MIDEM 2014 – JARRE FAZ CRITICAS PESADAS A INDUSTRIA DA INTERNET

Entre os dias 01 a 04 de fevereiro ocorreu o “MIDEM 2014” (Marché International du Disque et de l’Edition Musicale) o maior encontro mundial de empresas ligadas à música, que acontece todos os anos em Cannes na França. Assim como ocorreu na edição de 2013, o músico francês Jean Michel Jarre esteve presente novamente. Este ano ele foi um dos destaques, por ser o atual Presidente do CISAC e um dos palestrantes do evento. O músico veio direto de Los Angeles (onde possivelmente estava trabalhando no seu novo álbum a quase duas semanas, que segundo ele talvez dará os toques finais nele por volta de abril), com escala em Pequim na China, chegando a Cannes algumas horas antes de sua palestra no dia 03 de fevereiro.

Jarre faz pose para fotógrafos no MIDEM 2014

Algumas horas antes da palestra, Jarre esteve no stand de Taiwan, junto com sua Assistente Pessoal, Fiona. No MIDEM do ano passado Jarre mostrou-se interessado em colaborar com artistas daquele país. Nada sobre este encontro foi divulgado até o momento.

Jarre e sua Assistente Pessoal, Fiona Commins no stand de Taiwan no MIDEM 2014.

Depois Jarre, como presidente e representante do CISAC ainda se encontrou com vários membros de organizações de compositores e direitos autorais como o Dr. Harald Heker (GEMA, Alemanha), Jean-Marie Moreau (SACEM, França), Kerstin Jorna (Comissão Européia, na Bélgica), o Prof. Dr. Enjott Schneider (GEMA, Alemanha) e Jean-Noel Tronc (SACEM, França), para uma declaração conjunta sobre 5 pontos definidos para proteção dos direitos autorais dos compositores europeus.

Jarre(CISAC) com Dr. Harald Heker (GEMA, Alemanha), Jean-Marie Moreau (SACEM, França), Kerstin Jorna (Comissão Européia, na Bélgica), o Prof. Dr. Enjott Schneider (GEMA, Alemanha) e Jean-Noel Tronc (SACEM, França).

Após dez anos de declínio, o mercado musical experimentou recorde no ano passado com uma recuperação quase milagrosa. Segundo dados divulgados no primeiro dia do MIDEM pelo SNEP (União Nacional de Produções Fonográficas), os números de vendas em 2013 estão aumentando em … 1%. Graças a Stromae e Daft Punk! Não é para se gabar muito, se você considerar que o mercado perdeu 62% de seu valor em dez anos (“‘Queda sem paralelo em qualquer outra indústria”, de acordo com o presidente do SNEP Guillaume Leblanc) e as receitas digitais (que agora representam 26% da receita) estagnou (0,6%). Os downloads legais estão ainda mais baixos (-1%), canibalizados por streaming, para cima (4%), mas menos remuneradores … Outro elemento de preocupação para registro, o download pirata, caindo de 30% uma vez que a introdução de Hadopi é flexível e a resposta a ela é fazer a receita começar a subir …

Palestra “Fair Share for Creators” com Jean Michel Jarre entrevistado pela bela repórter Rhian Jones do “Music Week”.

Na sua qualidade de Presidente da CISAC (Confederação Internacional das Sociedades de Autores, Compositores), Jean Michel Jarre está particularmente interessado no problema. Para ele, a internet e os gigantes das telecomunicações não devem ser vistos como inimigos, mas como parceiros com os quais os artistas devem falar diretamente sobre criar “um modelo de negócio real. Nós não somos mais inteligentes que um smartphones, nós existimos antes da eletricidade e nós existimos, mesmo após a Internet”, disse o músico, soprando uma baforada bem-vinda de oxigênio em um pouco de ar viciado do MIDEM.

 

A palestra denominada “Fair Share for Creators” de Jean Michel Jarre ocorreu entre as 17:40 as 18.25 e ele entrevistado pela bela repórter Rhian Jones do “Music Week”. Houve também perguntas diretas feito pelo público composto por jornalistas e representantes da industria musical que estavam na platéia.

 

Rhian Jones perguntou de início:

“Então, qual é a parte justa para os criadores ?”

Jarre : “Pensando sobre isto, creio que seja um título errado (da palestra). Eu deveria ter dito ‘Como criar um modelo de negócio justo para os criadores ?'”, disse ele

“É muito difícil para um artista avaliar o valor de seu filho, seu bebê, de sua criação … Os artistas são bons e fortes em escrever canções de protesto, mas quando se trata de protestar sobre o valor da sua arte, eles são bastante vulneráveis e, particularmente, de frente para a internet … Nós somos vítimas de um sistema que ainda não foi pensado em função do conteúdo que eles estão fazendo muito dinheiro. É por isso que essa idéia de remuneração justa é importante.”

Jarre argumentou que um modelo de negócio precisa ser criado por artistas sentados em volta de uma mesa junto os com parceiros do mundo da tecnologia. “Temos que parar de pensar que os grandes atorem da internet são nossos inimigos. Essas pessoas que criaram o Google, Facebook e todas essas grandes ferramentas. Eles são amantes da música, eles são amantes do cinema. Eles amam os artistas”, disse ele.

“Eles estão de alguma forma mais perto de música e do cinema e das artes do que um monte de políticos. Esses caras eram nerds a 15 ou 20 anos atrás, sonhando com a criação de algo extraordinário, e eles fizeram isso, sem perceber os danos colaterais que eles estavam criando, por esse tipo de ganância constante e emocionante de conteúdo gratuito.”

Jarre: a Comissão Européia desenvolveu uma “teoria da conspiração para atacar o CISAC”.

Jarre também falou sobre a definição da forma de “pagar o respeito aos criadores”, ao mesmo tempo em que sugere que a indústria da música deveria estar falando sobre o porquê de “propriedade intelectual é um dos principais elementos da nossa democracia, e é parte de nossos direitos humanos – os nossos direitos humanos básicos ! Nenhum país pode desenvolver a sua identidade, sem pintura, sem filme, sem literatura …”

Ele falou que o próximo Harry Potter não existirá, se “não cuidarmos da nossa propriedade intelectual … precisamos sentar com essas pessoas que fazem milhares de milhões com o nosso conteúdo, e dizer: ‘Pessoal, vocês nos amam, nós não odiamos vocês, nós precisamos sentar-se juntos e encontrar um modelo de negócio decente'”.

“Se você acha que o digital é o futuro, então estamos em apuros com o futuro, por isso precisamos novamente definir uma remuneração justa no mundo digital”, acrescentou, antes de falar sobre como ele ficou impressionado como os músicos, cineastas e compositores norte-americanos, estão “assistindo a Europa, nos observando e estão realmente conscientes do seu futuro, para promover a idéia de que nós criamos: a importância dos direitos de autor, dos copyrigths, e que devemos sentar-se, mais cedo ou mais tarde, com o Google, com o Facebook e todas essas empresas, e dizer: ‘não se esqueça, a parte inteligente do smartphone é a gente.'”

Jarre mesmo descreveu “uma forma de racismo intelectual … uma espécie de atitude de desprezo para com a cena musical na França “… eles pensam que a música é algo menor” (em comparação com literatura e cinema)”.

“Nós realmente devemos dizer a Bruxelas (sede da União Européia), que a nossa luta e a nossa batalha sobre a propriedade intelectual não está em defender os direitos dos artistas ricos sentados em seus potes de ouro. É algo muito além disso. Ele está questionando o futuro da criação, o futuro da nossa identidade, quem nós somos …. Eu sei que muitas crianças que estão sonhando em se tornarem músicos, e elas não poderão, porque ninguém vai pagar por seu trabalho.” Segundo Jarre, a Comissão Européia desenvolveu uma “teoria da conspiração para atacar o CISAC”.

Ele concluiu: “Estamos muito mais fortes do que pensamos … Devemos dizer ao Google, Facebook ‘serem caras cuidadosos, porque daqui a 10 anos vocês pode se tornar o próximo Myspace. Nós precisamos de vocês, mas vocês precisam de nós. Existíamos antes da eletricidade, e existiremos depois da internet”.

Alguém do You Tube fez a primeira pergunta da platéia, observando que o You Tube se esforça para encontrar “a quem pagar” pelo uso das músicas – perguntando a Jarre se ele tem qualquer resposta a complexidades de licenciamento: “Hoje temos que aceitar que tudo na internet é gratuito para o consumidor. Isto é feito. E não é uma coisa ruim, desde que nós criamos uma economia com os atores da internet. E então nós vamos juntar todos os consumidores dizendo ‘isso é ótimo, uma boa notícia, podemos ter acesso a tudo no mundo!'”, Disse ele.

Nós devemos concordar com isso, contanto que as pessoas que fazem milhares de milhões de dólares, darem este acesso livre deveriam também compartilhar isto conosco … precisamos de uma parte desse negócio, e nós merecemos. Nós somos parte disso. E é a razão pela qual eu acho que cometemos um grande erro em enfocar nos consumidores, e apontar os consumidores [pela pirataria] … Isso é história, isso é passado. Como podemos lidar com os novos desafios? A resposta é novamente pensar em parcerias de negócios, e isso não está acontecendo ‘é que podemos conseguir com uma pequena percentagem disto isto ou aquilo?’

Jarre criticou lei Hadopi de antipirataria da França, que estabeleceu punições para compartilhadores de arquivos piratas. “Devemos focar as pessoas que ganham dinheiro, e não as pessoas que consomem”.

Ele finalizou: “A indústria da música perdeu sua voz. Pense sobre os anos 60, o que a indústria da música era, todas essas canções de protesto e todas essas atitudes rebeldes. Devemos encontrar isso … nós somos os rebeldes, e não quero deixar esse elemento de frieza para os fabricantes de cabos e telefones. É uma loucura. É por isso que esta situação com o You Tube e tudo isso deve mudar. Devemos ir direto aos responsáveis pelo You Tube fazendo bilhões em nossa volta. Isto tem de mudar.”

VÍDEO DO MIDEM 2014:

 

Fontes: MIDEM 2014 / Le Figaro /

 

http://musically.com/2014/02/03/jean-michel-jarre-talks-fair-share-for-creators-at-midem/

Avatar

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.