JEAN-MICHEL JARRE: “A PANDEMIA É UMA OPORTUNIDADE DE EXPLORAR OUTRAS FORMAS DE COMPARTILHAR MÚSICA”

O músico francês foi o responsável por um dos maiores concertos da história e recentemente apresentou um show em Realidade Virtual.

Colômbia – 08/12/2021

Jean-Michel Jarre é conhecido por seus inovadores e massivos shows ao ar livre. Ele começou nos anos 1970 na música eletrônica e já vendeu mais de 80 milhões de álbuns nessas décadas.

Ele foi o primeiro músico ocidental a ser oficialmente convidado a se apresentar na República Popular da China, e seu show em Moscou no ano de 1997, detém o recorde de um dos maiores do mundo, com um público presente de 3.500.000 de pessoas.

Em 2020, o músico francês chamou a atenção com uma inovadora performance ao vivo na Catedral de Notre-Dame em Realidade Virtual.

O show, que combinou imagens de Realidade Virtual com uma performance ao vivo no estúdio, introduziu uma abordagem de mídia mista que foi a primeira de seu tipo. Foi assistido por uma surpreendente audiência de mais de 75 milhões de pessoas em todo o mundo.

Famoso por seus shows épicos e de alta tecnologia em locais icônicos, foi apropriado que Jarre continuasse com essa tendência apesar da pandemia. O músico projetou, construiu e executou o espaço de Realidade Virtual, que estava acessível em todos os formatos disponíveis. Desde televisão e rádio, a vídeo online e plataformas de mídia social no Oriente e no Ocidente, com uma experiência totalmente imersiva usando fones de ouvido de VR.

“O mundo estava em confinamento. Vivíamos todos isolados, confinados em nossas casas, que se tornaram o centro de nossas vidas e o único espaço que tínhamos para manter alguma forma de normalidade. Onde o trabalho, a família, o amor, o lazer e os jogos estavam contidos dentro daquelas quatro paredes. Compartilhamos e interagimos com o mundo ‘externo’ por meio de nossas telas. Como músico e criador de shows, como todos os meus colegas, eu precisava criar, atuar e compartilhar. Essa é a única vocação que conheço…”

Jarre imaginou um show transmitido ao vivo para que todos pudessem participar de suas próprias bolhas individuais, e “Welcome to the Other Side” foi planejado como um título, já que todos precisávamos esperar pelo fim do túnel do confinamento global.

O músico francês argumenta que esses tempos estranhos que estamos vivendo, não são apenas desafiadores da criatividade, mas também provavelmente os tempos mais emocionantes para inventar e moldar o futuro. Ao invés de substituir qualquer modelo do passado, ele abre as portas para empurrar os limites ainda mais.

“Shock” conversou com ele sobre o futuro dos shows e experiências musicais e culturais no mundo após a pandemia.

Você acha que a pandemia promoveu a criatividade em experiências em torno da música?

“Absolutamente! A pandemia criou desespero e houve tempos muito sombrios para muitos de nós. Mas ao mesmo tempo foi uma oportunidade de explorar outras formas de compartilhar música e novas ideias para nos expressarmos criativamente.

Para mim, a Realidade Virtual foi uma forma muito interessante de expressão para compartilhar música. Foi uma boa oportunidade para enviar uma mensagem de esperança a todos. Queria criar um vínculo com a Notre-Dame porque, além de católico, é um símbolo de união.

Notre-Dame enfraqueceu como nós. Parecia ótimo criar esta ponte e celebrar o que vivemos juntos com o renascimento da Notre-Dame. Achei que seria legal fazer um show em Realidade Virtual dentro da catedral. Tínhamos milhões de pessoas assistindo ao show ao vivo. Foi incrível e selvagem.

Acho interessante porque em tempos de pandemia as pessoas querem compartilhar experiências e essa foi um ótimo exemplo.”

Ao longo de sua carreira, você se interessou em explorar novas formas de criar e compartilhar música. De onde vem seu impulso criativo?

“Sou muito curioso e sempre me interessei em encontrar novas formas de me expressar através da música. Muita coisa aconteceu desde que comecei. Era um pioneiro e era como abrir uma trilha em um território virgem.

Quando estava trabalhando neste projeto, tive a mesma empolgação de quando comecei a explorar um novo território há várias décadas. Eu sei que alguns artistas depois de 2 ou 3 álbuns dizem: ‘estamos muito felizes com isso, vamos rever o que fizemos’. Não estou interessado no que já fiz. Eu vejo como demos para o meu próximo projeto.”

Você esteve nos protestos de Paris de 1968. Como você compara esse momento com o que está acontecendo hoje em várias cidades ao redor do mundo?

“É interessante porque para os jovens é algo muito parecido. Acho que esta geração quer sacudir a árvore e mudar a sociedade. Após a pandemia, as pessoas vão querer explorar, se expressar e desafiar o sistema.

Sabemos que o sistema não funciona, e também não funcionou em 1968. Todos sentimos que a forma como a política está funcionando não é boa. Temos que pensar diferente. Em essência, existe uma crise e temos certeza de que existe uma crise intelectual. E é algo que deve mudar.

Durante a pandemia, fizemos duas coisas: sair para comprar comida e ouvir música e assistir filmes. Assim verificamos que a cultura é algo de primeira necessidade. Sem música e filmes, a vida seria desesperadora. Devemos mudar o paradigma porque devemos considerar a música como o ar que respiramos. Devemos dar valor ao álbum e ao filme. É algo ao qual devemos nos adaptar.”

Você acha que com a facilidade que existe hoje para encontrar música, seu valor foi perdido?

“A Internet é uma das melhores coisas que existe para compartilhar nossa música. Qualquer pessoa pode produzir algo de casa. Isso me parece muito positivo.

Em segundo lugar, é por isso que existem empresas na Internet que usam autores como produtos e os artistas muitas vezes não têm um modo de vida decente. Precisamos nos reajustar e pensar em qual será a próxima etapa da Internet.

O Facebook está em declínio. Perguntei a conhecidos e os mais novos não conhecem o Facebook. O Facebook pode facilmente se tornar o MySpace e pode não existir dentro de alguns anos. E o mesmo pode acontecer com o Instagram ou o TikTok. Todos eles podem desaparecer muito rapidamente.

As plataformas precisam de conteúdo, precisam de nós, e devemos ter uma parte importante do digital. Não se esqueça que em um smartphone, o mais inteligente somos nós.”

Sua mãe fez parte da Resistência Francesa na Segunda Guerra Mundial. O quão importante ela é para você?

“Ela foi um guia para mim porque era uma mulher extraordinária. Foi uma grande figura da Resistência Francesa e há poucos dias em sua cidade natal, uma rua ganhou o seu nome. É muito empolgante como filho pensar que vai haver gente se encontrando e conversando na rua com o nome da sua mãe. É muito especial.

Ela me deu muitos princípios e ideias. Um deles foi não misturar ideias com pessoas ou estereotipá-las. É por isso que fiz tantos shows pelo mundo todo, porque acho que quando existe um país onde as pessoas não têm a mesma liberdade, temos que ir lá para levar cultura. A cultura é para todos.”

O que você acha que vai acontecer com os shows após a pandemia?

“Espero que nos ensine a respeitar mais a cultura. Acho que a pandemia está sendo um acelerador para tudo relacionado à Realidade Virtual. Shows e turnês serão muito diferentes.”

Fonte: Schock