NA TECNOLOGIA DE…JEAN-MICHEL JARRE

Celebridades compartilham seus hábitos tecnológicos com o jornal francês “Le Parisien”. No 20º episódio da série, o compositor de música eletrônica. Imperdível!

Reportagem do Le Parisien – França – 24/04/2020

Pioneiro global na música eletrônica, Jean-Michel Jarre vendeu mais de 90 milhões de discos, encantou filmes e documentários e até ofereceu para a FranceInfo, o seu novo jingle.

Cercado por sintetizadores e computadores há décadas, Jean-Michel Jarre é um autêntico “geek” que concordou em compartilhar seus hábitos tecnológicos durante o seu confinamento em Paris.

Um dispositivo de fetiche?

“Passei mais tempo da minha vida com máquinas do que com humanos, então vivo com muita tecnologia (risos).

Além dos meus sintetizadores, a ferramenta que mais uso é o meu MacBook Pro, que me serve o tempo todo no meu trabalho como músico e produtor.

Eu costumava ouvir música nos alto-falantes sem fio LSX da marca inglesa KEF. Seus criadores são ex-alunos de um estúdio profissional que os converteram em alto-falantes hi-fi conectados ao Bluetooth.

Finalmente, sou fã dos fones de ouvido sem fio AirPods Pro da Apple, cujo som é tão surpreendentemente equilibrado, que os uso quando gravo e faço mixagens em casa. Por outro lado, eu não os uso para tocar, porque há sempre uma latência com a conexão Bluetooth. Esses fones de ouvido também me permitem ter um padrão de ouvir música, uma ideia da renderização final de um álbum.

Eu também sou fã há anos dos meus fones de ouvido Sony MDR-7506 com fio, porque eu não consegui encontrar outro melhor. Ele dá um som muito reto, totalmente o oposto dos fones de ouvido do momento que vão até os graves e são menos generosos nos agudos. É por isso que eu prefiro trabalhar com este fone e colocar bastante baixo em uma mixagem. É melhor estar o mais perto possível da realidade auditiva final.”

Um aplicativo favorito?

“Acabei de lançar meu próprio aplicativo com a ajuda da start-up Bleass. Eu tive essa ideia em mente por um longo tempo, mas a tecnologia não me permitiu fazê-lo até recentemente. Chama-se EōN e permite que você projete um álbum infinito, ou seja, há vários começos, mas sem finais e com visuais aleatórios.

Toda vez que você inicia o aplicativo, você toma um caminho diferente e a música se desdobra como a vida. O que você ouvir uma vez nunca vai acontecer novamente. Eu gravei várias horas de música e o aplicativo vai constantemente reorganizar com diferentes combinações. Esta é a anti-playlist do Spotify porque todo mundo vai ter uma experiência especial.”

Uma inovação essencial?

“A evolução da tecnologia dita por estilos musicais. É porque o violino foi inventado que Vivaldi fez sua música ou graças à guitarra elétrica que Jimi Hendrix e Eric Clapton existem. Hoje existem muitas ferramentas para criar novas músicas com Inteligência Artificial.

Eu já uso isso na minha criação musical, porque seu surgimento ajudará os compositores a realmente colaborar com algoritmos. Até agora, a IA só foi usada para imitar uma música de Michael Jackson ou dos Beatles. No final, ela só pegou o DNA da música e copiou em uma variante, mas não criou.

Uma verdadeira colaboração com a IA envolveria melhorar o trabalho de um criador, a fim de refinar sua ideia de humano e traduzi-la em música.

Emoções são combinações complexas de reações bioelétricas em nosso cérebro. Então é matemática. É muito ingênuo pensar que os computadores não serão capazes de criar música, histórias ou filmes amanhã de uma maneira original. Isso não é para se preocupar porque muda o processo criativo.”

Entrevista de Damien Licata Caruso

Fonte: Leparisien.fr