Entrevista sobre Oxygene em jornal eletrônico de Portugal

Oxygene2007cd

“Oxygene foi um ovni musical no seu tempo”

por: Nuno Galopim

Como descobriu a música electrónica?

JMJ: Primeiro fiz o ensino clássico, depois passei por grupos de rock. E, através de um colega de Liceu entrei num grupo mais experimental ligado à televisão francesa que era dirigido pelo Pierre Schaeffer, o inventor da música concreta. Foi ele quem me ensinou que a música não era apenas feita de notas e acordes, mas também de sons. E que a diferença entre o ruído e o som musical nasce da intervenção do músico.

Essa era, contudo, uma música essencialmente experimental. A sua, depois, seguiu outro rumo…

JMJ: Dez anos antes de Oxygene trabalhava nesses domínios. Fiz vários discos falhados, música de filmes, produzi artistas… Foram trabalhos práticos, mas sabia que uma outra coisa me chamava.

Como explica a mudança?

JMJ:
Fiz Oxygene perante uma espécie de indiferença geral. Em casa, numa cozinha transformada em estúdio caseiro, minimalista, com equipamento antigo… E já dizia para mim que, um dia, teria de voltar a grava-lo com equipamento sério.

Daí esta nova gravação?

JMJ: Precisamente. Quando a alta definição apareceu e sob o pretexto do 30.º aniversário, senti que tinha chegado o momento.

Em meados dos anos 1970, a música eletrônica não experimental que se ouvia era, sobretudo, a alemã. Chegou a sentir que aquele não era o seu caminho?

JMJ: A música pop é de partilha. Mas, na época, a música eletrônica era sobretudo laboratorial. Ouvia o que acontecia, mas sugeria-me paradoxos. O primeiro artista que ouvi foi Walter Carlos, que sugeriu a muitas pessoas uma ambiguidade sobre os sintetizadores. Ou seja, viam-nos como instrumentos que procuravam imitar os sons de outros. E assim se passava ao lado das verdadeiras potencialidades do instrumento… A seguir chegaram os alemães, que faziam uma espécie de apologia à máquina. Usavam a música eletrônica de uma forma expressionista, mecânica. Sobretudo o Kraftwerk (o que não impede que adore o que fizeram). Mas era uma música fria, robótica, desumanizada.

Procurava, antes, uma idéia de humanidade na eletrônica ?

Para mim aqueles eram os instrumentos mais sensuais que conhecia. Podia fazer com eles som como quem cozinha. E procurava fazer uma música que não vivesse da repetição de acontecimentos, que não fosse automática. Em Oxygene não há sons que se repitam, não há sequenciadores.

Como numa peça sinfónica?

JMJ: Mais tarde refleti sobre essa afinidade com a música clássica. A composição de Oxygene é simples, mas longe de ser ingénua. Era diferente do que se fazia na música eletrônica da época. E essa talvez seja uma das razões objetivas que justificam o seu sucesso. Há ali qualquer coisa na qual as pessoas se encontraram de uma forma sensual e não apenas intelectual.

Muitos associaram esta música a ambientes de ficção científica.

JMJ: De fato, mas não eu. Gosto de ficção científica. Mas não ligo a minha música ao espaço sideral. Antes ao espaço vital, ao que nos envolve. É uma música mais da biosfera que da estratosfera. Daí o fato de, ao longo dos anos, ter feito tantos trabalhos ligados a questões ambientais, com uma mensagem ecológica sem querer dar lições como outros têm feito. O artista deve passar mensagens do ponto de vista emocional e não dogmático.

Esperava então o sucesso que o álbum obteve?

JMJ: De modo algum! Aquela música foi recusada por quase todas as gravadoras. Estávamos no tempo do Punk e do Disco… Não sabiam que música era aquela, sem cantor, sem single. Era um OVNI para a produção da época. A minha própria mãe perguntava-me porque dei o nome de um gás a um disco… Depois do sucesso, o que era negativo virou positivo. O fato de ser francês funcionou como exotismo.

Como nasceu a sua relação com a música ao vivo em eventos ao ar livre. Outro “exotismo”?

JMJ: Esta é uma música que nem é do espaço estratosférico nem da cave (como o Rock). É da biosfera, do espaço público. Além disso, vivo obcecado pelo conceito do one off, do momento que não se repete.

Porque ainda não deu concertos em Portugal?

JMJ: Já esteve para acontecer três vezes. Uma no Terreiro do Paço, outra na Expo, esta em Lisboa. E houve planos para o Porto. Mas nenhum se concretizou ainda. E tenho de tocar em Lisboa um dia. A luz da cidade lembra-me a de Lyon, onde nasci.

Entrevista original em: http://dn.sapo.pt/2007/11/22/artes/oxygene_um_ovni_musical_seu_tempo.html

Fonte: Diário de Notícias

Avatar

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.

One thought on “Entrevista sobre Oxygene em jornal eletrônico de Portugal

  • Avatar
    30 de novembro de 2007 em 09:06
    Permalink

    maravilhoso esta entrevista, este e o verdadeiro jean michel
    jarre. continuo sendo fa dele.

Fechado para comentários.