Baixistas

GUY DELACROIX

A carreira musical desse baixista, nascido em 19 de maio de 1948, começou em 1969 no grupo Voyage, do qual ele também era compositor. Após colaborações com Magma (1977) e François Bréant (1978), ele rapidamente se tornou um dos baixistas mais populares da França, sendo o autor de várias trilhas sonoras para filmes e comerciais.

Michel Geiss percebeu isso em um show de Louis Chedid, e apresentou Guy para Jean-Michel. Ele se juntou à Le Tribe no show de Lyon em 1986. Artista versátil, ele não toca apenas baixo no palco, mas também sintetizadores e contrabaixo elétrico. Entre 1986 e 1995, participou de todos os concertos de Jean-Michel Jarre, com exceção de Hong Kong, quando foi substituído pelo Michel Valy.

Jean-Michel Jarre lhe confiou a direção musical do Concert for Tolerance em 1995, substituindo Sylvain Durand. Indisponível para a Oxygène Tour em 1997, Delacroix finalmente deu lugar ao jovem Christopher Papendieck.

MICHEL VALY

Michel Valy nasceu em 1955 em uma família de músicos tradicionais. Ele se tornou um baixista profissional em 1976.

Com Dominique Perrier, Jérôme Guegen e Marc Hazon formou o grupo “Stone Age”, que lançou 4 álbuns entre 1992 e 2007. Além do Stone Age, Perrier e Valy participaram de vários projetos juntos. Perrier sugeriu a Jean-Michel Jarre a contratação de Valy para substituir Guy Delacroix, que não estava disponível para o show de Hong Kong em 1994. Mais recentemente, Dominique convidou o baixista a reviver o grupo “Space Art” com um novo álbum e novos concertos.

CHRISTOPHER PAPENDIECK

Papendieck é um tecladista alemão. Ele estudou trombone, mas também toca teclados para se divertir com um grupo de soul-funk. Como estudante, ele escreveu arranjos multi-instrumentais e suas primeiras gravações são de 1988.

Em 1997, Guy Delacroix não estava disponível para a Oxygène Tour e Jarre começou a procurar por um novo baixista. Pascal F.E.O.S., do grupo “Resistance D”, que tinha acabado de remixar “Oxygène 10”, sugeriu seu amigo Christopher. Sua experiência com sintetizadores foi o argumento que seduziu Jarre. Papendieck se juntou à Le Tribe por cinco anos e foi até promovido diretor musical do concerto em frente às Pirâmides do Cairo .