JEAN-MICHEL JARRE REALIZA SEU PRIMEIRO REMIX

Com mais de 50 anos de carreira, Jean-Michel Jarre prestou-se pela primeira vez ao exercício do remix, na faixa “ID” para o Deathpact. 

09/03/2021|Foto: Jean-Michel Jarre @ Coachella, 2018 / ©Raph PH

Embaixador da cultura francesa, Jarre é reconhecido mundialmente como um dos pioneiros da música eletrônica. Seu catálogo inclui nada menos que 21 álbuns de estúdio com mais de 85 milhões de cópias vendidas, consistindo apenas de produções originais. Com a faixa “ID” do Deathpact, Jarre se dedica pela primeira vez ao exercício do remix. A faixa original ainda não foi divulgada, apenas outras versões estão atualmente disponíveis, com remixes produzidos por setes convidados: Biicla, Opiuo, Deafheaven, Claude VonStroke, CloZee, REAPER e Code Orange.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Jean-Michel Jarre (@jeanmicheljarre)

Não sabemos quem se esconde por trás da máscara do Deathpact, que se mantém em uma comunicação minimalista, saindo dos trilhos, às vezes até por meio de jogos de realidade alternativa. No entanto, essa colaboração não surgiu do nada. Por ocasião do lançamento dos álbuns Electronica 1 (2015) e Electronica 2 (2016), Jarre disse durante um chat no Reddit que gostaria de trabalhar com artistas como Perturbator (que remixou a faixa “All That You Leave Behind – Movement 4” do álbum Equinoxe Infinity lançado em 2018), Daniel Avery ou ainda Deathpact, sobre o qual ele disse na época: “Há também um outro artista desconhecido (…) mas gostaria de trabalhar com ele: chama-se Deathpact. Ele lançou cinco faixas nos Estados Unidos e é como Nine Inch Nails da eletrônica.”

Sobre esse remix, Jarre explica: “Deathpact é um projeto absolutamente único com um som particular. ‘ID‘ é uma ótima faixa esquizofrênica com ambientes diferentes. É esse aspecto que tentei reforçar no meu remix”. Na verdade, pode-se dividir este remix de sete minutos em várias partes curtas, que aparecem quase como vários remixes comprimidos em um. As fases melodiosas seguem fases tecno muito mais rítmicas, antes que a peça finalmente termine em um piano melancólico, derretendo em um zumbido de baixo monstruoso.

Fonte: Tsugi.fr/