SESSIONS 2000

Lançamento: Outubro de 2002

Selo: Disques Dreyfus

Gravadora: Sony Music France

País: França

Composto e produzido por: Jean-Michel Jarre

Publicado por: Francis Dreyfus Music & Jean-Michel Jarre

Teclados, sintetizadores e programação de sons: Jean-Michel Jarre

Teclados, samplers e programação adicional: Francis Rimbert

Local de gravação: Croissy Studio

Mixagem: Joachim Garraud no Square Prod. Studio

Agradecimentos especiais: Patrick Pelamourgues, Square Prod. Studio, Edith Napias, Cream (Fionna Commins & Santine Bronda), Digidesign, Native Instruments, Korg and Stand Alone

Artwork: GreenPeach

TRACKLIST:

  1. January 24 (5:57)
  2. March 23 (8:02)
  3. May 1 (4:49)
  4. June 21 (6:18)
  5. September 14 (9:30)
  6. December 17 (8:11)

Tempo total: 42:50

INSTRUMENTOS:

Roland XP-80

Eminent 310U

ARP 2600

Minimoog

Korg KARMA

Novation Digital Music Systems Supernova II

MicroKORG

Roland JP-8000

Korg Mini Pops 7

Digisequencer

E-mu Systems XL7

Roland Handsonic

EMS Synthi AKS

EMS VCS 3

RMI Harmonic Synthesizer

Pro Tools

Em outubro de 2002, a Disques Dreyfus lançou “Sessions 2000”. Esse foi o último álbum com músicas inéditas do Jarre no selo que o acolheu durante toda a sua carreira. O álbum Métamorphoses não foi bem sucedido devido aos milhões gastos em marketing e promoção. Tanto para esse álbum como para Oxygène 7-13 os altos custos de produção de vídeos e remixes, foram compartilhadas com a Sony Music, que tinha licença de distribuição mundial de ambos os discos. Nem Jarre e nem Francis Dreyfus ficaram satisfeitos com as vendas, e o pessoal da Dreyfus teve a sensação de que Jarre culpava Francis por esse motivo. Francis não acompanhou Jarre ao concerto do Egito por motivos familiares e Jarre ficou irritado com isso. A relação entre eles ficou tensa. Ao longo de 2001, Jarre e Dreyfus se reuniram em várias ocasiões para discutir um futuro em comum. Jarre propôs a Dreyfus finalizar seu contrato de maneira imediata, mesmo ainda devendo dois álbuns para a empresa. Era impossível a Disques Dreyfus aceitar a proposta de Jarre, sem receber qualquer remuneração em troca. Então, poucos dias antes da véspera do Natal de 2001, um mensageiro entregou na recepção da gravadora uma bolsa contendo dois CDs com suas respectivas capas. Um deles foi intitulado Sessions 2000 e o outro Experimental 2001. Apesar da obrigação de lançar os dois álbuns, Dreyfus lembrou Jarre que isso era impossível, pois geralmente são necessários no mínimo 18 meses de intervalo entre um disco e outro e a Sony Music não aceitou a opção de lançar os dois discos de forma simultânea. Através de seus respectivos advogados, Jarre e Dreyfus fizeram o compromisso de lançar apenas o Sessions 2000 para o Jarre concluir suas obrigações contratuais e se despedir da empresa. O Experimental 2001 continua inédito até hoje.

As músicas do álbum são uma fusão entre o som ambiente e o jazz. Baseadas em ideias de improvisação e “jam sessions”, foram gravadas sem nenhum projeto específico em mente. Este disco está muito longe das atmosferas habituais do som de Jarre.

A faixa March 23 foi renomeada para “Space of Freedom” no concerto de Gdansk na Polônia em 2005, permanecendo com esse título no CD ao vivo “Live from Gdansk”, no DVD “Solidarnosc Live” (ambos lançados em 2005) e na coletânea dupla “Essentials & Rarities” (2011).