“ELECTRONICA 1 – THE TIME MACHINE” – ENTREVISTAS DE DIVULGAÇÃO PARTE 5

JARRE NO ESTUDIO

LA REPUBBLICA (ITÁLIA) – 11/10/2015

As esposas:

… Em troca, ele tinha belas mulheres. Como Charlotte Rampling. “Eu costumava dizer que me casei com minha imaginação, eu estava no sul da França para descansar e conheci ela através de um amigo que eu sabia que ela estava lá. Eu a convidei para jantar, e a partir desse momento que estávamos juntos É uma atriz e uma.. . mulher extraordinária temos três crianças e, embora estamos separados nós estávamos muito perto: é a ex-mulher da minha vida “. E Anne Parillaud? “Eu também me divorciei dela. Ela foi uma das piores experiências da minha vida. Acho que vou fazer uma ruptura com as atrizes.”

http://m.repubblica.it/mobile/r/sezioni/spettacoli/musica/2015/10/10/news/jean-michel_jarre-124770273/

LES IN ROCKS (FRANÇA) – (16/10/2015):

Quando criança você foi influenciado pelo seu avó (Andrés Jarre) ?

Jean-Michel JarreEle tocava o oboé, mas também foi um engenheiro, um inventor. Ele criou um dos primeiros mixadores e também o antepassado do Walkman e do iPod, o primeiro toca-discos portátil, o Teppaz. Ele certamente me deu o vírus da ligação entre música e tecnologia.

Você teve uma banda de rock…mas ao mesmo tempo você começou a moer a banda…

JMJ: Sim, eu estava em uma banda chamada Dustbin, um nome terrível! Além disso, com um gravador de fita velho que o meu avô tinha me dado, eu gravei solos de guitarra ou do órgão. Passei o resultado de cabeça para baixo e eu modifiquei a velocidade da fita. Eu já tinha esse desejo de mexer com o som da banda. A tal ponto que o pai do baterista, crítico de música na Radio France, aconselhou-me a me conectar com o Grupo de Pesquisa Musical (GRM) que eu não conhecia na época. Eu fui lá e caí na panela. Pierre Schaeffer foi meu professor, meu mentor. Ele foi o primeiro a dizer que a música não foi feita somente com notas, mas sons. Foi divertido vê-lo em um terno e gravata na frente das plataformas giratórias 78 rotações … era como Kraftwerk antes do tempo.

Como era a atmosfera no G.R.M. ?

JMJ: Primeiro, em 1968, a música electro-acústica, era ideal para se rebelar contra qualquer forma existente, inclusive contra o rock. No GRM, houve um lado extremamente grave, uma arrogância intelectual. Xenakis disse “cuidado tudo o que procede de emoção, é suspeito.” Ao mesmo tempo, havia no G.R.M. um espírito rebelde faz-tudo que deu origem ao Shadocks. Eu amei esta esquizofrenia, mas depois de um tempo eu percebi que não devemos querer reinventar a roda! Próprio Schaeffer me aconselhou: “Não desperdice o seu tempo para continuar no laboratório, sua vida e seu papel é ir para o público.”

http://www.lesinrocks.com/2015/10/16/musique/rencontre-avec-jean-michel-jarre-lhomme-machine-11781611/

REVISTA PARIS MATCH (FRANÇA) – 16/10/2015

Voltando a trabalhar com Christophe

Desde o lançamento de “Les mots bleus” em 1974, na qual ele era letrista, Jean-Michel não havia trabalhado mais com Christophe. Suas carreiras tomaram caminhos separados. Mas cinco anos atrás, a idéia de trabalho conjunto voltou. “Christophe me perguntou por letras para seu próximo álbum. Estou trabalhando nisso. E ele concordou em participar da segunda parte de “Electronica”, que será lançado em abril de 2016. Eu estou contente que nós estamos trabalhando juntos novamente.”

http://www.parismatch.com/Culture/Musique/Electronica-1-The-Time-Machine-Jean-Michel-Jarre-le-temps-est-avec-lui-846261

jmj-entrv

LE PARISIEN (FRANÇA) – 11/10/2015

“E eu sempre penso em explorar novas idéias. Quanto ao Stade de France, um projeto antigo … “

http://www.leparisien.fr/espace-premium/culture-loisirs/toujours-branche-11-10-2015-5174067.php#xtref=http%3A%2F%2Fwww.zoolook.nl%2Fforum%2Fviewtopic.php%3Ft%3D4491%24postdays%3D0%24postorder%3Dasc%24start%3D2820

24 HEURES (SUIÇA) – 11/10/2015

Uma ausencia no projeto?

JMJ: Trent Reznor (nota: alma do Nine Inch Nails). Eu pensava nele desde muito cedo, mas muitos problemas se misturavam, pessoal e profissional. Então ele saiu em turnê. Não nos encontramos o tempo todo.

Hoje, David Guetta é o pop “Frenchy”. Será que você convidou para seu projeto?

JMJ: Eu tenho bastante afeto por ele, mas eu não seria convidado no projeto porque … (longa hesitação) ele é um produtor de talento, mas que não faz parte da mesma história. É num contexto em que a América parece descobrir uma forma de electro, mas espero que este projeto vai mostrar que esta música não começou com Guetta e Avicii.

http://www.24heures.ch/culture/musique/Je-ne-voulais-aucun-avocat-la-base-de-lhistoire/story/12603476

PLANET INTERVIEW (ALEMANHA) – 03/11/2015

P: Monsieur Jarre, na sua idade, a maioria das pessoas tendem a ir para o clube da Filarmónica – porque você com 67 nem mesmo está escrevendo música clássica?

Jean-Michel Jarre: Porque eu espero que o que eu escrevo, um dia será a música clássica. (risos) Eu gosto de música clássica, existe a bem estudada, mas eu não tenho um forte desejo de trabalhar com uma orquestra sinfônica. Meu vocabulário é a música eletrônica e talvez isso será a música clássica do futuro. Stravinsky era uma vez avant-garde, hoje é clássica.

Sim, já houve apresentações sinfônicas de minhas peças. Sua pergunta é baseado nesta hipótese,quando de modo que ocorre um retorno em uma determinada idade. Mas esse tipo de reflexão não é comigo.

P: É importante para você ser progressivo?

Jarre: Não. Eu mesmo nunca me vejo como um progressista. Eu sei que alguns DJs me veem como um pioneiro. Para mim, eu apenas tive a sorte e o privilégio de estar no início de um desenvolvimento, eu fui capaz de abrir as portas para o terreno até então desconhecido.

P: Em conclusão: Se o mundo é uma orquestra, qual instrumento você tocaria?

Jarre: Um sintetizador! Ou um Theremin em uma peça de Stravinsky.

http://www.planet-interview.de/interviews/jean-michel-jarre/48057/

jarre

THE STAR (IRLANDA) – (06/11/2015)

A origem do nome “ELECTRONICA”:

A palavra ‘Electronica’, tem aparecido desde os anos 90 como um guarda-chuva para músicas de batidas, e você poderia facilmente assumir que Jarre escolheu este título para colocar no carimbo deste projeto: “Isto é o som da ‘electronica’.”

Mas Jarre é mais filosófico, dizendo simplesmente: “Quando eu escolhi esse título eu estava ciente da história, mas eu não me importei. Para mim, ‘electronica’ não é um genero. . O que eu amo sobre o título é que é uma palavra em duas partes – ‘electronic'(do inglês eletrônico) e o ‘a’ no final.”

‘Electronic’ está obviamente ligado à tecnologia da música eletrônica e o ‘a’ no final é uma espécie de lado feminino, uma musa. ‘ ‘Electra’ costumava ser a deusa da luz e da energia, como a Electra do século XXI. Essa idéia de música eletrônica de família, herança e futuro que eu queria expressar desta forma no título. “

http://thestar.ie/jean-michel-jarre-we-need-to-rebuild-the-future/

FUTURE MUSIC (REINO UNIDO) – 10/11/2015

FM: Quando você lançou AERO em 2004, foi a primeira vez que alguem lançou um álbum em um sistema 5.1 surround sound. Isto foi bem-sucedido ?

JMJ: “Eu acho que esse projeto é um dos raros álbuns a ser concebido originalmente em 5.1, porque você tem muitas coisas em 5.1 que são basicamente provenientes de partes estéreo e transformadas posteriormente na fase de mixagem final.

Eu realmente investi desde o início em um sistemas 5.1, e foi um bom exercício para mim, porque não poderia mesmo encontrar um engenheiro de som capaz de mixar o que eu tinha em mente. Mas ninguém estava interessado na obtenção de 5.1 em casa por uma razão muito simples – 5.1 funciona quando você está no meio, mas raramente existe alguém sentado no meio de uma sala. É como 3D. Eu fui um dos primeiros a fazer concertos em 3D, mas agora eu não posso suportar 3D nos cinemas.

O fato de que você precisar de óculos significa que você perde 60% da luz. O 3D real para filmes vai ser quando você não tiver nenhum hardware.”

FM: Você ainda está experimentando em 5.1?

JMJ: “Para o meu novo álbum, Electronica, você terá disponível algumas faixas de áudio de bônus em 3D. Na verdade, é uma nova tecnologia que eu estou trabalhando, sem qualquer aplicação ou hardware ou aparelho Blu-Ray 5.1 que ninguém escuta de qualquer maneira.

É um sistema algorítmico bastante complexo, onde você pode criar um ambiente de som surround real. Eu acho que isso é importante, porque, por mais que pensemos, ainda estamos na idade das trevas de som, ouvindo em minúsculos e pequenos alto-falantes em nosso smartphone. Som de alta definição não é um luxo; nascemos com orelhas de HD, por isso, também deveria ter esse equipamento.”

FM: Será que o áudio 3D irá mudar a forma como ouvimos música?

JMJ: “Em termos de nosso som ambiente, estávamos em mono há muito tempo, então um cara muito inteligente inventou estéreo em meados do século 20. Mas estéreo não é natural; é um sistema falso com um ponto faseada para dar-lhe a impressão de espaço, mas isso não é realmente o que você encontra na natureza.

Com esta experiência de áudio 3D que acompanha o projeto, podemos ver claramente a diferença entre a versão estéreo padrão e uma abordagem totalmente diferente para ouvir o som. Eu realmente gostaria de desenvolver isso para que jovens produtores e compositores podem fazer música de uma forma totalmente diferente.”

FM: Onde o álbum “Electronica” foi mixado ?

JMJ: Eu mixei grande parte disto em Los Angeles, no estúdio da Paramount e também em Paris.

Fonte: http://www.musicradar.com/news/tech/in-pictures-jean-michel-jarres-mindblowing-studio-630516

TRAX MAGAZINE – (FRANÇA) – NOVEMBRO/2015

TRAX: Sobre a sua colaboração com Jeff Milles :

JMJ: Ele é um arquiteto e ele inicialmente fazia música como um arquiteto. Toda vez que ouço uma de suas seqüências, parece-me que vejo edifícios de Oscar Niemeyer, o arquiteto brasileiro com um lado Bauhaus de Berlim, mesmo que esteja do outro lado do oceano. Ele também tem essa obsessão com o cinema. Qualquer sequência que faz soar muito com uma trilha sonora de um filme mudo. Ele veio me ver há vinte ou vinte e cinco anos, e foi super me tocou, ele me disse que era um DJ, ele realmente queria colocar a música e perguntou-me como compor um pedaço de A a Z, estruturas, etc. Ele veio para me fazer perguntas e eu achei ótimo.

jmj pose

TRAX: Quando ouviram ‘Oxygene”, essas pessoas (G.R.M.) devem ter odiado você …

JMJ: Sim, e eu tinha esse lado de 1968, quando se rejeita tudo o que estava lá antes. Música eletrônica chegou a tempo para foder … Eu rejeitei tudo de uma vez, incluindo rock’n’roll. Eu sempre amei rock, mas para mim já era uma velha maneira de fazer música. É muito mais frio para ir manipular o som. Quando eu estava em um grupo de rock, antes de entrar para o GRM, eu já tinha uma idade de magnetismo ,meu pai tinha me abandonado e estava eu estava gastando todo o meu refrão de guitarra para trás. Eu já estava fazendo a manipulação de sons por volta dos 13 ou 14 anos. E o pai do nosso baterista, que trabalha na ORTF(radio francesa), disse-me um dia:. “Você sabe que existem caras que fazem essas coisas também, e eles fazem isso seriamente, Você deveria ir pra lá , é realmente interessante. ” Foi ele quem me levou para o GRM. Quando eu cheguei, eu pensei que era insano. Era necessário passar em um concurso todos os anos, havia 200 pessoas que se candidataram e eles levaram quatro. Eu tive a oportunidade de estar entre os quatro.

TRAX: Que revelação Hans Zimmer fez sobre seu pai ?

JMJ: Isto é uma história muito engraçada. Eu colaborei com o compositor de cinema Hans Zimmer e filmamos um documentário. Na entrevista do filme, ele disse: “Eu não disse isto a Jean Michel, mas quando eu o conheci em Hollywood, seu pai (Maurice Jarre) estava obcecado com a música eletrônica que ele estava compondo a música para um filme chamado ‘A Testemunha’, mas ele deveria ter perguntando para seu filho, faze-lo !” (risos).

TRAX: Como foi o Concerto de Moscou ?

JMJ: Foi em uma noite de sábado, em Moscou, é era quente … A vodka na multidão flui generosamente … Foi uma bagunça incrível. E era o dia do funeral de Lady Di. Eu a conheci, ela tinha ido para o concerto nas docas de Londres (Destionation Docklands), ela era uma fã. Tinha uma música que ela adorava (Souvenir of China). Esta menina tinha me tocado. No palco, eu peguei o microfone e eu dediquei esta peça a ela. E foi um silêncio total e todo mundo puxou o isqueiro. Estamos em Moscou, não em Londres. Foi um choque emocional ver uma multidão nestas condições … Eu quase fiz isso para mim foi um truque para sentimento, e, de repente, não havia mais qualquer ruído. Ficamos presos, não poderíamos fazer nada!

http://fr.traxmag.com/interview/30200-jean-michel-jarre-la-grande-interview