JEAN-MICHEL JARRE EM MILÃO: “COM A REALIDADE IMERSIVA, A MÚSICA RECUPERA A SUA DIMENSÃO ESPACIAL”

10/11/2023 | Por: Vittorio Emanuele Orlando

“OnMetaverse Summit” é uma conferência que reúne provedores de tecnologia, designers, desenvolvedores, criadores, profissionais de marketing e inovadores para explorar as últimas tendências e casos de uso de tecnologia do Metaverso.

O evento cobre aplicações criativas e de negócios das principais tecnologias que fazem parte do paradigma do Metaverso: mundos virtuais, Realidade Virtual, Realidade Aumentada, NFTs, sensores e wearables (todo e qualquer dispositivo tecnológico que possa ser usado como acessório ou que podemos vestir), Inteligência Artificial, Web3 e Blockchain (mecanismo de banco de dados avançado que permite o compartilhamento transparente de informações na rede de uma empresa).

Profissionais da indústria discutem treinamento, arte digital, colaboração remota, criação de conteúdo criativo, marketing imersivo e outros assuntos.

Conforme anunciamos no Rápido & Rasteiro de outubro de 2023, Jean-Michel Jarre esteve presente. Entrevistado pela renomada jornalista Simona Orlando do jornal italiano “la Repubblica”, ele contou sobre o início de sua carreira e sua paixão pelas tecnologias e pelo mundo virtual, que sempre foram as chaves para abrir e libertar sua criatividade.

Falou do seu novo projeto, a primeira produção musical pensada e produzida para ser em áudio de 360°, e compartilhou uma mensagem muito forte, apelando para um compromisso de investir tanto economicamente como estrategicamente, a fim de abrir um caminho “europeu” para percorrer estes novos espaços criados a partir das novas tecnologias.

“É um grande momento para os criativos. Em apenas alguns anos tivemos várias ferramentas disponíveis para expressar a nossa criatividade como nunca antes”, comentou o otimista músico francês.

Otimista sim, mas não tecno-otimista: “A tecnologia é neutra. São necessárias regras para governá-la. São as regras que dão acesso à liberdade”.

“As emoções e as sensações não mudaram ao longo dos séculos, mas as ferramentas mudaram, e muito. Mas um artista ainda deve despertar e compartilhar essas emoções, qualquer que seja a ferramenta que use”.

E agora as “ferramentas” são a realidade imersiva, o Metaverso e a Inteligência Artificial.

E a Europa está à frente deste ponto de vista. O mundo olha para os europeus como aqueles que estabelecem as regras. O mesmo terá de acontecer com a I.A. generativa. No caso dos copyright, por exemplo:

“Precisamos de um algoritmo que seja capaz de rastrear as fontes utilizadas pela I.A., e depois de um novo sistema que dê aos autores dessas fontes uma compensação justa. O conceito de propriedade intelectual vem da Europa continental e autores de todo o mundo recorrem a nós para defender os seus direitos.”

“Sem ser ingênuo, toda tecnologia é de alguma forma disruptiva, e a criatividade também é um pouco como ‘roubar’ dos outros. Um exemplo um tanto provocativo? Picasso baseou-se fortemente na arte africana primitiva”.

Mas para o músico de Lyon, o papel de controlador é limitado:

“A Europa deve recuperar a tecnologia, em áreas como a web 3.0. Devemos criar um ecossistema tecnológico europeu, não podemos ficar a reboque dos EUA e da Ásia. E devemos também levar o controle principal das ferramentas de distribuição de música. Impossível? Eu não diria isso. Vamos pensar na Airbus: quando ela nasceu, há 40 anos, ninguém pensava que poderia competir com a Boeing americana, e agora a American Airlines usa Airbuses. Por que não poderia? O mesmo não pode ser feito em algumas áreas da tecnologia? Existem os recursos, as competências, o mercado. Surpreende-me que poucos líderes e políticos europeus pensem desta forma.”

Você não tem medo de novas tecnologias? Muitos temem que eles tirem os nossos empregos, ou mesmo que possam pôr em perigo a própria humanidade.

“Não é preciso ter medo, não é porque eu uso um laptop ou o sintetizador que o violino desapareceu. Na verdade há mais pessoas que tocam violino hoje do que há 200 anos. Ao mesmo tempo, não devemos ser ingênuos, devemos estar cientes do que estamos fazendo, das ferramentas que usamos e por que as usamos. E, repito, precisamos de regras”.

“Não seja ingênuo” é uma frase que se repete diversas vezes em nossa entrevista:

“O que quero dizer é que não adianta ver tudo tão bonito ou tudo tão feio, também precisamos estar atentos à realidade. Não vivemos em um conto de fadas, temos que ler.”

Jarre, um pioneiro da eletrônica desde 1976, quando foi lançado o seu álbum Oxygene, que vendeu mais de 18 milhões de cópias em todo o mundo, é um entusiasta pelas possibilidades da arte musical dos dias atuais. Isso é o resultado de, não só ser um profundo conhecedor da música, mas também de novos instrumentos (desde o gravador com que outrora se processava a música, “como fizeram os meus professores Pierre Henry e Pierre Schaeffer”, até o Metaverso e a realidade imersiva).

“Acredito que esta última é uma verdadeira revolução no campo musical, pois permite-nos quebrar a barreira do espaço. Embora quase todos aqueles que lidam com o Metaverso falem sobretudo de visão, na realidade o sentido verdadeiramente imersivo é a audição. Está ao nosso redor, sempre em 360°. Mas até agora a música tem sido apreciada frontalmente, até mesmo a estereofonia. Nos concertos, a orquestra e o artista estão à nossa frente. E essa é uma desvantagem que, até certo ponto, também impusemos a nós mesmos: pouquíssimos tentaram romper esse limite espacial, mesmo do ponto de vista da composição.. A verdadeira mudança trazida pela tecnologia de Realidade Virtual e imersiva é a quebra dessa barreira. Finalmente podemos tocar em 360°, como acontece na realidade: numa cidade ou numa floresta o som vem de todos os lados”.

Você não acha que é um paradoxo que, com todos esses incríveis avanços tecnológicos, a qualidade da música tenha realmente piorado em comparação com 15-20 anos atrás? Cada vez mais se ouve música pela TV, computadores ou smartphones, que têm um desempenho musical muito ruim.

“Penso que o dia em que o MP3 foi apresentado foi um dia negro na história da música. No entanto, penso que as novas gerações terão acesso a música de melhor qualidade. Nos festivais de música, os sistemas de reprodução estão agora muito sofisticados, os carros elétricos estão a tornar-se auditórios de bolso, os fones auriculares estão cada vez melhores: estamos a voltar a dar importância à qualidade sonora, que estava sendo um pouco negligenciada nos últimos anos”.

Falando em carros, como está sendo a experiência com a Renault em produzir os sons de seus carros elétricos?

“Extremamente interessante. Há um duplo desafio: passar do ruído emitido pelo movimento físico do motor para um som digital emitido por um pequeno alto-falante. E depois criar um som audível, por questões de segurança, que no entanto não contribui para aumentar a poluição sonora em que todos estamos imersos. E depois há o lado psicológico. Por exemplo, para nós, a potência de um carro está intrinsecamente ligada ao ruído que ele faz”.

Em suma, estes são tempos verdadeiramente emocionantes para um “otimista da razão” como Jean-Michel Jarre.

Durante a sua passagem por Milão, Jarre também visitou o “MEET Digital Culture Center”, uma organização italiana que apoia a cultura digital e a tecnologia criativa, oferecendo um plano massivo de atividades online e presenciais, que levam as pessoas a experimentar e abraçar a tecnologia digital como parte de sua vida diária. A visita de Jarre foi compartilhada no Instagram do centro cultural:

“O lendário músico eletrônico @jeanmicheljarre e o premiado cineasta e artista de VR @hsinchienhuang foram convidados no MEET hoje para visitar os espaços imersivos e o Arquivo do Centro em Progresso.
Depois de participarem do Festival Internacional de Cinema de Genebra (GIFF) e apresentar a sua última criação “The Eye and I”, eles chegaram ao MEET em busca de inspiração para novos projetos e notícias.”

Fontes: la Repubblica|OnMetaverse Summit|MEET Digital Culture Center

Views: 64