, basicamente fizemos o seguinte: compramos comida, ouvimos música e assistimos filmes. Foi mostrado que sem música, sem filmes e sem arte, nossas vidas seriam um desespero, um deserto. Música e cultura são produtos de primeira necessidade para os seres humanos. Espero que isso nos ajude a parar de acreditar que a música deve ser livre como o ar que respiramos. Devemos parar de culpar Spotify, Netflix e Google e aceitar que um conteúdo da Internet deve ter o mesmo preço de uma revista comprada em bancas de jornais. É totalmente injusto que hesitemos antes de comprar um álbum de dez dólares, mas não vemos problemas de gastar 100 ou 50 dólares em uma camisa. Temos que mudar nosso relacionamento com a arte, e isso também vai para a educação. Temos que educar as crianças sobre o que é um livro, qual é o valor de uma música e o valor da cultura. É um processo criativo que merece respeito, e devemos permitir que as pessoas que se dedicam a isso possam viver decentemente.”

Como você se sente sobre inteligência e máquinas artificiais que fazem música ou outro tipo de arte?

“É como a fissão nuclear: toda revolução tem um lado negro, e claro, a AI (Inteligência Artificial) poderia nos levar a um futuro distópico. Mas, particularmente hoje em dia, devemos ser otimistas, subverter isso. A fissão nuclear criou a bomba atômica, mas também gerou grandes avanços em várias áreas. Acredito que uma das principais qualidades dos seres humanos é que nos adaptamos a novos desafios, e a Inteligência Artificial cria novas formas de arte que não sabíamos. É do DNA humano pensar que ontem era melhor e que amanhã será pior. Como sabemos que um dia vamos parar de fazer parte do futuro, temos uma visão sombria disso. No entanto, o futuro dos nossos ancestrais não foi tão ruim, caso contrário, não estaríamos conversando hoje.”

O que um álbum como Oxygène significa para você?

“É uma tatuagem na minha pele. Tudo o que você faz como artista, se você é bem sucedido, você ficará com uma tatuagem. Como “Sgt. Pepper’s”, como “Dark Side of the Moon”, como “Pulp Fiction” ou “Laranja Mecânica”. Não importa o que você faça, as pessoas vão encaminhá-lo para esse projeto, mesmo que você faça álbuns, filmes ou livros que você goste mais ou que eles sejam mais bem sucedidos. Esse é o núcleo do assunto. É como um filho, eu amo todos eles, e tenho um relacionamento especial com cada um. E “Oxygène” é muito especial na minha vida.”

Pra finalizar, a primeira vez que ouvi sua música foi com o In Concert – Houston/Lyon e agora você está lançando um novo álbum ao vivo. Como você os compara além da tecnologia?

“Obviamente, existem diferenças, mas também semelhanças. As semelhanças são interessantes porque ambos os discos são baseados em um evento único que não será repetido. Vivemos em uma sociedade em que tudo pode ser copiado e reproduzido para sempre. Estes são eventos especiais nos quais o público não teve uma segunda chance. E nem eu tive também. É algo que dura apenas duas horas, mas que você ainda se lembra e que permanecerá em sua memória. Para mim, é a forma de arte mais vanguardista, algo que é efêmero. A primeira vez que você foi para um concerto, um jogo de futebol, uma ópera ou um filme, você vai se lembrar para o resto da sua vida. E isso é o que eu adoro nesses projetos. Houston estava ligado à história espacial com a nave Challenger, e Notre-Dame está ligado a um monumento, que vai além da igreja ou religião. É algo muito especial.”

Fonte: rollingstone.com.co