CISAC: Jarre na UNESCO sobre Inteligência Artificial

Em outubro de 2018, um leilão na Christie’s abalou o mundo criativo e cultural. Retrato de Edmond Belamy, uma obra de arte criada por um programa de inteligência artificial, foi vendido por US $ 432.500,00. O evento abriu uma nova era de debates sobre o advento da inteligência artificial e dos direitos autorais no mundo dos trabalhos criativos. Em 13 de dezembro, a UNESCO realizou um painel de discussão sobre o tema “Inteligência artificial: um novo ambiente de trabalho para criadores de conteúdo?” e seu impacto nos direitos autorais, quem ou o que é criador e quais implicações que isto tem hoje e no futuro. Foi realizado durante a série de discussões durante o 12º Comitê Intergovernamental CREATE|2030 e moderado pelo Chefe de Comunicação da UNESCO, George Pagagiannis.

O comitê faz parte da Convenção de 2005 para a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, que busca incentivar políticas que protejam e promovam a diversidade cultural nacional e internacionalmente. A inteligência artificial, assim como outras novas tecnologias, coloca novos desafios para garantir que essa diversidade permaneça vibrante e preservada.

 

Como Presidente do CISAC e Embaixador da Boa Vontade da UNESCO, Jean-Michel Jarre, foi convidado a abrir a discussão e participar do painel. Ele deixou claro durante a abertura que a diferença entre inteligência e consciência deve ser distinguida. A tecnologia já é capaz de criar todo um trabalho. Em dez anos, poderá criar obras de música, pictórica e original. No entanto, ele deu uma perspectiva positiva sobre o lugar da inteligência artificial no setor, observando que seria “falso acreditar que o passado era melhor e que o futuro seria pior” e que “nosso futuro não é uma distopia”. Em relação aos direitos dos autores, pode-se imaginá-lo como uma colaboração entre um compositor e um aplicativo de software.

A questão sobre os direitos dos autores foi aberta ao painel, que abordou o assunto de quem ou o que possui direitos autorais, entre outras questões. Qual seria o caso se os algoritmos de inteligência artificial estivessem nas mãos de multinacionais? Quais seriam os efeitos sobre as economias emergentes se esses programas fossem desenvolvidos ou dominados apenas pelas principais potências econômicas globais? Finalmente, como a sociedade pode garantir que a identidade humana não seja perdida devido aos avanços da inteligência artificial?

 

Durante o painel, Jarre observou que a inteligência artificial hoje, e seu estado atual de desenvolvimento, requer uma reflexão da UNESCO, bem como gestão coletiva sobre as questões acima e identidade do criador, e para identificar um modelo de negócios apropriado para inteligência artificial no setor criativo.

 

Fonte:

http://www.cisac.org/Newsroom/Articles/Future-frontiers-today-in-focus-as-CISAC-President-Jean-Michel-Jarre-addresses-artificial-intelligence-at-UNESCO?fbclid=IwAR2fNxUbprqGRuK6oiS5pnmyhEFUai-rbLl4QeygNCxtaXJf0rfTrplPuOQ

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *